Road trips que marcaram

Roadtrip é uma expressão equivalente a viagem de carro, mas vai muito além desta tradução; é uma cultura, uma expressão de prazer e liberdade que reúne paixões: estrada, automóvel e viagem!
E vai aí outra expressão envolvendo estrada: take a trip down memory lane, que siginifica lembrar de fatos passados. Então aperte o cinto e venha nesta estrada comigo, conhecendo as road trips mais legais que fizemos e que podem inspirar a sua.

Não tem jeito: viajar de trem é legal, mas nada se compara à liberdade de escolha que um automóvel proporciona. Você pode parar quando e onde quiser, partir quando achar que é o momento, ouvir sua melhor playlist e cantar bem alto, em coro ou solo, fazer do carro sua casa, comendo nele ou parando para um piquenique.

Estrada no Lago Misurina, Dolomitas, Itália

Continuar lendo

Viajando de trem, avião, carro, navio…O que importa é o fim ou o meio?

O  fim justifica os meios. Maquiavel que me desculpe, mas os meios de que falo são os de transporte! Ao fim de qualquer viagem, encontramos o destino sonhado, o descanso urgente, o tempo compartilhado todinho com os que você mais ama ou o encontro consigo, mas enquanto não inventam o teletransporte e é preciso usar um meio convencional, o transporte utilizado numa viagem pode interferir diretamente nessa experiência e enriquecê-la. Então nem pense que é só um meio de chegar lá.

Venha comigo, porque hoje é dia 8, dia do mês em que publico 8 fotos com o tema sugerido pelo grupo de blogueiras 8on8 e como você já deve estar imagindo, o tema de julho é transportes. Não se interessa pelo assunto? O texto está cheio de links para você conhecer destinos nas Américas e Europa e eles podem servir de inspiração para sua viagem!

A estação de trem Keleti, em Budapeste

Continuar lendo

Gol Premium para Santiago e Sala VIP de Guarulhos

Esta sou eu: só descobri que os bilhetes comprados para o trecho SP-Santiago eram Premium no momento do check in no balcão do aeroporto. Não que eu seja distraída (tá, às vezes sou), mas é que comprei numa promoção e sabe como são promoções, têm sempre uma pegadinha e não se pode perder tempo. Então meus olhos pousaram sobre detalhes como de qual aeroporto partiria (algumas promoções para quem mora em São Paulo saem de Campinas), se havia conexão, horário de chegada para pegar o próximo voo para Calama (destino Atacama!) e o preço, claro. Tudo certo, precinho aceitável, comprei os dois bilhetes. Deixo aqui minha avaliação sobre a classe Premium da Gol e conto um pouco da espera na sala VIP da Gol Internacional, no terminal 2 do aeroporto de Guarulhos.

Se a vida te der pepinos, relaxe os olhos com eles!

Continuar lendo

Viena-Budapeste-Praga: trem ou avião?

Infelizmente no Brasil não estamos habituados a viajar de trem ente cidades ou estados, mas na Europa esta é a melhor opção em muitos casos. Acabei de percorrer os trilhos entre Viena, Budapeste e Praga, e fiz um dos trechos, o mais longo, de avião, então compartilho com vocês como foi orientada essa escolha. Espero que ajude a planejar sua viagem a estas três cidades tão lindas e que nada deixam a desejar se comparadas a outras capitais mais visitadas por brasileiros. Em Budapeste eu falava baixinho, com medo de cometer uma heresia:
“esta cidade é tão bonita como Paris!” e isso rendeu até um post: Budapeste ou Paris, qual é a mais bonita?

Conforto e paisagem - e snacks, porque ninguém é de ferro!
Conforto e paisagem – e snacks, porque ninguém é de ferro!


Trem ou avião entre países da Europa?

Como toda escolha, esta também é pessoal, mas em geral o trem vale a pena em percursos com duração de 3 a 5 horas. Para viagens mais longas, o avião é boa opção pois faz o percurso em tempo bem menor. Há quem viaje em trens noturnos para economizar tempo e estadia em hotel, mas na minha opinião esta é uma opção para quando você tem 20 e poucos anos. Depois dos 40 uma noite mal dormida pesa e a disposição para explorar o destino no dia seguinte cai. Por isso não considerei esta opção. Num trem como este da foto abaixo, que tem cabines para seis pessoas, é possível se esticar nos três bancos e dormir na tão sonhada posição horizontal, contando com a sorte de não chegar o dono dos assentos vizinhos ou de não ser incomodado por um fiscal.

O interior do vagão da OBB, de Viena a Budapeste
O interior do vagão da OBB, de Viena a Budapeste

Para fazer a escolha entre trem ou avião, fiz um comparativo dos dois meios de transporte e considerei:

– o tempo gasto no deslocamento até a estação ou aeroporto e seu custo, seja de taxi, seja de transporte público. Em geral, as estações de trem europeias ficam dentro dos centros das cidades, enquanto aeroportos se localizam no mínimo a 15 quilômetros. Em muitas cidades europeias, tanto aeroportos como estações de trem têm fácil acesso por transporte público. A gente morre de inveja!!! Leia os guias sobre cada cidade publicados aqui no blog, onde sempre dou as opções de transporte aeroporto-cidade;
– o tempo gasto na viagem de cada meio de transporte;
– o custo da tarifa de cada modalidade.

Aéreo entre Brasil e Europa
Já começo dizendo que esse negócio de voltar ao ponto de partida está longe de ser o ideal. Chegar a Praga de avião, ir a Viena e a Budapeste de trem e tomar o voo de retorno ao Brasil em Budapeste, seguindo uma linha de Norte a Sul, ou o sentido oposto, seria perfeito. Mas como usei passagem premio de programa de milhagem, eu não tinha essa opção e fiz SP-Viena com conexão em Munique (que aproveitei para conhecer e escrever dois posts: Do Aeroporto ao Centro de Munique e Roteiro de Munique e Dicas para uma Conexão Longa) e no final da viagem Viena-Munique-SP.

Munique dicas
A bela Munique ainda com cara de primavera no início de outubro

Nossas malas foram despachadas diretamente a Viena, e a SP na volta, então não precisamos usar o guarda-volumes do super aeroporto de Munique. O carimbinho da imigração você recebe em Munique (ou na cidade europeia em que fizer conexão) e depois não há controle de passaporte para entrar nos demais países, já que todos fazem parte do Tratado de Schengen.

Não se esqueça que os países signatários desse tratado exigem a emissão de um seguro viagem. O Mulher Casada Viaja tem convênio com a Mondial Assistance e por isso oferece 15% de desconto aos leitores. A cada mês há um código promocional, que é atualizado na página Receita de Viagem. Clique sobre o logo da Mondial presente aqui no blog para ser direcionado à página deles. Você ganha um desconto e contribui para a manutenção do blog. Obrigada!

Viena-Budapeste de Trem
Para o trecho Viena-Budapeste, escolhi viajar de trem porque eram apenas 2h40 de viagem. A estação Keleti, em Budapeste, é a mais centralizada e rodamos apenas 3 estações de metrô para chegar ao hotel na vizinhança do Mercado Municipal. O custo também foi excelente, € 19 por pessoa na segunda classe, então só vi vantagens.

Leia o primeiro post sobre a capital da Hungria: Budapeste: guia para planejar sua viagem.

Para viajar de Budapeste a Praga, eu gastaria cerca de 7 horas dentro do trem ao custo aproximado de €93 a €124, no site RailEurope, dependendo da classe, então optei por gastar 1h20 no avião, a €105. Mesmo considerando os deslocamentos até o aeroporto achei que ainda sairia ganhando em tempo. A tarifa mais barata e de voo mais curto que encontrei foi da Czech Airlines. Antes de bater o martelo pesquisei em fóruns de viajantes e não havia nada preocupante a respeito dessa companhia que não faz voos par o Brasil. O voo foi tranquilo, embora o turbo-hélice seja barulhento.

Budapeste-Praga

Leia post que publicarei em breve Praga: guia para planejar sua viagem.

Finalmente, de Praga a Viena, outro trem, desta vez com duração de 4h10, por € 19 por pessoa. Comprei pela Internet (link no final deste post) e recebi por e-mail o eticket da fotinho abaixo:

Que língua de assutar!
A língua que assusta ainda mais do que a alta do Euro! Brincadeirinha!, a desvalorização do real não tem comparação no quesito show de horror


Sobre Viena, comece pelo post Viena: guia para planejar sua viagem. Há outros três posts e os links ~podem ser encontrados no Roteiro de 3 Dias por Viena.

Bilhete de trem entre Viena e Budapeste: passo a passo para comprar
Partindo de Viena, compre seu bilhete no site oficial da empresa ferroviária austríaca, http://www.oebb.at, Geralmente sai mais barato do que comprar pelo site da RailEurope (em Português). Na minha pesquisa, uma diferença de quase €20 por pessoa na segunda classe. Veja como fazer:

1. Entre no site da companhia austríaca OEBB. O site está em alemão mas se você não fala esta língua, há opção em Inglês na barra superior à esquerda. Ao clicar no menu, o botão em vermelho mostrará “Deutsch”, que significa alemão. Quando você clicar sobre o botão cinza ao lado direito de Deutsch, a palavra English ficará em vermelho e o site em Inglês.

trem de viena a budapeste

2. Digite Vienna no campo From e Budapeste no campo To. Escolha a data de sua viagem e o horário. Não precisa ser exato, será possível escolher outros horários na próxima tela.

term para Budapeste

3. Em Who is traveling, clique sobre “+ Passengers” apenas se quiser comprar mais de um bilhete. Do contrário, clique em “Calculate Fare“. Esta será a nova tela, com as opções de trens, horários e estações.
Atenção: a estação mais central em Budapeste é a Keleti.

bilhete de trem Viena-Budapeste

Se você preferir um trem que saia mais tarde, clique em later e novas opções aparecerão. Depois que você escolher o trem, um alerta de que não é possível imprimir seu bilhete em casa é emitido.

Screenshot_2015-07-28-12-43-24

Atençãocomo não se emitem e-tickets, você tem que ir a uma estação de trem em Viena de posse do código de retirada informado pelo sistema (este você pode imprimir) para retirar seu bilhete. Pode ser no auto atendimento ou num guichê. No guichê é cobrada uma taxa de €1, mas é muito fácil imprimir na máquina.

Pegadinha
Mas acho que o mais importante é esta pegadinha em que eu quase caí: entrei no site da cia. ferroviária húngara, que tinha o trecho Viena-Budapeste mais barato, e quase comprei por lá. Só que eu teria que retirar o bilhete em Budapeste, estando em Viena! Portanto: compre seu bilhete na companhia ferroviária do país de origem da passagem. Os links estão no final desta publicação.

Como eu não tinha cadastro, precisei fazer um. Então, já logada, o passo seguinte foi concluir o pagamento. Ah, esqueci de dizer que eles oferecem a opção de reservar assento. São apenas €3, então acho que é melhor do que ficar procurando lugar vago, principalmente para quem está com malas.

4. Depois de inserir os dados do cartão de crédito, a instituição financeira pede uma autorização e assim que você libera recebe o “Collection Code”, a sequência de números que digitará na máquina da estação austríaca para imprimir seu bilhete.

Quando comprar o bilhete
A maioria das empresas começa a comercializar os bilhetes com 60 dias de antecedência. Se você tentar antes, pode se confundir, achando que o trecho escolhido não existe.

trem Europa malasBagagem no trem
Lembre-se que em trens não há bagageiro de porão como em ônibus ou aviões. Você sobe de mala e cuia no vagão. Em geral há um compartimento sobre os assentos para bolsas e malas pequenas e um único espaço por vagão, perto da porta, para as malas de todos os passageiros, como mostra a foto ao lado. No trecho Viena-Budapeste, os vagões tinham cabines com assentos para 6 pessoas e espaço sobre nossas cabeças para até 4 malas grandes e outra prateleira para bolsas. Ficamos mais tranquilos porque não ficamos na neura de vigiar as malas a cada estação em que o trem parava.

Paisagem
Não há muito o que ver e eu não orientaria minha escolha baseada na paisagem, mas no Outono o colorido das árvores deixa o trecho Praga-Viena especialmente bonito.  O trecho Viena-Budapeste é bem plano, sem relevo, e plantações e hélices de energia eólica dominam a paisagem depois de 30 minutos de partida.

Da janela. Depois não entendem porque eu só penso em viajar...
Da janela. Depois não entendem porque eu só penso em viajar…
serviço de bordo à venda
serviço de bordo à venda: chocolate por 40 coroas tchecas

Conforto e serviços dentro dos trens
Os bancos não reclinam, mas em trechos curtos isso não é um problema. Há banheiros e serviço de bordo, incluso na primeira classe e vendido na segunda. No trecho Praga-Viena, nosso trem tinha um café com janelas panorâmicas, o que facilita o bate papo com outros viajantes e faz o tempo passar mais rápido.
O espaço para pernas é bom e, diferente de aviões, não há entretenimento como música ou vídeo.

O espaço para pernas no trem
O espaço para pernas no trem


Últimas Dicas
1. Locomover-se entre as estações de metrô até o terminal de trem de viagem demanda tempo, então programe-se com antecedência para não perder o trem.

2.  Ao chegar à estação, procure os painéis de orientação para descobrir de qual plataforma seu trem partirá. O acesso às plataformas de muitas estações não tem elevador ou escadas rolantes, então lembre-se de viajar com malas pequenas. Se viajar no Outono ou Inverno, agasalhe-se: as plataformas são cobertas, mas como são abertas faz muito frio.

Plataforma da estação de Praga
Plataforma da estação de Praga


3
. Depois de achar a plataforma, é preciso adivinhar onde é sua cabine pois algumas estações trazem essa orientação, mas outras não, e a gente só sabe quando o trem chega, lendo no painel luminoso ao lado da porta. Informe-se com um local –  acostumado a tomar trens – para se posicionar mais ou menos próximo de seu vagão, pois as paradas são rápidas.  Em último caso, entre em qualquer vagão e caminhe até achar o seu.

A orientação do número do vagão só chega junto com otrem
A orientação do número do vagão só chega junto com otrem
A ligação entre vagões
A ligação entre vagões

4. Mantenha o voucher ou bilhete sempre à mão, pois o fiscal o solicitará para conferência e carimbinho.

5. A velocidade desses trens é em média de 120 km/h.

6. Dentro dos trens painéis informam em Inglês as paradas.

7. Tenha sempre uma echarpe com você! Isso nunca tinha acontecido comigo, mas na entrada do trem de Praga para Viena algumas pessoas exalavam um odor insuportável de suor + falta de banho que eu mal conseguia respirar!untitled-36
8. As estações de Praga e Viena assemelham-se a aeroportos: têm muitas lojas, corredores infinitos e em Praga muitas placas ininteligíveis! Volte à dica número 1.

A estação de Praga. Ao fundo, o quiosque de informações
A estação de Praga. Ao fundo, o quiosque de informações


Links para comprar os bilhetes

Partindo de Viena, compre da Oebb.
Partindo de Praga, compre da CD
Partindo de Budapeste, compre da Máv
Se preferir, voe de Budapeste a Praga ou vice-versa pela Czech Airlines.

Mais posts com dicas de compra de bilhetes, estações, fotos. (clique sobre os títulos para ler)

Sobre o planejamento da viagem a Viena, Budapeste e Praga

Paris a Amsterdam, passando por Bruxelas, Bruges e Antuérpia

Trem, Luzes, Câmera, Ação!

Minha experiência cruzando o canal da Mancha, entre Paris e Londres

Passo a passo da compra de bilhetes da companhia férrea francesa, entre Paris e Bruges

 

 

Do aeroporto ao centro de Munique

Aproveitar conexões pode ser uma maneira econômica de visitar uma cidade que inicialmente não estava nos planos de viagem, mas é preciso pesar os pros e contras de se fazer isso. No post anterior eu listo alguns considerações a respeito para ajudar na decisão e neste eu falo um pouco sobre o super aeroporto de Munique e sobre como chegar de lá ao centro.

Nosso voo a Viena faria conexão na cidade mais conhecida pela Oktoberfest e optamos por  conhecer a cidade pois pretendo voltar a Munique em um outro roteiro pela Europa, então não senti aquele aperto “ah, que pena, não consegui fazer isso ou aquilo” e uma breve “olhada” pela cidade valeu muito a pena! Em quatro horas conseguimos ver muitas monumentos, percorrer galerias de lojas, entrar na catedral e até tomar uma cerveja no lendário Hofbräuhaus Beer Hall. E essas árvores no comecinho do outono, que coisa mais linda!!!

Munique se aproxima
Munique se aproxima

Além de Munique, aproveitei conexão em Buenos Aires quando ia a El Calafate, porque já conhecia a capital argentina, então foi só uma visita rapidinha. Leia no post Buenos Aires em Conexão no Aeroparque como foi.

O aeroporto de Munique
Estamos na Alemanha, um dos países mais ricos do mundo e convenientemente posicionado na Europa Central, então era de se esperar que um de seus aeroportos tivesse ótimas instalações, mas descobri que o de Munique é considerado um cinco estrelas. Tomadas para recarregar eletrônicos nos portões de embarque, grande oferta de lojas e restaurantes não são novidade, mas algumas coisas me chamaram à atenção.

Salas para fumantes: a sala para fumar é uma dessas facilidades – e fica lotada! Um cubo de vidro no meio do largo corredor das salas de embarque. Não incomoda o não fumante e respeita a necessidade de quem não vive sem o cigarrinho. Eu não entrei lá (fui fumante involuntária por décadas, o que resultou numa alergia respiratória), então não sei se havia outros confortos.

duschen[1]Chuveiros: se você não pertence à classe privilegiada que utiliza os lounges e quer tomar uma ducha, aqui é possível. Basta dirigir-se ao Service Center no nível 3 do Terminal 2 e pagar a taxa de €15 para ter acesso ao banheiro privativo e completo. Máquinas automáticas vendem gel para banho e toalhas.

Camas, oh, camas! Quem nunca teve o corpo implorando por uma cama ou qualquer coisa naaeroporto Munique posição horizontal no meio de um voo de mais de 11 horas na classe econômica? Longas conexões também podem alimentar esse desejo e ainda bem que os aeroportos estão pensando nisso.  Os  níveis 4 e 5 do Terminal 2  têm cabines que podem ser usadas para dormir ou trabalhar num ambiente mais relaxante. Você paga de €10 a €15 a hora, com pagamento mínimo de €30. É um sono caro, mas o que é barato para quem tem real como moeda?

Guarda volumes
Essa bons aeroportos têm, mas fica o registro: caso sua bagagem não tenha sido enviada ao destino final e você queira ir à cidade, você pode alugar um espaço para deixar suas malas (bikes ou prancha de surfe ou qualquer outro item grandão também pode) ao custo variável de €3 a €10, segundo o tamanho da mala e horas de aluguel do locker. Fica no nível 4 do Terminal 2.

Em caso de conexão curta

Não vai rolar um passeio até a cidade? Fique nos arredores do aeroporto! Saindo do terminal 2, há uma praça coberta com mais lojas e restaurantes no estilo bier garten. Se sua conexão não for tão longa mas com folga para sair da área de segurança e no retorno passar pelos procedimentos novamente (tira cinto, cachecol, mostra tablet, esvazia os bolsos, passa pelo Raio X…), pode ser uma boa aproveitar o Airbrau. Foi o que fizemos em nossa conexão de retorno ao Brasil (no post Roteiro de Munique e dicas para uma conexão longa eu falo mais a respeito).
O Airbrau, bier garten na saída do terminal 2
O Airbrau, bier garten na saída do terminal 2


Comprando os bilhetes de trem para o Centro de Munique
Ai, que inveja das cidades europeias que têm não só uma, mas várias opções para chegar ao centro saindo do aeroporto! Depois de passar pelos procedimentos de imigração, saímos do terminal 2 e procuramos pelas placas com um círculo verde e S branco, como mostra a foto abaixo.

trem MuniqueA linha S8 (amarela) leva 40 minutos até o centro de Munique, na Marianplatz. Além dela, a linha S1 também chega até o centro mas não a usei, então falo da S8.

O bilhete pode ser comprado em máquinas de autoatendimento, e há várias opções de tarifa. Também tem cabines de venda, mas eu gosto do auto atendimento. Compramos o de grupo, que vale para até 5 pessoas e custou €22,30.

Veja como fazer para comprar o seu:

1. se não souber alemão, como eu, escolha a bandeira da língua que você compreende melhor, clicando sobre ela. Para variar, não tem Português. Eu escolhi Inglês e apareceu a seguinte tela. Clique no retângulo inferior à direita (Transport Association).

20150928_161818_HDR

2. Selecione qual itinerário você quer, escolhendo partida e destino. Partida é Munchen Flughafen (Aeroporto Munique) e destino é Munchen Marienplatz (a praça onde ficam as prefeituras e outras atrações facilmente alcançadas a pé), a segunda opção na segunda foto abaixo, à esquerda. Não é preciso digitar, apenas escolher.quanto custa ir do aeroporto ao centro de munique

bilhete de trem aeroporto Munique

3. Agora você precisa selecionar o tipo de bilhete que deseja. Atenção: esse bilhete único que aparece nas fotos é válido para as 4 áreas atendidas pelo metrô de Munique e custa 10,80.  Nós compramos o de grupo (group all day ticket), como eu disse acima, por 22,30.como chegar ao centro de munique do aeroporto

4. Como mostra a tela, no momento da compra só eram aceitas notas de até 20 e moedas. Também é possível pagar com cartão. Depois disso, basta inserir o dinheiro no vão próprio para isso e seu bilhete será impresso. Retire o bilhete e o troco da caixinha.do aeroporto ao centro de Munique

A estação Munich Flughafen
Por todo aeroporto você verá as placas redondas verdes com um S branco (foto mais acima) que indicam o caminho a seguir até a estação Flughafen (que significa aeroporto em alemão), onde as linhas S1 (azul) e S 8 (amarela) partem para o centro de Munique.

Para acessar a plataforma, que fica num nível abaixo de onde se compra o bilhete, não há catracas, como em várias estações europeias, mas achei que era preciso validar o bilhete, só que este bilhete é mais largo do que o espaço da máquina para inseri-lo. Outros turistas também tiveram problemas e então resolvemos descer sem validar mesmo. Só depois pensei que talvez não seja necessário validá-lo, mas é importante guardá-lo com você caso haja fiscalização, sob pena de multa. 

O Trajeto de trem
O trem é de superfície, limpo e confortável, e a paisagem é bem rural. Tem espaço para pequenas malas, do tipo de bordo, acima da cabeça. As demais vão no chão ao lado do passageiro mesmo. O percurso leva cerca de 40 minutos. Tem indicação das estações e uma gravação anuncia em alemão e em Inglês as estações que se aproximam. As portas não são automáticas, é preciso apertar o botão para acionar sua abertura.

Uma coisa que estranhei é que um rapaz sentado perto de mim tinha uma maleta e a colocou no assento ao lado do seu, sem se importar com quem estava em pé. Viu? na Europa também tem gente mal educada.

O interior do trem
O interior do trem
Plataforma da estação Marienplatz
Plataforma da estação Marienplatz


Quer saber o que fizemos por Munique naquela tarde de 28 de setembro? Leia o post Roteiro de Munique e dicas para uma conexão longa.

Roteiro de Munique e dicas para uma conexão longa

Você sofre de (ou se diverte com o) “já que”? Como diz meu marido, quando precisa pintar uma parede eu quero derrubar as três outras para aproveitar a reforma (rsrsrs), então quando se trata de viagem eu não resisto se tem um “já que” na história. Foi assim em nossa viagem rumo a Viena, Budapeste e Praga: nosso voo teve conexão em Munique e, já que havia uma grande disponibilidade de horários para o trecho Munique-Viena, escolhi um que nos permitisse algumas horas na cidade do Oktoberfest.

Munique o que visitar

Além de Munique, pratiquei o “já que” em Buenos Aires numa conexão para El Calafate. Leia no post Buenos Aires em Conexão no Aeroparque como foi.

Aproveitando uma conexão de longas horas
Ao aproveitar uma conexão para conhecer uma cidade, é importante considerar alguns detalhes para calcular se vale a pena deixar o aeroporto para visitá-la. Eu listei alguns:

  • em média, a conexão precisa ter mais de 5 horas para valer a pena, mas pode variar a cada cidade, dependendo da distância do aeroporto das atrações a visitar e da oferta de transporte;
  • verifique se a cidade de conexão fica em um país que exige visto de entrada. Se você não tiver o visto, não poderá entrar;
  • considere o tempo de desembaraço no aeroporto: imigração (no Espaço Schengen, a imigração é feita no primeiro país europeu onde você coloca os pés), retirada de malas (às vezes elas não vão direto ao destino final) e circulação pelos corredores (muitos são tão grandes que têm trens para unir um terminal a outro);
  • pesquise se o aeroporto de conexão tem guarda-volumes para você armazenar sua bagagem de mão/bordo ou a bagagem toda caso ela não tenha sido enviada ao destino final;
  • programe o tempo (e custo) de deslocamento do aeroporto até o centro da cidade, na ida e na volta, e o tempo que sobrará para visitar o local;
  • liste o que terá oportunidade de ver. Numa cidade muito grande, como Paris, Londres, Nova Iorque, não seria um desperdício passar apenas algumas horas? Aproveite conexões em cidades menores ou para revisitar as grandes que já conhece. Mas esta é minha opinião, não uma verdade universal. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é;
  • verifique o clima local e vista-se de acordo com ele. Eu levei uma camiseta mais grossa para colocar por cima da que usei no voo, pois sabia que estaria mais frio em Munique.
  • Evite conexões que varem a madrugada. Você gasta com hotel e fica no stress de ter de voltar ao aeroporto no dia seguinte – ou passa uma noite horrorosa nos bancos do aeroporto.
  • Confira se os voos de conexão chegam e partem do mesmo aeroporto em uma mesma cidade. Muita gente não presta atenção nisso no momento da emissão do bilhete e tem que se deslocar entre aeroportos no intervalo da conexão, por sua conta e risco.
  • Vai passar a noite no aeroporto? Pesquise se há um hotel dentro dele ou nos arredores.
  • E que tal dormir na horizontal com privacidade e segurança, na sala de embarque do aeroporto? Aeroportos mais movimentados, geralmente os hubs, já contam com essa comodidade. Aqui no blog eu listei alguns deles. Leia no post Dormindo no Aeroporto

Munique o que fazer

Roteiro de 4 horas em Munique 
Munique atraçõesJá dei essa dica aqui no blog, mas não custa repetir: baixei um aplicativo no meu smart phone chamado CityMaps2Go. Você carrega o mapa, salva pontos turísticos, restaurantes, lojas, etc., enquanto faz o planejamento conectado e tudo fica disponível mesmo quando estiver offline. É gratuito e as poucas propagandas são discretíssimas, sem atrapalhar a imagem principal. O mapa também traz as opções de transporte, mas não calcula a rota. Por outro lado, funciona como um GPS, apontando onde você se encontra no mapa e que direção seguir. Acho um auxílio bacana e, por não traçar a rota, ainda te dá a oportunidade de ter que explorar mapa, pesquisar transporte, se perder e ter que pedir informação, o que sempre traz uma interação maior com a população local do que traria se você simplesmente tivesse tudo planejado.

As atrações foram escolhidas pela proximidade e relevância turística, considerando as poucas horas que teríamos. Muita coisa que eu gostaria de conhecer em Munique ficará para uma visita de verdade, já no campo dos sonhos para quando eu fizer a rota romântica da Alemanha. O roteiro foi todo feito a pé e começa e termina na estação Marienplatz, por onde chegamos e de onde saímos para voltar ao aeroporto.

1. Marienplatz, onde estou na foto acima, é a praça principal do Centro Histórico de Munique e é onde se encontra a velha e a nova Prefeitura e seu famoso relógio, o obelisco da Virgem Maria, a Fonte do Peixe e o Centro de Informações Turísticas. Saiba um pouco sobre cada um deles nos próximos parágrafos.

relógio de Munique

A nova sede da prefeitura (Neues Rathaus) levou 4 décadas para ser concluída, tendo início em 1867, e impressiona primeiramente pela arquitetura. Mas é muito famosa pela torre do relógio, com um carrilhão (Glockenspiel) de 43 sinos, em dois andares, o maior de toda Alemanha, que soam às 11h, 12h, 17h (no verão) e 21h. Eu acabei perdendo a apresentação das 12h, o único horário em que estaria na cidade… Fica para  próxima. Mas não é só um badalar compassado que perdi: há um show de bonecos com duração de 15 minutos que conta uma história: no andar de cima, representação de um festival de duas semanas de duração que aconteceu em 1546 na Marienplatz para celebrar o casamento do Duque Wilhelm Quinto. No andar inferior,  há uma dança em comemoração ao fim da Peste em 1517, que no folclore local teria sido espalhada por uma dragão, Wurmeck, morto com um tiro de canhão por um guardião da cidade. Li uma blogueira dizendo que visitou o local e não achou graça. É verdade que não precisamos gostar de tudo o que vemos, mas é preciso de um pouco de imaginação para voltar à época de sua construção, quando não havia cinema, muito menos TV ou qualquer tecnologia, para entender o quanto esse espetáculo era atrativo. Tudo vale a pena, já dizia o poeta.

A coluna da Virgem Maria (Mariensäule) data de 1638, quando Maria foi declarada a nova padroeira da cidade após ser ocupada pela Suécia durante a Guerra dos 30 Anos. Os quatro guerreiros na base lutam com criaturas que representam a guerra (leão), a peste (galo), a fome (dragão) e a heresia (serpente) – é, eram tempos medievais…

Munique oktoberfest

A Fonte do Peixe (Fischbrunnen) é de 1954, mas remete a uma fonte medieval que existia no local até 1831 quando a praça era um mercado e onde os peixes eram mantidos frescos para a venda. É muito legal saber desses detalhes porque eles dão vida a um monumento, não acham? Eu fiquei olhando a fonte e vi os mercadores, os compradores e seus trajes, os produtos à venda e até os peixes na fonte. Mulher casada viaja…

Munich roteiro

Antiga Prefeitura (Altes Rathaus) é um edifício construído entre 1470 e 1480 e que foi muito danificado na segunda guerra, passando por restauro e reconstrução que terminou em 1975. Os arcos que se vêem foram acrescentados em 1877 e 1934 para passagem, mas li também que já serviram como porta de entrada da cidade. Sua torre é parte de uma fortaleza do século XII e tem 55 metros de altura. Atualmente abriga o museu do Brinquedo (Spielzeugmuseum) em quatro andares diferentes.

Prefeitura de Munique

Verona doou a versão da Julieta a Munique
Pobre Julieta! Assediada em duas cidades turísticas…

Ah, ali também que fica uma réplica da estátua da Julieta (aquela do Romeu), doação da cidade de Verona. Claro que botei a mão no seio dela! Ao contrário da original em Verona, aqui ninguém liga muito para isso e não tinha fila! rsrsrs Mas se houver constrangimento em tocar as partes da estátua, você pode deixar flores, alternativamente. Eu entro nessas mais pela brincadeira do que pela superstição, claro. Afinal, já tenho sorte no amor (essa foi pro marido, que vai ler o post, claro! rsrsrs).

Bem, só por essas atrações na Marienplatz, já teria valido aproveitar a conexão e visitar rapidamente Munique! Mas tem muito mais.

 

Munique o que comerVictuals Market (Viktualienmarkt): Imaginei que depois dessas atrações já estaria na hora de almoçar e planejei visitar o mercado da cidade, que existe desde o século XVIII. Li sugestões de sopa de goulash (que provei em Budapeste), sanduíches Krustis (lembrei dos Simpsons kkkk) e salsicha com sauerkraut, vulgo chucrute. Foi lá que comi o primeiro hot dog dentre muitos dessa viagem. E o primeiro tem um gostinho especial! Não achei lugar para sentar, então comemos enquanto caminhávamos pelas ruas próximas. Afinal, não havia tempo a perder! Mas se você tiver tempo e quiser se sentar, há vários restaurantes no pátio interno da Nova Prefeitura e nos calçadões de pedestres, como o da  Kaufingerstraße, onde fica a loja de departamentos Kimer, com gerânios nas janelas e que na época de natal parece parte de um presépio.

Munique roteiro de 1 dia
A fachada da Kimer: capricho puro!
Oktoberfest
O que acharam da camiseta, meninas?
A Igreja São João Nepomuceno (Asamkirche) é para quem curte o estilo barroco, aquele cheio de rebuscamentos, colunas torcidas, detalhes mil. Construída no século XVIII, ela é colada à antiga residência dos irmãos que a encomendaram, os Asam, por isso ela é conhecida como Asamkirche. Não chegamos a visitá-la, mas estava na lista.😢

Porta Nova Sendlinger (Sendlinger Tor). Eu adoro portas de cidade medievais. Fico imaginando os viajantes  (sempre eles!) chegando em peregrinação ou para vender seus produtos e pagando as taxas na entrada. É como a Imigração dos aeroportos… Suas torres marcam o local do primeiro muro de Munique, no final de 1200, e o nome remete à estrada medieval que levava à Itália- e trazia gente de lá. Outra coisa que estava na minha lista, mas não tivemos tempo de ver.

Frauenkirche é a Catedral de Munique e marca presença no horizonte da cidade, pois suas torres gêmeas têm 99 metros de altura e nenhum outro edifício da cidade está autorizado a exceder esta altura. É possível subir em uma de suas torres, mas adivinha: só entramos na igreja, que é gratuita, e não tivemos tempo de subir à torre. Sua construção começou em 1468 e diferente de muitas dessa época, é inteiramente feita de tijolos. Confesso que me surpreendi com a simplicidade de seu interior, mas não é assim mesmo que deveriam ser os templos? Entretanto, a simplicidade se deve à falta de dinheiro, mesmo, quando de sua construção. Se você gosta de lendas, há uma muito legal envolvendo a construção dessa igreja, com direito a pacto com o diabo! O aplicativo que sugeri acima conta várias versões dessa lenda, mas não vou compartilhar aqui por falta de espaço.

Munique roteiroMunique igrejas

 Odeonplatz. Assim como Marienplatz, esta praça tem alguns pontos históricos e arquitetônicos relevantes: a igreja Theatine, Dodger’s alley e o Field Marshall’s Hall.
A Igreja dos Teatinos e São Caetano (Theatinerkirche) tem uma história típica do catolicismo medieval: em troca de um herdeiro que não vinha mesmo após uma década de casamento, o então rei Ferdinando prometeu uma igreja em homenagem a São Caetano, tendo sido atendido dois anos depois da promessa, e em 1663 a construção começou e a inauguração em 1674 foi literalmente de fachada, pois outros 16 anos foram necessários para completar seu belíssimo interior barroco.
Quando eu vi a foto do Field Marshall’s Hall (Feldherrnhalle), lembrei-me da Loggia dei Lanzi de Florença, e depois soube que ele realmente foi inspirado nesse terraço-museu italiano! Apesar da inspiração, enquanto Florença exibe figuras mitológicas, Munique dedica o espaço aos militares, que foi construído em 1841 para homenagear os soldados bávaros, representados pelas duas estátuas nas laterais. A estátua maior foi acrescentada em 1870 para honrar os soldados mortos na guerra Franco-Prussiana e os dois leões chegaram no início do século XX.  Mas o acontecimento mais peculiar e significativo do Hall foi quando Hitler foi ferido e aprisionado por um ano, nos primórdios do nazismo, durante o Golpe chamado Beer Hall.
Munique e o nazismo
Viscard Alley ou Dodger’s Alley (Drueckebergergasse) é uma rua com história interessante. Em Inglês, dodge significa desviar, daí o nome. Não sei se em alemão é o mesmo. Quando Hitler ergueu um memorial para honrar os 16 companheiros mortos no fracassado Golpe Beer Hall de 1923, todos que por ali passavam precisavam saudar os soldados que guardavam o memorial com o tradicional “Heil Hitler”. Quem não concordava com o regime nazista fazia um desvio, que hoje é marcado de uma cor diferente sobre o calçamento de pedra.
No caminho de volta da Odeonplatz, passamos pela Max Joseph Platz, onde fica a Bavarian State Opera e o Residenz, museu-palácio. Ao lado do museu começa uma avenida larga, a Maximilianstraße, onde as lojas de grife do mundo todo mantêm filiais e onde os homens ficam malucos com os carrinhos simples estacionados por ali…
museu em Munique
O Residenz
Hofgarten. Também não tive tempo de ir a este parque, mas deixo a dica. Como muitos parques europeus, pertencia à realeza no início do século XVII e em 1780 foi aberto ao público. Caminhando na direção nordeste, à esquerda da sede do governo da Bavária (Bayerische Staatskanzlei) – edifício que mais se parece uma estufa -, encontramos uma faixa imensa, maior do que o Central Park de Nova Iorque, onde há um jardim Inglês, um pagode chinês, um beer Garden.  O Memorial da Segunda Guerra Mundial e o Palácio Real de Munique (Residenz) ficam ali pertinho.
Mesmo sem muito tempo disponível, paramos para uma cerveja (caneco de 1 litro!) no Hofbräuhaus Beer Hall, o mais famoso de Munique pois é o berço da Oktoberfest e a primeira cervejaria da Bavária, que começou a produzir em 1589. O espaço existe desde 1607, mas era reservado à família real e seus convidados até que em 1828 o imperador Ludwig a tornou pública. Gente como Sissi, a imperatriz austríaca, e Mozart foram alguns de seus frequentadores.
Munique Oktoberfest
O HB não é apenas um bar, é um ícone!
Munique Orktoberfest como é
Muitos se vestem a caráter

Apesar de tanta cerveja, não vi uma só discussão ou tumulto. Também não vi tanta festividade como esperava (será que é porque era segunda-feira?) e, pra ser sincera, a banda estava meio derrubada. Mas de vez em quando um grupo se animava e fazia a dancinha tradicional de levantar as pesadas canecas e balançar de lado a lado cantando.

Cervejaria em Munique
A fachada do HB
Estou louca para escrever sobre a historia dessa cervejaria, mas como ainda tenho tanta coisa pendente, deixo o link para o vídeo oficial que conta um pouco dela (em inglês).
Oktoberfest onde beber
Só para fazer gênero: uma latinha de cerveja já me basta
Achei a cidade uma graça, limpa e com mais atrações do que eu esperava. Infelizmente era segunda-feira, quando não há Oktoberfest, mas mesmo assim tinha muita gente vestida a caráter pelas ruas e quase todas as lojas exibiam os trajes típicos. Nossa, agora que percebi que os caras da foto abaixo, tirada na Kaufingerstraße, são os mesmos que fotografei no Hofbräuhaus, mas eu juro que tinha muita gente com trajes típicos pelas ruas, não só eles (rsrsrs).
Oktoberfest
Conexão curta em Munique: o que fazer
S
e você não tiver tempo suficiente para deixar o aeroporto e visitar Munique, pegue a saída do aeroporto e tome uma cerveja no beer garten Airbrau, que fica entre a saída do aeroporto e o acesso ao trem. É uma praça linda, entre o centro de convenções em formato de U e é coberta. Foi o que fizemos na volta, aproveitando para jantar. Gastamos €15,40 em 2 cervejas de meio litro cada e numa porção de 4 salsichas com chucrute, com direito a um pretzel e pães saborosos. Na volta será preciso passar pelos procedimentos de segurança novamente, mas acho que é muito melhor do que ficar de bobeira no portão de embarque.

bier garten aeroporto Munique
O Airbrau, bier garten na saída do terminal 2

restaurante em Munique

 

Última dica: muitas cidades europeias têm tours gratuitos, geralmente na língua local ou em inglês, e você só paga uma gorjeta ao final da visita. Em Munique, tem duração de 4 horas e passa por todos os pontos que listei aqui. Mais detalhes no site oficial. 
Para saber sobre o aeroporto, como comprar os bilhetes de trem e como chegar ao centro de Munique, leia o post Do Aeroporto ao Centro de Munique, que publicarei na próxima semana.
E você já foi a Munique? Tem alguma dica legal para compartilhar? Deixe aí nos comentários. Abraços!

Buenos Aires em conexão no Aeroparque

O Aeroparque, cujo nome oficial é Jorge Newbery, é o aeroporto de Buenos Aires que fica a curta distância dos principais pontos turísticos da capital argentina. É como o Congonhas em SP ou o Santos Dumont no RJ. Se você já conhece Buenos Aires e tem uma conexão longa lá, vale a pena seguir as dicas deste post para aproveitar o tempo livre e passear por Buenos Aires. Se tem uma conexão curtinha, também tem dicas.
504px-Sol_de_Mayo-Bandera_de_Argentina.svg

PLANEJANDO

O mais sensato ao comprar o aéreo é escolher voos sem conexão, mas quando isso não é possível, tire algum benefício: saia do aeroporto e conheça ou passeie pela cidade de conexão. Maaaas, antes de se animar com esse bônus, faça sua lição de casa para não dar com os burros n’água, ó gajo:

  • confira se há obrigatoriedade de visto de trânsito ou de entrada para o país da conexão;
  • pesquise o tempo médio gasto no trajeto aeroporto-cidade;
  • descubra se há necessidade de passar pela imigração (o que significa perda de tempo) na saída e no retorno ao aeroporto;
  • navegue nos websites oficiais do aeroporto para descobrir se há o serviço de guarda-volumes e seu custo, caso suas malas não sejam despachadas diretamente pela companhia aérea até o destino final.

Feito isso, comece a pesquisa da compra do bilhete aéreo:

  • habilite a opção de voos com conexão e confira os voos de conexão longas. A duração da conexão que valha a pena visitar a cidade vai depender dos fatores citados acima e da cidade. Em Buenos Aires, acima de 5 horas já dá tango.
  • muitas conexões são de madrugada, com o voo seguinte partindo apenas na manhã do próximo dia. Esta opção só é legal para cidades com vida noturna – assim como para viajantes com vida noturna, claro. Os sites de busca e das companhias aéreas trazem um símbolo para isso: (+1) ou  (+2), que quer dizer que você chegará lá um dia depois da data de saída no aeroporto de origem.

504px-Sol_de_Mayo-Bandera_de_Argentina.svg

CONEXÃO EM BUENOS AIRES

PARA QUEM FICA NO AEROPORTO 

Pesca em frente ao Aeroporto
Pesca em frente ao Aeroporto

Se você tem uma conexão de três horas ou menos, talvez não valha a pena sair correndo para aproveitar a cidade, mas ainda dá pra conhecer o entorno sem depender de trânsito. Uma opção é fazer um passeio pela avenida Rafael Obligado Costaneira, que margeia o Rio de la Plata. Não é um rio com águas bonitas aos olhos e passear por ali poderia ser mais agradável. Pelo menos em janeiro de 2015, algumas partes do rio estavam cheias de garrafas PET e o calçamento todo arrebentado. Algumas partes cheiravam a urina. Apesar disso, muita gente pescava e algumas famílias até montavam barraquinhas para que as crianças pudessem dormir por ali. Era um domingão…

varias-0636 Quantos aviões!!! 😍

varias-2238

20150411_220829
Dica do caixa de um quiosque do aeroporto. Aprovado!

O Aeroporto tem um segundo andar moderno e amplo, com painéis de vidro com vista para o Rio Del Plata, corredores largos, boas opções de cafés e quiosques. Aproveite no retorno de sua viagem para gastar seus últimos pesos. O térreo tem uma área modernizada, onde ficam os balcões da TAM e LAN. As demais são escuras e com piso desgastado. No dia em que estivemos lá o banheiro exalava um odor que podia ser sentido do lobby. 

Muito legal quando o city tour começa no avião rsrsrs
Muito legal quando o city tour começa no avião rsrsrs

Buenos Aires dicas de viagem

WIFI NO AEROPARQUE

O Aeroparque oferece 30 minutos de WiFi gratuitamente.

Guarda volumes

Talvez sua bagagem seja enviada diretamente para o destino final, talvez você tenha que despachá-la.  No voo SP-El Calafate, com conexão em Buenos Aires, tivemos que retirá-las na esteira e despachá-las. No trecho El Calafate-Buenos Aires elas seguiram direto para SP, o que foi ótimo pois foi quando aproveitamos a longa conexão.

Mas se, por algum motivo, você precisar deixá-las no guarda volume, procure o balcão de informações da Ala B, no corredor para os balcões de check in da TAM e LAN, a parte mais moderna do Aeroparque. Deixar uma mala grande lá em janeiro/2015 custava 20 pesos.

504px-Sol_de_Mayo-Bandera_de_Argentina.svg
Algumas horas em Buenos Aires

Onde ir vai depender do tipo de atividade que você gosta e do tempo disponível. O taxi que tomamos até Puerto Madero (não exatamente o local mais próximo do Aeroparque, veja no mapa abaixo) custou 90 pesos e levou cerca de 10 ou 15 minutos, não sei ao certo, pois tanto o motorista como o passageiro do gênero masculino ao meu lado discutiam animadamente sobre política, o que me distraiu bastante (rsrsrs). Ah, nuestros hermanos!

mapa BA
Clique para ampliar

Caminhamos um pouco em Puerto Madero, a revitalizada região de porto com lojas e restaurantes que continua bonita e agradável para passear. Almoçamos no Las Lilas e me senti em casa, pois todas as mesas ao nosso redor tinham brasileiros! O couvert é generoso e a carne estava divina. Comemos tanto que só pode ser essa a explicação para termos ficado tão sem energia para passear depois: toda ela foi para a digestão!

varias-1187
Os antigos armazéns hoje são escritórios na valorizada região
varias-1185
O cartão postal: Puente de La Mujer

varias-2579 varias-1184

Tomamos um outro taxi, desta vez para o centro, o que foi um erro. Em nossa primeira visita a Buenos Aires, em 2008, o centro era divertido, com dançarinos de tango e outros artistas, além é claro de vendedores ambulantes. Desta vez dançarinos e artistas se foram, mas o ambulantes continuam por lá e, ainda pior, as pessoas que oferecem câmbio, insistentemente atrás de turistas. Havia também muitos pedintes e as lojas da Calle Florida não tinham grande atração de preços ou produtos. Fomos então para as Gallerias Pacifico e ficamos ainda mais espantados. Lojas de rede internacional, como a Zara, estavam vazias – não tinham pessoas nem a mesma oferta de produtos a que estamos habituados. Quando conversei com um argentino a respeito, ele explicou que no verão a cidade fica vazia. Quanto aos produtos, o problema é obviamente econômico: a política de importação e exportação imposta pelo governo argentino não favorece a entrada de produtos estrangeiros.

Cansados como jiboias que engoliram bois, deixamos de passear nos parques de Palermo e voltamos para o Aeroporto. Afinal, sempre haverá uma conexão em Buenos Aires…

varias-2580
Almoço no Las Lilas

Veja dicas do que fazer em Buenos Aires neste post  _21155447
 

Palermo 3

504px-Sol_de_Mayo-Bandera_de_Argentina.svg

 Wi fi na cidade

wifiCada vez mais comum nas grandes cidades, o WiFi gratuito é um item que passarei a incluir nas dicas Práticas Rápidas aqui no Mulher Casada Viaja.
Recentemente muitos pontos de Buenos Aires contam com WI FI gratuito em espaços públicos. Procure pelo sinal com o símbolo “BA WIFI”.

504px-Sol_de_Mayo-Bandera_de_Argentina.svg
PREÇOS (EM PESOS, EM JANEIRO/2015)

– taxi do Aeroparque a Puerto Madero: 90 pesos

No Aeroparque
– café: 30
– Coca-Cola: 32
– água sem gás: 28
– misto quente: 49

No Restaurante Las Lilas
– couvert: 160
– água: 39
– cerveja Cristal: 50
– 1/2 medalhão: 263
– 1/2 picanha: 248
– batatas à provençal: 107
– arroz branco: 77

E você, tem alguma dica de conexão para compartilhar? Deixe nos comentários!

Querida, Cheguei! Guia de como chegar a 45 cidades a partir do aeroporto

Você chega, amarrotado de corpo e alma e na melhor fantasia de sardinha enlatada, passa pela imigração, pega as malas e  não vê a hora de largar a bagagem no hotel e sair pra conhecer mais um destino escolhido a dedo e coração. Só esqueceu de um detalhe: programar o trajeto aeroporto-hotel.

Para quem não viaja de pacote ou excursão, o trajeto, muitas vezes longe e longo entre o aeroporto e seu hotel, também requer planejamento para encurtar distâncias e/ou economizar uma graninha.

Assim é bem melhor!
VIPs chegam assim!

O jornal Folha de São Paulo publicou um guia de como chegar a 45 cidades do mundo e do Brasil nas modalidades de transporte local disponíveis e com preços (não estão exatamente atualizados, atenção). Ah, essa Internet maravilhosa! Aí é facilitar demais a vida do viajante, que coisa boa! Eu dei um ctrl c+v na tabela mas ficou pequena demais mesmo para quem não precisa de óculos de leitura como eu, então clique aqui no link e vá direto à página da Folha.

O clássico taxi londrino em St Pancras
O clássico taxi londrino em St Pancras

Dica da blogueira

  • O taxi é a forma mais usual e confortável de se chegar, mas quase nunca a mais barata. Aeroportos como de Guarulhos e JFK em Nova Iorque têm valores tabelados de acordo com a quilometragem a ser percorrida, outros usam o taxímetro e muuuuitos tentam arrancar o dinheiro do turista. Do your homework: pesquise! Um site que calcula o custo de taxi em várias cidades é o World Taximeter.
  • Não faça sua escolha baseando-se apenas na modalidade com valor mais barato. Considere, por exemplo, seu deslocamento com malas nas estações de metrô e trem que em muitas cidades europeias não têm escadas rolantes.
  • Leia fóruns de viajantes e blogs de viagem para ouvir diretamente de quem já foi e usou o transporte. São fontes ótimas de  pessoas “do bem” que estão lá só para ajudar você na sua viagem. Mas respeite o blogueiro, por favor: tem gente que pergunta o que pode ser encontrado no texto. Basta ler.
  • Aqui no blog eu costumo dar dicas de como chegar a cada destino que visito, no subtítulo Como Chegar.
  • Algumas cidades são tão complexas que mereceram um post só para dicas de como chegar a elas, como Veneza. Clique aqui para conferir!

E você, vai chegar aonde em suas próximas férias?

Euzinha, chegando. Na Gare du Nord
Euzinha, chegando. Na Gare du Nord, Paris

Acidente de Avião

Introdução

OK, eu sei que se este post por alguma razão improvável chegar aos olhos de radicais, pode ser que seja amaldiçoado, pode ser que esbravejem que “azeliti” odeiam o fato de a classe economicamente inferior da população ter acesso a aeroportos, de estarem viajando de avião, bla-bla-bla e por isso a “burguesia” fica colocando regras de como se comportar no avião. Não estou exagerando: já li vários comentários assim em posts similares. Para engrossar o caldo, teve o caso da professora da PUC de SP que se indignou com a presença de um viajante no aeroporto vestindo camiseta sem mangas, dizendo que lá não era rodoviária. O comentário da professora foi preconceituoso, mas que é horrível encarar certas coisas seja num avião, seja num ônibus ou metrô, certamente é.

Será que estaria tudo bem se não houvesse um dress code em nossas vidas? Você vai trabalhar com a mesma roupa que usa num domingo à tarde, vendo TV, em casa? Ou sai na rua de biquíni porque está calor? O comportamento em espaço coletivo nunca deve ser igual ao comportamento em espaços privados, ainda mais em se tratando de um avião, em que ficamos horas confinados muito perto de completos estranhos. E a viagem dos seus sonhos pode se transformar em um pesadelo.

Este post é sobre um tipo de “acidente” de avião que embora não seja mortal é de matar!

passanger_shaming_M2
Sabe bom senso? Não existe!

O que Vestir

  • Calçados – Cada um tem seu estilo, então por mais desconfortáveis que saltos altos possam parecer para mim, há mulheres que dão um banho de elegância sobre saltos em qualquer situação. Mas não se esqueça que em voos longos seus pés vão inchar, então a dica é usar algo bem confortável, que seja fácil tirar e calçar (mesmo com os pés maiores). Chulé. Pelamor! Nada pior que um vizinho de assento que tira o sapato e promove uma nuvem de fedor no ar viciado do avião. Sim, tem coisa pior, vizinho de assento com perfume em excesso ou com muito odor corporal natural de um maratonista.
247336
Pezinho na mesa de refeição é falta de higiene, amor

Roupas – Entra aqui a questão do dress code. É de bom tom viajar para um destino de praia sem já estar preparado para ela. Na minha opinião, senhores de camiseta machão não só são deselegantes, mas anti-higiênicos. Imagine o momento de passar a bandeja para o comissário de bordo – você no corredor, ele na janela – aqueles pelos todos quase coçando seu nariz! Para voos longos, procure usar roupas confortáveis (leggings ou calças com tecidos elásticos) e que não amassem. Leve sempre uma mantinha tipo pashmina na bagagem de mão. É melhor do que ficar pondo e tirando casaco ou jaquetas, evitando bater cotovelos.

Embarque, bagagem e pouso

  • Os assentos são numerados, mas as pessoas fazem filas enormes para embarcar. Isso talvez porque…

… muita gente exagere na bagagem de mão e se você é um dos últimos a embarcar não consegue espaço no bagageiro. Tem gente que se acha esperta e coloca a bagagem no início do avião, mesmo que seu assento seja mais para trás!

Leia as dicas do que é permitido levar a bordo em Extravio, Violação e Excesso de Bagagem. Da série “Vou viajar, e agora?

  • ainda sobre bagagem de bordo: se você tem sempre algo para pegar na bolsa, deixe-a sob seu assento para não incomodar com o abre e fecha do compartimento de bagagem.
  • comissário de bordo não é halterofilista. Se sua bagagem de mão está muito pesada para que você consiga suportá-la acima de sua cabeça, ela deveria ter sido despachada.
  • o avião pousou, você não vê a hora de sair, mas por favor, continue sentado. Se alguém por algum motivo tiver que usar o corredor, ele estará desobstruído.
  • Enquanto você aguarda a abertura da porta, recolha o lixo que produziu, dobre a mantinha, o fio dos fones de ouvido.
Limpe sua própria sujeira
Limpe sua própria sujeira
  • De todas, acho que esta é que mais me irrita, porque é a última etapa da viagem e porque todo mundo faz: na retirada da bagagem despachada, ficam em cima da esteira, bloqueando a visão de quem não está na fila do gargarejo. Que tal se postar a um metro de distância, deixando um corredor livre e desimpedido para quem vai efetivamente retirar as malas? Aliás, quando as autoridades responsáveis pelos aeroportos vão estipular essa regra?

Crianças

Animais

  • Recentemente a Gol e a Tam autorizaram o embarque de cães e gatos de pequeno porte dentro da cabine. Não sei ainda no que vai dar, mas acho uma coincidência danada isso ter acontecido logo depois que fotos de animais feridos viajando no compartimento de bagagem foram divulgados nas redes sociais. Confira com a companhia aérea as regras e tarifas.

Outros

  • Álcool demais pode fazer você passar mal ou incomodar os outros. Lembre-se de que o efeito do álcool é potencializado em altitude. As características de quem bebe em excesso também.
  • Mantenha a voz em tom médio, assim como seus aparelhos eletrônicos.
  • Se você usa muito o banheiro, escolha um assento de corredor.
  • Observe se seu colega de assento está a fim de bater papo ou não e respeite.
  • Mantenha a cortina da janela fechada em voos noturnos. De manhã a luz não vai afetar quem estiver dormindo.
  • Pode parecer incrível, mas não custa avisar: nada de cortar unhas ou pelos a bordo.
passanger_shaming_M7
Quer cabelos longos, Rapunzel? Guarde-os para você!

Pesquisa realizada em setembro de 2014 e publicada no site http://www.tripit.com aponta os piores comportamentos a bordo, na opinião de passageiros frequentes:

1. passageiros sendo rudes com a tripulação (62%)
2. pais que não tomam atitude quando seus filhos se comportam mal (57%)
3. pessoas que atulham seu próprio assento ou o assento vazio vizinho (51%)
4. passageiros que falam alto no avião (49%)
5. pessoas que ficam à frente da esteira, na hora de retirar a bagagem (44%)
6. gente que reclina o assento sem avisar o passageiro de trás (44%)

airline-passengers

7. pessoas que levam comida com cheiro forte para dentro do avião (44%)
8. passageiros que tomam conta do compartimento de bagagem de mão (43%)
9. aqueles que correm para a frente do avião e ficam esperando outros passageiros na porta de saída (41%)
10. pessoas que bloqueiam o corredor durante o voo (41%)

Muitas fotos deste post foram retiradas de um website chamado passenger shaming. Não sei se rio ou se choro…

Destrave sua mesinha e bom apetite!

Comida de avião normalmente remete a comida insossa, mas eu já provei coisas boas na econômica e ruins na executiva. Esta matéria do blog da aviação civil fala um pouco sobre o preparo e distribuição desses alimentos.

oblogdaaviacaocivil

O Blog da Aviação foi atrás dos bastidores do serviço de bordo das companhias aéreas e descobriu algumas curiosidades, dentre elas que esse tipo de atividade é chamada de catering. Saiba um pouco mais!

Mariana Monteiro

Featured image

Há quem ache saborosa, há quem ache insossa. Tem mais elaborada, tem aquela prática e rápida. É de graça ou paga. Mas o que a maioria das pessoas não sabe é de onde vem, como é feita, distribuída, armazenada e escolhida a comida oferecida em viagens de avião.

No Brasil, cada companhia aérea tem liberdade para montar o cardápio. Não há uma padronização, mas as empresas optam por escolher o tipo de alimento de acordo com a duração e horário do voo. Então como é em cada uma das principais companhias que operam no Brasil?

A TAM*, por exemplo, serve aos passageiros de voos com até uma hora de duração apenas água…

Ver o post original 550 mais palavras