Alagoas: Praias ao Norte de Maceió – roteiro e dicas

sao miguel dos milagres como chegar

Maceió já é destino que satisfaz as ambições veraneias de qualquer ser, com um mar hipnotizante, as famosas piscinas naturais e suas jangadas, bons restaurantes, orla agradável para caminhadas no final de tarde, fácil acesso às praias do litoral sul, como a paradisíaca Gunga, mas não deixe de conhecer as praias ao Norte de Maceió para uma experiência menos urbana. Leia as dicas de onde ficar, quais conhecer, como chegar, para que suas férias em Alagoas sejam redondinhas.

Em Maceió: o que fazer além de ser hipnotizado pelo mar você encontra a relação de praias da capital e outras dicas 

Aeroporto: chegando por Maceió ou Recife?

Se você ainda não comprou passagem aérea, saiba que para conhecer as praias ao norte de Maceió há duas opções: desembarcar em Maceió ou na capital vizinha, Recife, cujas distâncias até Maragogi são similares, em torno de 130, 135 km. 

Maceió o que fazer
vista do quarto em Jatiuca

Aluguel de Carro ou traslado?

Depois de pousar, você terá mais liberdade para explorar as praias se estiver sobre suas próprias rodas. Nós alugamos com a Localiza, através da RentCars, e retiramos e devolvemos no aeroporto de Maceió.
Se estiver no ponto de querer se internar num resort ou mesmo pousada (afinal, elas estão cada vez mais eficientes na técnica de nos receber bem) e a única coisa que você quer explorar é uma bebida gelada, sombra e brisa do mar, pode ser mais barato contratar um traslado. A Lucky tem loja no aeroporto e em dez/18 cobrava R$150 por pessoa o trecho Maceió-Maragogi para janeiro/19.

Veja os detalhes de nosso aluguel de carro e entenda como são as estradas e a balsa no post Maceió-Maragogi: como chegar, aluguel de carro, paradas e outras dicas

piscinas naturais de Maragogi
piscinas naturais de Maragogi

Praias a Norte de Maceió

Veja no mapa abaixo que são muitas praias, então falarei sobre as que conhecemos. Fizemos o trecho Maceió-Maragogi de duas maneiras: na chegada, à noite, pela AL-105 e durante o dia pela costa, passando pela chamada Rota Ecológica e parando nas praias ao longo do dia.

Outra questão a considerar em seu planejamento é dividir sua estadia em 2 ou 3 pontos, que podem ser Maragogi e Maceió ou Japaratinga e Maceió. No meio, se quiser/puder, São Miguel dos Milagres. Evite fazer bate-voltas para o litoral norte a partir de Maceió. No máximo, vá até a Praia do Carro Quebrado.

praias Maceió a MAragogi

Roteiro pelas Praias ao Norte de Maceió

Dia 1: Praias ao norte de Maragogi: Burgalhau (almoço), Barra Grande e Antunes
Dia 2: Piscinas Naturais de Maragogi, Mirante de Maragogi (almoço) e tarde no hotel
Dia 3: praias entre Maragogi e Maceió: Japaratinga, São Miguel dos Milagres (almoço) e mirante da Praia Carro Quebrado no pôr do sol

Maragogi é o município mais famoso do litoral norte de Alagoas, e chegamos lá com grandes expectativas, esperando um paraíso – e nada mais gostoso do que se hospedar no paraíso, então reservei 3 noites no Hotel Areias Belas, em frente ao mar, com uma área de lazer aconchegante de dia e noite, e um café da manhã caprichado. A mais famosa opção de hospedagem é o resort Salinas de Maragogi. Veja também outras opções de pousadas e hotéis em Maragogi.

onde ficar em Maragogi
vista do quarto em Maragogi

Mas o paraíso é urbano demais e achei a orla urbana de Maragogi feinha, com restaurantes e lojas erguidos na areia (!), área pertencente à Marinha e que segundo me informei está há anos em processo para desocupação. Nos finais de semana a avenida da orla é fechada para pedestres, o que achei mais que adequado, mas nos demais dias não. Ficamos na porção urbana de Maragori, então se você gosta de movimento talvez queira ficar por ali. A escolha do local não nos agradou muito pelo que descrevi acima, mas nos garantiu uma boa espiada na vida real local: ainda há casas de pescadores, daquelascoloridas, de janelas e portas pequenas, cujos ocupantes passam a noite sentados em suas cadeiras, praticando a antiga arte da conversação olho no olho. Uma vantagem de se hospedar ali é a oferta de restaurantes, mas confesso que não provei nenhum prato que tenha valido a pena. 

Maragogi cidade
a avenida da orla, no centro de Maragogi

Foi em Maragogi que fizemos o passeio até as piscinas naturais. Na minha cabeça, eu iria numa jangada, mas isto só em Maceió, mesmo. Em Maragogi as piscinas estão a 6km de distância da praia, então você pode contratar lancha ou catamarã, diretamente com o proprietário ou em uma das agências locais. É aconselhável que se reserve antes e que se consulte a Tábua das Marés, informação imprescindível neste tipo de passeio. Se a maré estiver muito alta, não rola. Se estiver muito baixa, a água fica mais turva pela areia que sobe ao pisar dos pezinhos.

Maragogi piscina natural

Não há pier, então é preciso entrar no mar para embarcar. Como contratamos uma lancha (éramos 3 e mais um casal), não foi difícil, mas leve sacos tipo ziploc para guardar celular e carteira. Há um número limitado de pessoas e embarcações na área restrita das piscinas e depois de fazer a travessia praia-piscina tivemos que esperar um pouco nossa vez de ‘entrar’. O percurso foi divertido, com a lancha rápida sobre as ondas e o vento forte, e a espera, apesar de ter parecido longa, não foi desagradável, tendo aquele marzão por onde quer que se olhasse. O proprietário da lancha nos informou que a fiscaliação é rígida, que há sempre fiscais garantindo a restrição de barcos nesta área de preservação ambiental, assim como existe um rodízio da área a ser explorada pelos turistas. Foi tranquilo flutuar e mergulhar, e também caminhar, pois há áreas apenas com areia, livres de corais. Vi muitos ouriços e várias espécies de peixes, mas menos do que esperava. Um rapaz se ofereceu para fazer as tradicionais fotos subaquáticas, mas confesso que algumas coisas me incomodaram nesta vidinha de turista consciente e uma delas foi o fato de o rapaz disfarçadamente jogar ração para os peixes. Ou seja, é bem fake e não significa que haverá um cardume nadando junto a você.

piscina natural Maragogi

Um dos lugares que visitamos em Maragogi é o mirante que fica no restaurante e pousada Alto do Cruzeiro. É um lugar bem simples, mas com uma vista linda, confira:

View this post on Instagram

Maragogi vista do Restaurante Alto do Cruzeiro.

A post shared by Marcia Moghetti Picorallo (@mulher_casada_viaja) on

Letreiro Maragogi
o letreiro, no Mirante

Uma manhã de céu escuro e de chuva forte nos esperava em Burgalhau, mas isso não tirou a beleza da praia que tem restaurante de mesmo nome com boa estrutura. Chegue cedo se quiser ficar em uma das tendas ou pegar espreguiçadeiras. 

Burgalhau praia perto Maragogi
praia perto maragogi Burgalhau

A praia Burgalhau é a primeira ao Norte de Maragogi e é bonita como as demais da região, mas o diferencial fica no encontro do rio com o mar, uma chance de caminhar com tranquilidade oservando o mangue, tomar banho de rio e ainda aproveitar os bancos de areia mar adentro. 

Maragogi o que fazer
esfoliando os pés na praia de Burgalhau

Seguindo pela AL-101, a próxima praia é a de Barra Grande, que tem do lado direito um ponto mais selvagem, com poucas barracas/restaurantes. Um deles dispôs uma rede dentro do mar, coisa que uesó tinha visto em Jericoacoara! O mar é bem tranquilo, bom para crianças e terceira idade.

Barra Grande Alagoas

Segiundo pela areia mesmo, chega-se à Praia do Antunes, cuja característica turística principal são os coqueiros inclinados super instagramáveis. Difícil é esperar as poses todas até chegar sua vez! 

praia Antunes Alagoas

Para curtir estas praias ao norte de Maragogi, sem carro, pergunte sobre as vans que fazem o trajeto até Peroba, já na divisa com Pernambuco.

praia antunes Alagoas

Partimos de Maragogi no terceiro dia em direção ao Sul, e logo em seguida tivemos que parar para fotografar um trecho lindo da estrada e da praia sem interferências construídas que atrapalhasem a vista do mar da janela do carro. 

maragogi a maceió

A próxima parada foi Japaratinga, num mirante lindinho à beira da estrada onde se vê o letreiro ‘eu amo Japaratinga’, não tem como perder. Mas gostei mesmo foi de rodar pela estrada deste trecho que vai até Porto das Pedras, não se vê o mar muitas vezes, mas a estrada com curvas e vegetação tropical é um presente para os sentidos.

japaratinga onde ficar
mirante de Japaratinga

Se você optar por se hospedar em Japaratinga, uma pousada maravilhosa é a Pousada do Alto, com uma vista incrível, piscina de borda infinita, e nota 8,7 no Booking.com. Eu vi a dica no blog Viagens Cinematográficas e fiquei louca pra ter minhas próprias fotos lá, embora seja difícil bater as fotos dos caras – ahaha. Confira outras opções de hospedagem em Japaratinga aqui.

Japaratinga onde ficar
A Pousada do Alto, em Japaratinga. Foto divulgação

Em Porto das Pedras a AL-101 é interrompida pelo rio Manguaba e é preciso tomar a balsa (R$15/carro), que funciona das 6h à meia-noite. Há barraquinhas vendendo bebidas, salgadinhos industrialiados, produtos praianos, e a água de coco mais deliciosa que já tomei na minha vida.

balsa Boqueirão rio pedras

Neste trecho de pouco menos de 20 km entre Porto das Pedras e São Miguel dos Milagres, a estrada passa quase sempre dentro das cidades, com muitas lombadas e limite baixo de velocidade, o que torna a viagem bem longa. Mas calma, porque novo paraíso te espera! Use o GPs para localizar a entrada, pois não havia placas indicando nem a cidade, nem a direção da praia.

A expectativa era grande e São Miguel dos Milagres não decepcionou!  Diferente de Maragogi, a cidade não passa uma impressão ruim, as casas são simples, mas parece haver mais qualidade de vida e ainda há muito verde, muitos coqueiros. Que permaneça assim! 

sao miguel dos milagres

Como São Miguel dos Milagres fica no meio do caminho entre Maragogi e Maceió, é uma ótima opção para montar um roteiro de 1 semana: 3 noites em Maragogi, 2 em São Miguel, 2 em Maceió! Confira as sugestões de hotéis e pousadas em São Miguel dos Milagres.

alagoas sao miguel milagres

Infelizmente não tínhamos reservado nada ali, e ficamos apenas para o almoço, sendo depois literalmente expulsos pela maré que subia e derrubava as cadeiras e mesas do restaurante/barraca do Lita, sob sombra generosa de árvores, com estrutura de banheiros-cabines de madeira.

sao miguel milagres

Trocamos a areia e a vista do mar pelo asfalto mais uma vez e nossa próxima parada foi em Barra de Santo Antonio, onde você encontra muita tranquilidade na praia do Carro Quebrado, por seu acesso difícil e porque a maré alta toma conta da faixa de areia. Então confira a tábua de marés para ir no melhor horário. Na primeira vez em que fomos, contratamos uma agência para nos levar em um 4X4 e visitamos a praia deserta, sem infraestrutura, mas hoje parece haver barraquinhas. 

melhores praias Maceió
Julia bem criança na Praia do Carro Quebrado

Nesta nossa última viagem a Alagoas visitamos não a praia, mas a vimos do alto, do mirante que fica depois de uma estrada buraqueira que mais parecia cenário de guerra. Sério, não eram buracos, eram crateras. E as costelas de vaca pareciam mais costelas de T-Rex! Não é muito fácil chegar lá pois não há qualquer sinalização. Jogamos no Google Maps “mirante da Praia do Carro Quebrado”, mas foram trabalhadores rurais que nos indicaram o caminho, pois o GPS num ponto se perdeu.  

como chegar praia carro quebrado
trecho não tão ruim, que permitiu uma foto sem tremor

É mais fácil conhecer a Barra de Santo Antonio se você está hospedado em Maceió (47 km). De Maragogi são quase 100km, mas foi assim que fizemos desta vez porque estávamos voltando a Maceió. E se decidir ficar hospedado por ali, confira as opções de pousadas em Barra de Santo Antonio.

Praia-carro-quebrado-mirante-como-chegar
Mirante da praia do Carro Quebrado

E se você estiver se perguntando o porquê do nome Carro Quebrado, a lenda urbana praiana diz que um carro atolou na areia e quando a maré subiu não conseguiu mais ser recuperado. A outra lenda conta a historia de um casal que foi namorar na praia à noite e o carro quebrou. Eu fico meio decepcionada com a criatividade desse povo, os índios têm muito mais emoção em suas lendas!

A Barra de Santo Antonio é outro município onde fica outro encontro lindo de rio com o mar. Paramos lá depois de conhecer a praia do Carro Quebrado, e não me lembro exatamente onde almoçamos, mas a vista da mesa era esta:

alagoas praias norte maceio

E conversamos com um grupo de mulheres que catavam um molusco (?) para vender aos restaurantes da região. Eu mal entendia o que ela falava, pelo sotaque e pelo cachimbo dependurado na boca, mas disse que precisava de um balde completo para garantir o jantar da família.

dicas de Alagoas Maceió

Naquela primeira viagem a Alagoas, nos hospedamos na Praia de Pratagi, onde fica o resort Pratagy Beach, mas a praia tem acesso e atendimento a não hóspedes, também. É uma praia muito bonita, com uma faixa de areia entre o mar e o rio Meirim. 

onde ficar perto maceió

Foi um prazer rever estas viagens e compartilhar aqui as praias ao norte de Maceió. Se você já esteve em alguma que não está na lista, deixe aí nos comentários para ajudar quem ainda vai conhecer este nosso caribe brasileiro.

Não deixe de ler os demais posts sobre Alagoas: 
Resorts e Hotéis em Maceió: minha seleção
o que Fazer em Maceió além de Ser Hipnotizado pelo Mar
Maceió-Maragogi: como chegar, aluguel de carro, paradas e outras dicas
Alagoas: melhores praias ao Sul de Maceió e o São Francisco

Anúncios

Curitiba recebe Blogueiros de Viagem

No último feriado prolongado de Finados, Curitiba recebeu mais de 100 blogueiros de viagem no maior encontro nacional do gênero, promovido pela Rede Brasileira dos Blogueiros de Viagem, do qual o Mulher Casada Viaja faz parte. Compartilho aqui um resumo destes dias, para você espiar como é quando blogueiros se reúnem e de quebra receber dicas de Curitiba. Sim, pode se vestir do espírito Big Brother, a casa é sua! 

ERBBV 2018 curitiba
parte da turma após a útlima palestra, em foto da Renata Cattelan.
Onde está Wally? quer dizer, Marcia?

Curitiba me conquistou logo de cara, com suas muitas araucárias enfeitando o horizonte, casinhas de madeira na periferia, ruas arborizadas, sistema de transporte público modelo, parques lindos onde antes havia cicatrizes cravadas por antigas pedreiras. Nesta nova visita à cidade, conheci um pouco de sua origem e entendi melhor seus edifícios e pontos turísticos, mas estar lá com uma turma que fala a mesma língua, curte viajar, e leva a blogagem como profissão foi um bônus incrível.

Já na primeira noite em Curitiba, 31 de outubro, alguns blogueiros foram recebidos pela Carol Moreno no tour que ela organiza há 3 anos, o Tour Comida de Boteco, sobre o qual eu falo mais no post Curitiba: o que fazer à noite –  7 bares legais, uma oportunidade para conhecer gente e se integrar. Não poderia ter proposta melhor para quebrar o gelo.

Depois deste start regado a comidinhas, bebidas e bate-papos, o grupo de blogueiros cresceu e se reuniu na manhã seguinte na Torre Panorâmica, recebidos por ninguém menos que o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, que nos apresentou o plano diretor da cidade e falou um pouco, mas com propriedade, sobre a historia e os pontos turísticos da capital paranaense, além de destacar a importância do turismo para o desenvolvimento das cidades – e a importância dos blogueiros para o turismo, claro! Brindamos a ocasião com Gengibirra, água gaseificada à base de gengibre, típica da região.

painel do artista local Poty  Lazzarotto, contanto a historia de Curitiba e da telefonia

A Torre Panorâmica é uma boa opção para entender a cidade: a vista 360 graus no alto de 109 metros e painés explicativos situam o turista no espaço, e o painel de Lazzarotto conta a historia de Curitiba. No térreo há uma pequena exposição de telefones. A entrada custa $5 e funciona de terça a Domingo das 10h às 19h.

Neste dia o almoço foi livre, mas muita gente rumou para um dos bares mais famosos de Curitiba, o Bar do Alemão, que fica no centro histórico, pertinho do Largo da Ordem. 

Então o grupo de blogueiros seguiu para a Praça Tiradentes, ponto inicial da Linha Turismo, ônibus estilo hop on-hop off que passa por 25 pontos turísticos de Curitiba e permite desembarque e reembarque 4 vezes pelo valor de $45. O turista pode escolher onde quer descer, mas como estávamos em grupo, descemos no Jardim Botânico, na Unilivre e no Parque Tanguá. Opera de terça a domingo, mas em feriados nacionais e durante férias escolares funciona também às segundas-feiras. O bilhete pode ser comprado em qualquer ponto de embarque, nos ônibus, mas apenas dinheiro é aceito.

curitiba city tour
O double decker no parque Tanguá

Detalhes e dicas sobre os pontos turísticos mencionados neste post podem ser encontrados em Curitiba: Roteiro de 3 dias, que ainda não tinha ido ao ar quando publiquei este post, mas o link acima te leva à página-índice do Paraná, onde encontrará muitas dicas de Curitiba

Enquanto estávamos no city tour, nem todo mundo havia chegado a Curitiba, ainda, e alguns blogueiros tinham se inscrito no Tour Curitidoce, a versão formiga do Comida de Boteco. Quem fez e dá as dicas é a Aline do blog Latitude Infinita, em Curitidoce Tour de Doces por Curitiba.

Depois do city tour de ônibus, tivemos pouco tempo para deslocamento e banho antes do cocktail que oficializava a abertura do evento, no maior Hard Rock Cafe da América Latina. Lá foram apresentados os patrocinadores do evento: TripAdvisor, que depois anunciou a transformação do site em rede social – aliás, siga o Mulher Casada Viaja lá também – a Seguros Promo, Viajanet, EasySim4U e Booking.com, em parceria com a Curitiba Turismo e Curitiba Convention & Visitors Bureau.

A fachada do Hard Rock, em foto de André Morato do Blog Meu Destino

O segundo dia oficial, 2 de novembro, começou na Rodoferroviária de Curitiba, onde nos encontramos para um dos passeios mais populares, a viagem pela Serra da Graciosa até o município de Morretes. Descemos a serra em um microônibus, mas infelizmente o tempo estava bem fechado e só vimos neblina no mirante.

Em Morretes provamos o prato típico local, o barreado, no restaurante Madalozo, e o ritmo lento e calmo a cidade foi um prenúncio do passeio de trem que faríamos a seguir, serra acima a 35 km/h, em 4 horas ocupadas por paisagens como cachoeiras, mata atlântica, túneis e pontes e antigas construções ao longo da linha férrea.

Curitiba Morretes ERBBV
Nesta você não vai me encontrar, fui eu que fiz a foto em frente ao Madalozo

Há vários tipos de pacotes e classes de trem, com valores começando em $119 e programas especiais como o Beer Train e o Jantar a bordo no Expresso Classique. Confira no site da Serra Verde Express.

Keila (Turistando pelo Paraná), Klécia (Fui Ser Viajante) Andrea (Top 5 Tour), eu, Juliana (Turistando.in), Luciana (Let’s Fly Away) e Jair (Viagens e Caminhos)

À noite, os blogueiros se reuniram para um happy hour exclusivo no Gards Rooftop, um bar bem legal na cobertura do shopping Patio Batel, pode ir que você vai gostar!

Mas não é só de passeios que viveram os blogueiros no ERBBV, não! O dia 3/11 foi reservado inteirinho para palestras e painéis de discussão, no Mercado Municipal de Curitiba. Na hora do almoço, fiquei surpresa com a quantidade de curitibanos ocupando a grande praça de alimentação do mercado. Típico aqui: carne de tigre (explico mais abaixo) e pastel de pinhão. Olha eu cansada, depois de um dia todo de palestras:

Para relaxar, à noite fomos recebidos num dos lugares mais lindos de Curitiba, a Ópera de Arame, um teatro com capacidade para 1.572 espectadores construído no Parque das Pedras. Um tour privado contou a historia do teatro e depois foi oferecido um jantar inesquecível no Ópera Arte, um espaço de eventos localizado no andar inferior da Ópera de Arame, no nível do lago. 

Foi uma noite para rememorar! Boa comida, open bar, lugar especial, gente feliz, tudo embalado pelo projeto Vale da Música, em que músicos se apresentam em um palco flutuante, uma escultura de luz e som no lago.

Klecia (Fui ser Viajante), Murilo (Volto Logo), eu, Gisele (Destinos por onde Andei) e Rozembergue (Mochilão Barato)

A programação oficial da manhã de domingo era conhecer a Arena da Baixada, o estádio do Atlético Paranaense, mas eu prometi a mim mesma que só faria este tour se fosse para chutar canelas jogar futebol – imagine como seria dolorido divertido!. Como os organizadores disseram que isso não ia rolar, escolhi outro programa, mas parece que foi bem legal, segundo o relato do Miranda e da Carol do blog Vamos por Aí, confira: Como Visitar a Arena da Baixada em Curitiba.

Em vez do estádio, preferi passear no bosque – o bosque Papa João Paulo II, um parque pequeno, mas como todos os outros de Curitiba muito lindo e bem mantido, onde 7 casas autênticas de imigrantes, construídas por volta de 1878, foram remontadas. O sistema de construção impressiona: apenas encaixes, nada de pregos e muito menos parafusos.   

Mas na verdade, escolhi este parque dentre tantos de Curitiba porque ele é vizinho do Museu Oscar Niemeyer, uma obra marcante na paisagem da Cidade, daqueles museus que você não define se gosta mais do acervo ou da arquitetura. Funciona de terça a Domingo, das 10h às 18h, e os ingressos custam $20.

De volta ao centro histórico, ainda tivemos tempo de passear pela feira do Largo da Ordem, a Feirinha do Largo, que acontece aos domingos, das 9h às 14h, um lugar legal para ver artesanato e comprar lembrancinhas, e até para comer em uma das muitas barraquinhas.

o cavalo babão e a Feira, no Largo da Ordem

Almoçamos ali perto, no restaurante Oriente Árabe, antes de mais uma rodada de palestras, desta vez no Espaço Cultural Santa Maria, uma antiga capela escolar transformada em espaço de eventos.

 A antiga capela transformada em espaço de eventos.
Foto de Rozembergue, do blog Mochilão Barato

O jantar de encerramento do ERBBV 2018 não poderia ter sido mais animado: além da comida saborosa, o restaurante O Jardineiro nos recebeu com uma banda de repertório super animado que fez os blogueiros improvisarem uma pista de dança, um encerramento adequado para dias cheios de atividades, novas amizades e aprendizado.

Na segunda-feira pela manhã, eu ainda estava pela cidade, e me inscrevi no Curitiba Free Walking  pelo centro Histórico de Curitiba, oferecido pelo Instituto Municipal do Turismo e capitaneado pelo guia e historiador Alexander Roger. O tour acontece aos sábados às 11h e os guias voluntários (o serviço é gratuito, mas espera-se gorjeta ao final, como é de praxe nestes tours) encontram os turistas perto do prédio histórico da UFPR, na Praça Santos de Andrade. Recomendo, você verá Curitiba com outros olhos.

o pequeno grupo que fez o Walking tour

Ao mesmo tempo, alguns blogueiros se inscreveram no Kuritibike e visitaram pontos como o MON, o Bosque do Papa, a Ópera de Arame e o parque Tanguá. 

Mas eu ainda não tinha provado um prato típico local, a carne de onça, então tomamos um Uber até o restaurante Mercearia Fantinato. Leo preparou o prato na nossa frente, e explicou que foi convidado a fazer o mesmo na Oktoberfest de Munique, em 2017. A carne é patinho, bovina, e talvez por isso leve o nome de carne de onça (que onça come), mas nosso anfitrião gastronômico explicou que deve ser mesmo pelo bafo de onça deixado após prová-lo! O restaurante tem um ambiente de mercearia e fica na Rua Mateus Leme, 2555.

Só o blog pra me fazer provar carne CRUA!

Quem tinha o dia todo disponível se organizou e visitou o Parque Histórico de Carambeí e o Centro Cultural Castrolanda.

Mas afinal, o que estes blogueiros fizeram enquanto turistavam por Curitiba? Bem, blogueiro tira bastante fotos, mas isso muita gente faz. Ou não…

Morretes trem blogueiros

Ah, blogueiro só começa a comer depois de fotografar a comida e o cardápio, não importa a fome.

Blogueiro de viagem traz na mala um monte de panfletos, revistas e mapas, porque o leitor pode perguntar alguma coisa que não está no post, e este material é um bom apoio nestas horas.

Falamos de viagem durante o ERBBV? sim, mas muito menos do que eu antecipei. Acho que conhecer as pessoas – muitas das quais só conhecíamos virtualmente – trocar experiências técnicas e profissionais foram a grande temática nas rodas de conversa.

Meu modo de viajar mudou completamente desde que escrevo o blog. Temos que equilibrar turistar como turista e ao mesmo tempo trabalhar. Dar atenção à família (e no caso de Curitiba, aos colegas blogueiros), mas pensar no leitor, no seguidor das redes sociais. Fazemos muitas coisas que não faríamos se fôssemos apenas turistas. Eu, por exemplo, jamais teria comido carne de tigre (prato local que consiste em carne bovina crua temperada) não fosse pelo blog. Quem sabe a Globo não me contrata um dia para comer gafanhotos na Ásia? Mas por enquanto estou aqui, determinada a continuar levando a você as melhores dicas para que sua viagem seja algo muito próximo do perfeito e completamente inesquecível. Esta Curitiba foi assim pra mim. Obrigada aos organizadores do evento, estão de parabéns. E que venha repeteco em 2019!

Curitiba: o que fazer à noite – 7 bares legais

A capital do Paraná pode ser conhecida como a cidade verde do Brasil, com muitos parques, ou seja, atividades diurnas, mas aqui você vai descobrir o que fazer à noite em Curitiba, uma selação de bares e restaurantes e espaços para eventos, testados por mim.

curitiba noite restaurantes bares
um dos divertidos painéis no Garden HamBargueria: “Desculpe-me pelo que eu disse quando estava com fome”

Continuar lendo

Mosteiro de São Bento em São Paulo

O Mosteiro de São Bento abriga, na minha opinião, a igreja mais bonita da cidade de São Paulo e neste post eu compartilho as fotos que fiz lá, conto sua historia e os símbolos presentes na igreja, além de falar sobre a missa com canto gregoriano e o brunch mensal, e instigo seu paladar também ao falar da padaria do mosteiro. Aparentemente, gula aqui não é pecado!

Mosteiro São Bento

Continuar lendo

Maceió-Maragogi: como chegar, aluguel de carro, paradas e outras dicas

Este post faz parte de uma série onde compartilho nossas experiências pelo litoral alagoano e aqui falo sobre as estradas entre Maceió e Maragogi e como chegar, com opções pelo litoral e pelo interior, como fizemos. Dou dicas de aluguel de carro, balsa, onde parar para apreciar aquele marzão e descrevo a condição das estradas.

Maragogi mirante letreiro

Continuar lendo

Resorts e Hotéis em Maceió: minha seleção

Antes de iniciar a busca por um hotel ou resort para as férias, é preciso conhecer um pouco sobre o destino para saber se vale ficar num mesmo hotel durante a viagem toda ou em vários. Foi o que fiz enquanto planejava nossa última viagem a Alagoas: ficamos 3 dias em Maragogi e 3 em Maceió. Neste post, faço uma seleção de hotéis e resorts em Maceió e mais adiante escreverei sobre o litoral norte de Alagoas, onde ficam municípios menores em tamanho e maiores em beleza, como Maragogi, Japaratinga e São Miguel dos Milagres.

Continuar lendo

Museu de Arte Sacra de SP e seus presépios

Visitar o Museu de Arte Sacra de São Paulo permite conhecer, além do acervo permanente e de um dos maiores representantes da arquitetura colonial paulista, vários presépios, entre eles o belíssimo napolitano do século 18. E que época melhor do que a natalina para isso?Natal em SP Museus presépios

Continuar lendo

Porque adoro o Jardim Botânico de SP

🎵 Demorei muito pra te encontrar, agora eu quero só você… 🎵
Musiquinha romântica dos anos 1980 que falava de uma pessoa, mas eu me refiro ao Jardim Botânico de São Paulo, na minha opinião o parque mais legal de Sampa.

Não moro tão perto do Jardim Botânico, então não vou lá com a frequência que gostaria, mas é sempre um prazer quando vou pelos motivos que compartilho aqui. Só o conheci quando preparava uma reunião com as mães e filhos da escola em que eu trabalhava e fizemos um lindo piquenique para comemorar o dia das mães, aliás uma das atividades mais prazerosas do parque em dias de sol. E isso foi há poucos anos, por isso eu canto o Vinícius Cantuária (essa música, sim, foi há muito tempo 😆). Desde então fui algumas vezes com minha família e nesta última visita resolvi escrever um post só para ele.

Lago das Ninféias

Continuar lendo

Museu do Café na parada de Cruzeiro em Santos

As cabras é que sabem das coisas. Diz a lenda que um pastor etíope notou que seus bovídeos ficavam mais alegres e saltitantes depois de comer os grãos de um determinado arbusto. E assim começa a historia do café pelo mundo! Neste post conto sobre nossa visita ao Museu do Café, na cidade de Santos-SP.

Mesmo que você não seja do Estado de São Paulo, sua historia está entrelaçada com a cafeicultura: edifícios, ferrovias, modernização de portos, casarões na cidade e nas fazendas, o próprio teatro Muncipal de São Paulo, literatura, muito do desenvolvimento de São Paulo se deve à riqueza produzida nos cafezais espalhados pelo interior do estado de São Paulo, sul de Minas Gerais e norte do Paraná. A cidade de Santos nasceu e desenvolveu-se graças à construção do porto de Santos, necessário para o escoamento da produção. O café mais que merecia um museu para contar sua trajetoria e o charmoso prédio da Rua XV de Novembro, construído em 1922 especialmente para abrigar a então Bolsa Oficial de Café, foi escolhido. Os pregões negociavam o valor das sacas de café e aconteceram até a décade de 1950, quando os negócios se transferiram para a capital de São Paulo. O lindo edifício passou por um período de abandono e degradação até que o governo do estado de SP o assumiu e iniciou o restauro.

A fachada do Museu

Continuar lendo