Patagônia Argentina e Chilena: últimos preparativos

Depois das festas de final de ano e de uns dias na praia, voltei a SP ainda com preguiça de fazer a mala – pra dizer a verdade, ainda não a fiz, porque está um calor insano e eu tenho que colocar roupa de frio, de friozinho e de calor, pois em Buenos Aires vai estar perto dos 30 graus, em El Calafate uma média de 16 e nas geleiras eu não encontrei previsão, mas imagino que o frio fique perto dos 10 graus, pensando positivo. Eita tarefa difícil!

Mais difícil foi ver a foto abaixo e saber que eu possivelmente não vou conseguir chegar a este ponto, porque essa trilha leva longas horas e embora eu tenha feito caminhadas diárias recentemente, não se comparam a passar o dia caminhando sobre pedras, atravessando riachos e subindo montanhas…

Foto do fórum Virtual tourist, blueskyjohn, linda vista!
Foto do fórum Virtual Tourist: a vista no Mirador Britânico, uma das pernas do “W”!

Embarco amanhã e estes foram os últimos preparativos. Eles podem servir como um check list para qualquer viagem:

– salvei várias músicas em um pen drive para as longas horas de estrada que enfrentaremos

– li um pouco mais sobre a flora e fauna local: deserto, tundra, estepe, floresta, deserto de altitude. Guanacos, lobos, lebres, pumas, condor. Quem quiser saber mais (em espanhol), clique aqui.

– entrei em mais alguns fóruns de viagem para ver atualizações de informações que eu havia pedido sobre combustível, em que lugar cruzar a fronteira, etc.

– conferi meu e-mail na esperança de ter recebido resposta da reserva de traslado de chegada e retorno em El Calafate, da empresa que faz o mini trekking no Perito Moreno, mas nada!

Será que a agência aceitou minha reserva...
Somente em El Calafate descobrirei se a agência aceitou minha reserva para o mini trekking no Perito Moreno

– preparei as roupas e tudo o mais que minha filha usará para a semana de recreação em que a inscrevi aqui em SP, enquanto mamãe e papai batem perna nas montanhas

– fizemos mercado para que meus pais tenham o que precisarem aqui em casa, onde ficarão com nossa filha

– cuidados pessoais: unhas, depilação, sobrancelhas…

– separei passaportes, vouchers de hotéis e da reserva do carro, mapas que imprimi

– carreguei bateria de câmera fotográfica, celular e tablet/pad

– sacamos algum dinheiro em real e dólar para levar, pois precisaremos trocar por pesos chilenos em Puerto Natales, logo após cruzar a fronteira

– conferi com o banco a liberação do cartão para gastos no exterior

– vasculhei os fóruns de viagem em busca de dicas e encontrei este mapa que me foi útil: de tempo e dificuldade de cada trilha

O "w" de Torres del Paine
O “w” de Torres del Paine

– conferi a previsão do tempo e ainda não acredito que vai estar tão quente, mesmo em El Calafate!

Momento de reflexão: quando fui para as Montanhas Rochosas, no Canadá ou para Yosemite e Grand Canyon nos Oeste dos EUA, eu não tinha quase nenhuma informação sobre os parques, o que fazer lá, que trilhas pegar, etc. Tinha as reservas de hotéis e mapas na mão. Isso foi em 1996-97. Hoje, na era da informação, não ter alguns detalhes claros traz insegurança. Vou tentar manter a tranquilidade e rir dos perrengues que muito possivelmente enfrentaremos. Tô quase colocando um barril de plástico na mala pra armazenar gasolina! Na volta eu conto como foi!

Bora fazer a mala!

 

Anúncios

Patagônia Argentina e Chilena: plano de viagem

Torres del Paine: o parque dos meus sonhos!
Torres del Paine: o parque dos meus sonhos!

Olha! A minha listinha dos 20 destinos para conhecer antes de morrer vai ficar menorzinha (mas se Deus quiser eu vou acrescentar outros tantos, basta ter saúde e dinheiro, porque vontade não falta, mesmo!). Começo 2015 com uma viagem a dois a um lugar longínquo, gelado, mas de paisagens de tirar o fôlego: a Patagônia Argentina e Chilena.

Não vai ser como nossas expectativas de recém-casados, quando sonhávamos em partir de São Paulo de carro e atravessar fronteiras para chegar aos Andes e admirar as Torres del Paine. Vai ser uma viagem curtinha, de 6 noites, porque é isso que cabe na nossa vida real.

nativos_40
O glaciar Perito Moreno

Como os pontos a serem visitados ficam bem ao Sul da América do Sul, é um passeio para ser feito no verão, quando o clima é mais ameno. Em janeiro, o índice pluviométrico é o menor de todo ano e as temperaturas ficam em torno de 8 a 20 graus (no inverno cai para -2º C). Mas não se engane: caminhar sobre o gelo ou mesmo pegar trilhas exigem casacos corta-vento e tocas. A quantidade de horas de sol (luz do dia) também interfere no aproveitamento de uma viagem como esta, em que tudo é feito ao ar livre. No verão o sol nasce às 5h30 e se põe apenas às 23h, enquanto no inverno há apenas 8 horas de luz por dia.

Patagonia-airports
Os pontos circulados são os que visitaremos

Descrevo abaixo as etapas para planejar esta viagem, mais trabalhosa do que uma à Europa! Quando você decidir ir, pode seguir meus passos para planejar sua própria aventura!

  • Fiz orçamento em três agências de viagem, que ofereciam pacotes bem diferentes. Valores por pessoa, sem aéreo, tendo por base quarto duplo. O “a partir de” varia por causa da classe do hotel:
    a. 11 noites (cruzeiro de 3 noites), incluindo Ushuaia, Punta Arenas, Torres del Paine e El Calafate, com guia e passeio ao Perito Moreno e cruzeiro de 3 noites: a partir de US$ 5,400 por pessoa;
    b. 6 noites, El Calafate, Puerto Natales e Torres del Paine, aluguel de carro SUV e passeio no Perito Moreno: a partir de US$ 2,115;
    c. 7 noites com Puerto Natales, El Calafate e Torres del Paine e todas as refeições, aluguel de Jeep e entradas em parques, museus e Perito Moreno: a partir de US$ 5,500.
  • Pesquisei alguns hotéis e sem fazer o orçamento completo percebi que ficaria muuuuito mais barato planejar eu mesma a viagem, sem pacote, do jeito que eu gosto, embora seja sempre mais trabalhoso e às vezes a gente se enrosque em dúvidas como “onde é que tem posto de gasolina nesse fim de mundo?”. Mas assim é bom, porque tenho tempo para planejar, aprendo um monte sobre o destino, gasto menos e ainda dou dicas para você! No final, contas feitas, hotéis, 4 dias de carro intermediário, traslados, saíram por US$ 2,154, para os dois. Não entraram no cálculo as entradas de parques e passeios de barco ou sobre as geleiras, mas nem de longe chegarão aos 2 mil dólares de diferença!
  • Money talks, mas outros pontos a favor de viajar desempacotada foram:
    a. algumas dessas agências montaram pacotes com voos a partir de Santiago, sendo que é mais rápido e perto fazer por Buenos Aires. Para quem dispõe de pouco tempo e não vai  curtir a capital chilena, melhor o aéreo por Buenos Aires.
    b. o carro te dá liberdade de parar naquela paisagem linda para a qual você em um ônibus ou van de excursão daria apenas tchauzinho.
    c. ganhei pontos no aluguel do carro equivalentes a uma diária no Brasil. Se você ainda não tem um programa de fidelidade com uma locadora, programe-se!
    d. viajando de pacote, os quartos oferecidos nem sempre são os melhores, mesmo que os hotéis sejam os mesmos das agências.
mini trekking sobre o glaciar: um dos passeios
mini trekking sobre o glaciar: um dos passeios
  • Comprando o aéreo. Entrei no site da TAM, cliquei em “várias cidades” no box de escolha dos voos (os voos domésticos argentinos são operados pela Lan):
    a. SP-Buenos Aires-Buenos Aires-El Calafate
    b. El Calafate-Buenos Aires-São Paulo. Aqui, como a conexão é longa, ainda dá pra aproveitar umas horas na capital argentina, que não visito desde 2010.
    A princípio, o sistema me ofereceu um voo que, além de não ser direto, teria conexão de 6 horas durante a madrugada, em Córdoba. Não faz sentido sair de férias e ter que dormir em bancos desconfortáveis de aeroporto para esperar pelo voo. E esse retorno levaria 24 horas, céus! Liguei para a central de atendimento da TAM e enquanto falava com o simpático atendente, acabei conseguindo na opção ”solicitar outros voos” um voo direto, sem conexão entre Buenos Aires e SP. E foi aí que descobri que comprando pelo atendimento você paga 7% sobre o valor da passagem. No início do atendimento digital, é informado que existe uma taxa, mas não sabia que era tão alta! Agradeci e pedi desculpas ao atendente constrangida (eles ganham comissão), elogiando sua presteza, mas fui pro site e fechei. As duas passagens (4 trechos, sendo os internacionais na classe executiva) que sairiam por R$5.350, saíram por R$4.377, já com taxas de embarque. Ah, não se esqueça de incluir a assistência viagem. Ah 2: verifique com seu cartão de crédito se ele oferece benefícios como seguro viagem gratuito e até seguro de automóvel alugado. A economia é grande. Se você não tiver, faça seu seguro com a Mondial Assistance, que frequentemente oferece descontos para leitores do Mulher Casada Viaja. Mas você tem que entrar no site deles através do blog, clicando sobre o logo aí da direita (se estive em PC) ou lá embaixão (se estiver em smartphone).
Monte Fitz Roy, em El Chaltén, a 214 km de El Calafate
Monte Fitz Roy, em El Chaltén, a 214 km de El Calafate

 

  • li relatos de quem fez esta viagem em blogs e também em fóruns de viajantes como o do TripAdvisor. Anotei dicas de agências locais, de locadoras de veículos, de empresas que fazem traslados aeroporto-hotel, de sugestões de passeios. Obrigada Internet!
  • decidimos o roteiro:
    – dia 1: SP-Buenos Aires – El Calafate
    – dia 2: El Calafate: passeio no Parque Nacional Los Glaciares, onde fica a mais impressionante geleira do mundo, a Perito Moreno. Mini trekking sobre o gelo.
    – dia 3: retirada do carro alugado e viagem a Torres del Paine
    – dia 4: Torres del Paine
    – dia 5:Retorno a El Calafate e espero poder fazer algum passeio, como o caiaque no Upsala Glacier. Atualização pós viagem: o passeio ao Upsala leva o dia todo, então se você quiser, terá de deixar TdP de madrugada.
    – dia 6: bate-volta a El Chaltén (214 km)
    – dia 7: El Calafate-Buenos Aires (passeio na cidade devido a conexão de 8 horas, eba!) – SP.
    Assim como viajar às Rochosas Canadenses, imagino que o ponto principal desta viagem seja a vista das montanhas das estradas e as que estão escondidas nas curvas das trilhas. Olhando o roteiro, parece não haver muito o que fazer além de se alimentar da paisagem de montanhas, lagos, geleiras e, com sorte, alguns animais selvagens.
  • Programar os passeios foi o que deu mais trabalho. Li no TripAdvisor os passeios mais usuais e as agências que os organizam. Os websites das agências locais não têm ferramenta de reserva e foi frustrante enviar e-mails e não receber retorno.
  • Para as reservas dos hotéis, usei o Booking.com. Falarei sobre hospedagem nos posts de El Calafate e Torres del Paine. Atualização: agora o blog tem parceria com o Booking.com. Você reserva clicando no logo à direita (se estiver em PC) ou no final do blog (se estiver em smartphone). Não paga nada mais por isso e eu ganho uma comissão. É um gesto simpático em retribuição a todas as dicas que os blogueiros compartilham, não acha?
  • Reservei o carro com a Hertz. Como viajaremos da Argentina ao Chile, é necessário informar à locadora que você precisará de permissão para cruzar a fronteira (= papelada providenciada pela locadora e pagamento de taxa para isso – $120 doletas). Caso vá de carro a partir do Brasil, é preciso emitir a Carta Verde, para cruzar a fronteira entre Brasil e Argentina.
  • Sem querer fazer propaganda mas já fazendo, comprei roupas especiais para esta viagem na loja virtual da Decathlon: luvas (comprei uma que tem polegares e indicadores sensíveis ao toque de celulares), calça térmica, segunda pele, blusa quentinha segunda camada (fleece). Usarei uma bota forrada de pele e levarei um tênis de caminhada.
De caiaque entre icebergs!
De caiaque entre icebergs no Glaciar Upsala, em El Calafate

Bem, isso tudo foi o planejamento. Parece mais simples agora que está organizado, mas deu muito trabalho.

Posts relacionados

El Calafate: Hospedagem

El Calafate: o que fazer por lá

El Calafate, aquela da geleira Perito Moreno

Perito Moreno: Caminhando sobre o gelo

De El Calafate a Torres del Paine

TdP: Hotéis, Campings e Refúgios

TdP: Sangue, Suor e Beleza 

Torres del Paine: Dicas práticas

Torres del Paine: hipnotizantes