Por onde andei em 2017

Chega aquela época do ano em que o Robertão é descongelado para aparecer na Globo, tua rinite ataca por causa do pó da árvore de Natal, a uva passa vira ingrediente obrigatório nos pratos, você dá um Google pra descobrir maneiras elegantes de recusar amigos secretos, come como se não houvesse amanhã. Sim, amigos, o Natal está perto, o ano está acabando. Então é Natal, e o que você fez? – gente, esqueci da Simone! Deixo aqui minhas turistagens de 2017, que podem servir de inspiração para uma viagem ou passeio seu. Resumi brevemente sobre cada uma das viagens, mas as palavras sublinhadas contêm links para os posts completos sobre os destinos/passeios.

A primeira viagem do ano foi presente de 15 anos para minha filha, que pediu um cruzeiro. Claro que adorei ela não querer uma festa de aniversário cheia de fricotes, mas foi a única forma de me colocar num cruzeiro! 7 dias em um navio, cercada de mar – e gente – por todo lado, paradas com tempo determinado em cada cidade que soa no mínimo ridículo para quem, como eu, gosta de andar e explorar. Me senti numa camisa de força! Não, cruzeiros não são minha praia e não tem argumento que me convença (juro, já tentaram muito). Mas gostei de algumas coisas e uma delas foi dormir confortavelmente enquanto se chega a novo destino, coisa que no avião não rola, pelo menos não na econômica. Outra foi assistir a um novo dia chegando ou um pôr do sol dourado em alto mar. O som do mar e da brisa no meio da madrugada, quando as atividades festivas a bordo cessavam. A comida era boa, as atividades recreativas legais, mas não é pra mim.

cruzeiro no Brasil

Saindo de Santos (SP), a primeira parada foi na manhã seguinte, no Rio de Janeiro. Acordei várias vezes naquela noite porque não queria perder o sol nascendo no horizonte do Rio (sim, eu conheço despertador, alarme de celular, mas sempre testo meu cérebro e ele não decepciona – pelo menos no início das viagens quando não estou esgotada).

Tivemos tempo de ir ao Cristo Redentor, tomar uma cerveja na praia de Copacabana e conhecer o Museu do Amanhã. Para o Cristo e o Museu do Amanhã, comprei os ingressos pela Internet. O jeito mais rápido para chegar ao Cristo é tomar Trem do Corcovado.  Usamos Uber para nos deslocar, que serviu também como city tour, pois os motoristas (foram 3: do porto para o Corcovado, de lá para Copacabana e porto novamente) iam indicando lugares pelo caminho, como o Palácio da Guanabara, o Sambódromo, Candelária, etc. Rio de Janeiro em cruzeiro

No final do dia, o navio seguiu para Salvador, onde chegamos pela manhã. Subimos o elevador Lacerda e fomos abordados por um funcionário da prefeitura de Salvador, uniformizado e com identificação, que nos orientou a não caminhar aqui e ali por ser perigoso. Quem fica à vontade com uma recepção dessas? Os pontos altos que conhecemos foram a igreja de São Francisco, o convento de São Francisco e o Pelourinho. Como este é um resumo das viagens, não queria me demorar, mas não posso deixar de dizer o quanto me entristeceu ver o estado em que se encontravam os painéis de azulejos do Convento, estavam esfarelando!

Salvador parada cruzeiro
Mural de azulejos portugueses no convento de São Francisco

Salvador em poucas horas

Do centro histórico tomamos um Uber para a Basílica Nosso Senhor do Bonfim e Gilberto Gil ficou cantando na minha memória “Madalena chorava, sua mãe consolava dizendo assim: pobre não tem valor, pobre é sofredor, e quem ajuda é o Senhor do Bomfim”, enquanto eu olhava as casas precariamente construídas até onde a vista alcançava.

Salvador em cruzeiro o que fazer

Mais um Uber e estávamos no Farol da Barra, onde visitamos o interessante Museu Náutico da Bahia, além de subir o Farol, claro.

o que fazer em Salvador

Voltamos ao navio no final da tarde e na manhã seguinte atracamos em Ilhéus (BA) e decidimos lagartear na praia dos Milionários, que tem estrutura para turistas, com barracas e restaurantes em frente ao mar, e na volta circulamos um pouco pelo centro.

o que fazer em Ihéus cruzeiro

A próxima parada foi em Búzios (RJ), onde não há porto para a imensidão do navio e temos que esperar pacientemente até que todas as lanchas dêem conta de transportar os passageiros à terra firme, o que leva horas. Um bugue nos levou para a Praia da Ferradura, margeando o lindo litoral na ida. Ficamos um pouco por lá e na hora combinada o bugue nos levou ao centrinho, onde compramos umas lembrancinhas e comemos sobremesas mega caras (como deve ser tudo ali). Passeamos pela praia da Armação, onde apesar de ser um cais super movimentado por pescadores e barcos turísticos, avistamos uma tartaruga do ladinho do calçadão!

Búzios em cruzeiro
Uma das muitas esculturas de Búzios, na Praia da Armação

Vimos o dia amanhecer em Santos (SP), e aproveitamos para fazer dois passeios que estavam pendentes há tempos: visitar o Museu do Café e passear de bondinho turístico pelo centro histórico de Santos.

Veja mais sobre esta viagem em Cruzeiros.

Em março chegou a vez de uma viagem influenciada por blogueiros: de tanto ver imagens maravilhosas e relatos do Deserto do Atacama, que nem na minha lista estava, tinha que ir. E como valeu a pena seguir os passos deles!

Visitar um deserto é algo muito especial, e como o Atacama tem muitos lugares lindos e paisagens diferentes, esqueça a imagem de camelos e areia por todos os lados. O horizonte do Atacama exibe vulcões que chegam a 4 mil metros de altitude, lagoas de águas termais e outras de sal – como o Mar Morto – falésias, cavernas, dunas, vales que trazem a sensação de estarmos na lua.

deserto do atacama dicas

E a cidade de San Pedro de Atacama tem um clima único: casas baixas de adobe, portas e janelas pequenas, telhados também de material natural (que escorre pelas paredes caiadas quando uma rara chuva chega), ruas de terra. Tem canais que correm por entre as casas, água proveniente do degelo dos Andes, transformando a paisagem num oásis. E pessoas das mais diferentes tribos – e como tem brasileiros! E tem tantos cachorros que já a apelidaram de San Perro do Atacama! (perro=cachorro em espanhol).

Ainda não escrevi sobre todos os passeios que fizemos no Atacama, mas escrevi dicas de onde comer no Atacama, um Guia de viagem com várias dicas sobre o Atacama e sobre o primeiro passeio que fizemos, o Vale da Lua e da Morte

Quanto a Santiago não foi amor à primeira vista: trânsito na Costanera, que me lembrou as Marginais de SP, fog atrapalhando a vista da cidade (SP de novo) a partir de seus mirantes, muita muvuca no centro (SP!). Depois da calmaria do deserto foi um choque, mas a capital do Chile acabou me conquistando com sua organização, limpeza, qualidade dos museus, arquitetura, bons restaurantes.

Sem contar a facilidade para conhecer vinícolas, lagos andinos, litoral. Até escrevi um post sobre bate-voltas a partir de Santiago, confira este e o roteiro de 5 dias em Santiago, com muitas dicas.

Do pisco para a cerveja em 6 meses. Sim, sofri abstinência por 6 meses, e no final de setembro eu e o marido embarcamos para o Sul da Alemanha, com o propósito inicial de conhecer a Rota Romântica. Cidadezinhas que parecem cenográficas, mas que carregam séculos de historia e cultura. As mais famosas são Fussen, Rothenburg-ob-der-Tauber, e Wurzburg, mas todas têm seus encantos, à sua maneira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma coisa leva a outra, e Stuttgart ali pertinho da Rota Romântica, nos permitiu curtir a Oktoberfest deles e conhecer o Museu da Mercedes Benz. Descobrimos que embora seja considerada uma cidade industrial, Stuttgart é cercada por colinas verdes e muitos parques, que no outono deixam a cidade ainda mais linda.

Oktoberfest Alemanha

E como estávamos tão perto da Alsácia, região francesa que é Rota do Vinho, esticamos até Estrasburgo para descobrir uma cidade encantadora e rica culturalmente, resultado de disputas entre Alemanha e França. Mais uma viagem no tempo, definitivamente a de que mais gostei na Alsácia.

E assim como a Rota Romântica, a Rota do Vinho da Alsácia nos guiou a pequenas cidades, vilarejos menores do que bairros de SP, que parecem cenário de filmes e desenhos da Disney inspirados nas obras dos Irmãos Grimm. Difícil dizer qual é a mais bonita, mas adorei Kaysersberg. Quando publiquei este post ainda não tinha escrito muito sobre elas, mas confira na página da Alsácia os que já publiquei.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O passado próspero da Alemanha deixou dezenas (ou seriam centenas?) de castelos, fortalezas e palácios, e conferimos alguns deles nesta viagem. Na Floresta Negra, região de Baden-Württemberg, visitamos o Castelo Hohenzollern em pleno Festival de Outono, com direito a visitar o castelo calçando pantufas, tortas e bolos gratuitamente distribuídos, apresentações de música e danças.

Pertinho do Hohenzollern, fica o Lichtenstein, lindo por fora, meio decepcionante por dentro, porque o rei morreu antes de sua finalização. Então a dica é: visite apenas o exterior, até porque não há tours em inglês sem agendamento e ficamos com cara de bobos ouvindo o guia falar em alemão sem entender uma única palavra.

Ludwick ou Luís II, rei da Baviera na segunda metade do século 19, sabia como escolher penhascos para servir de base para seus castelos, e além do Lichtenstein, construiu o Neuschwanstein, em Fussen.

Na página Castelos da Alemanha você encontrará os posts já publicados com várias dicas para te ajudar e inspirar.

Nos Alpes, cruzamos várias vezes a fronteira entre Alemanha e Áustria, conhecendo lagos, como o Plamsee, Hallstatt, Obersee e Konigssee.

E por falar em cruzar, cruzei a Highline 179, ponte suspensa de 406 metros pertinho de Fussen, mas já em território austríaco, que une ruínas de duas fortalezas.

E cidadezinhas que nunca tinha ouvido falar, como Garmisch-Partenkirchen, OberammengauBerchtesgaden, todas encantadoras, cercadas por montanhas e campos alpinos. Quando publiquei este post ainda não tinha escrito sobre elas, mas na página Alemanha você encontrará os links, caso leia este post pouco depois que foi ao ar. Ah, aproveito pra te convidar a seguir o perfil do Mulher Casada Viaja lá no Instagram.

Ainda teve Salzburgo, na Áustria, e Munique, na Alemanha. Sem dúvida, uma viagem belíssima, mas todas sempre são mesmo que a gente insista em dizer que a última foi a melhor!

Conhece o Pinterest? É uma forma visual de achar dicas de viagem – e outras tantas. Você salva o que gostou para ler depois, o que ajuda aqueles que estão sempre correndo.

Espero que esta retrospectiva tenha servido de inspiração para uma viagem sua. Continue acompanhando o Mulher Casada Viaja e, se não se cadastrou ainda, assine gratuitamente a newsletter para receber as novas publicações.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva #retrospectivaviagens2017, onde Blogs de Viagem de Pequenos Grandes Viajantes escreveram sobre suas viagens de 2017 e planos para o ano novo.
Não deixe de ler os outros posts:

 

15 comentários sobre “Por onde andei em 2017

  1. Ana - voupraroma dezembro 1, 2017 / 11:23 am

    Nunca fiz um cruzeiro, mas quem sabe um dia me aventuro… Amei quando estive na Alemanha também… Cada cidade mais linda que a outra, =)

    Curtir

  2. Ana Carolina Miranda dezembro 2, 2017 / 2:35 pm

    Márcia, amei suas viagens de 2017. Ainda não fiz um cruzeiro, mas não falta vontade… Estou me inspirando nas suas dicas do Atacama, pois ano que vem vou para o Chile. Que 2018 venha cheio de viagens maravilhosas para todos nós! Bjs

    Curtir

    • Marcia dezembro 3, 2017 / 8:24 pm

      Escrevi quase nada sonre o Atacama, preciso retomar… Isso mesmo, que venham viagens! Abraços

      Curtir

  3. Gisele Prosdocimi dezembro 3, 2017 / 1:31 am

    Inspiração aqui é pouco, Márcia, amei seus destinos e dicas. Aquela viagem à Alemanha me deixou inspiradíssima, rsrsrs. Parabéns, belíssimo post.

    Curtir

    • Marcia dezembro 3, 2017 / 8:23 pm

      Que bom, Gisele, tarefa cumprida, então! Obrigada pela visita e pelo feedback.

      Curtir

  4. Gabi dezembro 3, 2017 / 12:06 pm

    Adorei o post, as fotos (especialmente as do Atacama <3), e o sincerão sobre cruzeiros hahaha! Concordo muito!

    Curtir

    • Marcia dezembro 3, 2017 / 8:22 pm

      Sinceridade comigo e com os leitores, claro. Não é porque eu não gosto que vou falar mal, só não é pra mim. Atacama é o que há, que lugar!

      Curtir

  5. Rozembergue Nominato dezembro 5, 2017 / 2:39 pm

    Lindos destinos, lindas viagens e lindas fotos! Adorei!
    Nunca fiz um cruzeiro justamente pelos motivos que você citou como contras. Quem sabe no futuro.
    Adoro o Chile e a Alemanha, vocês escolheram bem os destinos esse ano.

    Curtido por 1 pessoa

  6. Mariel Aragao dezembro 6, 2017 / 2:45 pm

    Marcia, fiquei ba-ban-do aqui nas suas fotos do Deserto do Atacama… Acho que é o caso de mais um blogueiro influenciando alguém a fazer essa viagem! srrsrs

    Que 2018 traga muitas viagens para todos nós!

    Curtir

    • Marcia dezembro 7, 2017 / 9:30 am

      ah, que legal, Mariel. O que é bom deve ser compartilhado, vá, sim, o Atacama é demais! Depis me conta se você for.

      Curtir

  7. FLAVIA ZENKE dezembro 7, 2017 / 11:23 am

    Marcia, que delicia a sua viagem pela Alemanha. Nossa pirei nas fotos e quero muito voltar para conhecer melhor o país. Amei as suas dicas! Boas viagens em 2018 e traga muitas dicas!

    Curtir

Vamos trocar figurinhas! Deixe seu comentário ou dúvida:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s