Cortina d’Ampezzo, nas Dolomitas, num bate-volta de Veneza

Apenas duas horas de carro separam a incomparável Veneza a uma menos conhecida dos brasileiros, mas de cenários tão incomparáveis quanto, embora totalmente diversos: a cadeia de montanhas chamada Dolomitas, que enfeita o Nordeste da Itália (como se o país precisasse de mais atrativos!), onde fica a fronteira com a Áustria, ou seja, nOs Alpes.

O Lago Misurina, a 15 km de Cortina
Chegando ao Lago Misurina, a 15 km de Cortina

Diferente do que muita gente pensa, os Alpes não estão ali só para servirem de estação de esqui. O verão por estas bandas pode ser uma opção prazerosa para apreciar os contornos das montanhas e, se você for um entusiasta trilheiro ou ciclista, aposto que já ouviu falar das Dolomitas, destino preferido também de motoqueiros e motoristas, pois todas as estradas têm um visual maravilhoso e para quem gosta de dirigir ou pedalar as curvas são apenas mais um atrativo.

A região das Dolomitas é daqueles lugares com alta concentração de beleza por metro quadrado e exibe (esta palavra é perfeita aqui: o cenário parece uma exibição de Arte), além das montanhas de até 3 mil metros no papel principal, coadjuvantes de peso, como o maior planalto de altitude da Europa: Alpe di Siussi (post a respeito com imagens que parecem de calendário já estão publicado aqui), lagos, vales com casas alpinas e igrejinhas que mais parecem aqueles tijolinhos de madeira nossa infância, cultura tirolesa (fala-se mais alemão do que italiano), lagos formados pelo degelo e encostas pontuadas por vaquinhas e carneiros, numa extensão de apenas 200 metros de Leste a Oeste, tendo como cidades mais famosas Bolzano (já em seu limite) e Cortina D’Ampezzo, no coração das Dolomitas.

O Centrinho de Cortina
Torre da Igreja Santi Filippo e Gicamo, de 1850, e as onipresentes montanhas

Eu, Marcia, me, myself, na minha opinião totalmente pessoal e subjetiva, acho que bate-volta para essas montanhas é uma pena, mas se é isso o que cabe na sua viagem ou o que lhe basta, não vai se arrepender. Saí de Veneza já passavam das 10h30 e consegui almoçar e passear por Cortina, subir a montanha até o Rifugio Auronzo e caminhar em volta do Lago Misurina, além de várias paradas para fotos. No verão, quando os dias são mais longos, um bate volta é possível, sim.

cortina ruas-1
Em vez de um monte de prédios da minha janela em SP, adoraria ver este paredão!

Outra coisa: fiz na mesma viagem a Toscana e as Dolomitas e cada região tem sua beleza, mas as montanhas são… arrebatadoras, impactantes. Não posso dizer que uma road trip é mais bonita que a outra porque é também uma questão de gosto, mas é uma pena que se valorize tanto a Toscana, entre os brasileiros, e poucos conheçam as Dolomitas. De qualquer forma, opte você por bate volta ou por permanecer alguns dias na região, ficam aqui dicas para você ir a Cortina, nome apropriadíssimo, pois a partir dela abre-se o espetáculo que são as Dolomitas.

Cortina nova edição-1

O ginásio que serviu para competições das Olimpíadas de 1956
O ginásio que serviu para competições das Olimpíadas de 1956 em Cortina. Hoje tem hockey!

Localização
Cortina d’Ampezzo fica na província de Belluno, 158 quilômetros ao Norte de Veneza e a 1224 de altitude.

Como chegar a Cortina d’Ampezzo

✈ Os aeroportos mais próximos são em Veneza e Bolzano.

🚄 Não se chega direto a Cortina de trem. A estação mais próxima fica em Calalzo di Cadore.

🚌 Este site tem informações sobre as linhas de ônibus que chegam a Cortina.

🚗 Se você está em Veneza, o ponto de partida é a Piazzale Roma, onde ficam o terminal de ônibus e o ponto final/inicial do vaporettos. A maior parte das locadoras de veículos fica na rua de trás do canal, na Ponte della Libertà.  Também há lojas no aeroporto Marco Polo.

locadoras na Ponte della Libertà
locadoras na Ponte della Libertà, Veneza

 

Não deixe de ler o post Dirigindo na Itália,
com dicas de estacionamento, pedágio, combustível…

Estradas de Veneza a Cortina d’Ampezzo, nas Dolomitas
Qualquer Google Maps ou GPS vai te mostrar o caminho de Veneza a Cortina d’Ampezzo, que é muito simples: autoestrada A 27 e SS 51 após a entrada para Belluno, que você não pega, ou seja, siga em frente. Se quiser, a primeira parada com uma vista bonita é em Valle di Cadore, à esquerda da estrada, onde tem um Centro de informações Turísticas ao lado de uma fonte bonitinha com fundo de montanhas:

a caminho de Cortina, as montanhas ficam mais próximas, em Valle di Cadore
opçao para esticar as pernas e fazer uma das primeiras fotos das montanhas: Valle di Cadore

Um pouco mais adiante, uma outra cidadezinha: San Vito di Cadore. A SS51 passa no meio de ambas e não há acostamento, então fique de olho em estacionamentos de comércio para dar uma paradinha para fotos.

ASS 51, em San Vito di Cadore
A estrada SS 51, em San Vito di Cadore

A partir daí, Cortina está pertinho e é tanta paisagem que você esquece da quilometragem e do relógio. Ao chegar à cidade, procure um dos estacionamentos, que são gratuitos na baixa temporada. Este em que paramos fica perto da estação de ônibus da cidade, onde há banheiro público (€1) e comércio típico de estações, como lanchonetes, vending machines e suvenires.

estacionamento em Cortina
sinalização para estacionamento em Cortina

Outra opção: Se tiver mais tempo, na bifurcação da SS 51 siga à direita (foto abaixo), que continua com o nome de SS 51bis (aprendi, perdida em Paris, que bis quer dizer “é esse número, mas não exatamente esse número”). Na bifurcação, pegue a SS52 sentido Norte. Em seguida, as placas indicarão Auronzo e Misurina, e pegue a SS48, que também te leva a Cortina d’Ampezzo. Eu não fiz esse trecho, mas parece ser lindo.

Cortina a caminho foto Google

Para voltar a Veneza, pegue a SS51 e a A27. Leia mais abaixo as opções de lugares próximos a Cortina para visitar.

Como circular
Cortina é tão pequena que se você bobear acaba saindo dela achando que nem chegou (sim, aconteceu conosco! rsrsrs), então dá pra fazer tudo a pé. Para ir a outros pontos próximos, como Misurina ou Passo Falzarego, caso esteja sem carro, poderá usar ônibus de linha, que partem da rodoviária. Uma máquina automática vende bilhetes (€1,20 a unidade) e há uma de troco também. 

Trajetos de ônibus urbano na região de Cortina
Trajetos de ônibus urbano na região de Cortina
Rodoviária de Cortina
Rodoviária de Cortina

Câmeras ao vivo
Quer dar uma espiada ao vivo do alto das Montanhas? Este site tem 6 câmeras só na região de Cortina!

Vídeos do YouTube
Você vai encontrar vários, mas eu selecionei este pois tem mais imagens da primavera do que do inverno, mais comum de encontrar pois Cortina é um resort de esqui.

Este vídeo é profissional e mostra Cortina em todas as estações, trazendo uma ideia do quanto da pra se fazer por lá!

o Centrinho de Cortina
o Centrinho de Cortina

Onde ficar em Cortina d’Ampezzo
Como toda cidade turística, há hospedagem para todos os bolsos e gostos. O hotel que escolhi ficava no Lago Misurina, a apenas 15 km de Cortina e vou escrever sobre ele no post Lago Misurina. Fiz a reserva pelo Booking.com e se você fizer a sua através do blog Mulher Casada Viaja estará contribuindo para a manutenção do blog, pois recebo uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e faz um gesto simpático com quem passou horas para organizar este post. Grazie!

Estrada entre Cortina e Lago Misurina
Estrada entre Cortina e Lago Misurina

Visto, Passaporte e Carta Schengen
Não é necessário visto para entrar na Itália, apenas passaporte com validade superior a 6 meses e, como a Itália faz parte da Comunidade Europeia onde é exigida a Carta Schengen, há obrigatoriedade de contratação de seguro viagem. Além disso, seguro viagem não é só para o caso de você torcer o pé numa trilha ou sofrer um acidente. Malas extraviadas e tantas outras coisas que tornariam sua aventura inesquecível negativamente podem ser minimizadas com o seguro. O blog tem parceria com a Mondial Assistance,  que  oferece 15% de desconto para os leitores, desde que contratado através do link do blog. Neste link você encontra o código promocional

Língua e cultura
A língua oficial é o italiano e nesta parte das Dolomitas não há tanta influência tirolesa como na região mais a Oeste. A arquitetura é alpina, mas com um quê típico italiano. As poucas pessoas com quem tive contato foram atenciosas e simpáticas e usei o Inglês para me comunicar em restaurantes, centro de turistas e pousadas.

Cortina d Ampezzo
Pelas ruas de Cortina

Dinheiro/Moeda 
Com o IOF de 6% sobre o cartão de crédito, deixei para usá-lo em poucas situações e levei euros para quase todas as despesas. Se você decidir levar dinheiro, não se esqueça do moneybelt, aquela pochete de tecido que se usa entre a roupa íntima e a camiseta ou calças, que você compra em lojas de bolsas ou pela Internet. Nesta região não há batedores de carteira como em Roma ou Paris, mas é todo dinheiro que você tem na viagem, então melhor não correr riscos deixando-o em sua carteira. Outra coisa: nenhuma das pousadas em que fiquei tinha cofre nos quartos.

Quanto custa ir para Cortina d’Ampezzo
Claro que um mesmo destino pode ter variações enormes de custo, dependendo do perfil do viajante, da época do ano e de tantos outros fatores, mas deixo aqui uma ideia do quanto gastar, baseando-me nas despesas de junho/2016:

Hospedagem: média de €70 em hotéis ou pousadas simples (sem estrutura como piscina, spa, mas limpos e com restaurantes) com vista para montanhas e lagos.

Refeições: o preço não muda muito de uma cidade para outra e uma refeição simples (uma pizza ou massa com cerveja) não sai por menos de €15, mas sempre comemos com “uma vista: na piazza principal, em frente a uma montanha ou lago, etc.

Cortina d Ampezzo Dolomitas
mercadinho em Cortina: legumes, frutas, vinhos e queijos: faça seu picnic!

Pedágio e combustível: rodamos 3 dias por Veneza-Cortina-Misurina-Falzarego-Selva Gardena-Funes-Alpe di Siussi e Trento e gastamos €46 para reabastecer o carro antes de sua devolução à locadora. O custo do pedágio que só existe nas autoestradas e não nas estradinhas entre as montanhas, depende da quilometragem rodada. Para chegar a Funes nos perdemos e tivemos que rodar até achar uma saída, então gastamos € 7,50. Na saída de Funes a Siussi foram €3,80.

Não tem cofre, mas tem vista!
Não tem cofre, mas tem vista! Hotel Sorapiss

Voltagem/Tomadas
Não se esqueça do adaptador universal para tomadas e de um benjamim, pois alguns hotéis têm poucas tomadas para recarregar câmera, celulares, etc.

Fuso horário
Se não estivermos em horário de verão, na Itália são 5 horas mais tarde em relação ao horário de Brasília.

dicas da Itália

Temperatura/clima
Confira a previsão do tempo neste site das Dolomitas.

Quando ir a Cortina d’Ampezzo
Se você quiser ver neve, de novembro até março vai encontrar os picos, telhados e pinheiros cobertos por ela. Mas esqueça o carro nesta opção se você não tem experiência em dirigir com correntes nos pneus, que são obrigatórios. Leia mais em Dirigindo na Itália.

Se quiser fazer trilhas, usar sua bike ou simplesmente fugir da friaca dos Alpes, a partir de maio já dá para encarar os picos, onde venta muito e faz frio mesmo no final da primavera. Em 2016 a primavera foi chuvosa e o calor demorou a chegar. Nos rifugios e passos e no início da manhã ou à noite, precisei usar jaqueta corta vento mesmo no meio de junho! Se puer escolher, a alta temporada de verão, entre julho e agosto é o ideal – e quem sabe suas fotos ganham mais colorido do que as minhas com o sol!

Entre nas ruas residencias!
Entre nas ruas residências!

O que fazer em Cortina d’Ampezzo e região
Cortina foi apenas uma parada para almoço e passeamos um pouco pelo centrinho após a farta refeição típica italiana. Quase tudo estava fechado (hora de almoço+baixa temporada) e eu estava ansiosa para ir ao Rifugio Auronzo, então não ficamos muito por lá. Além da diferença entre uma viagem no inverno e no verão, há dois tipos de viagem nas Dolomitas e as sugestões dependerão de qual é a sua:

  1. contemplativa, para quem tem menos tempo, quando rodamos pelas estradas sinuosas, fazemos paradas, tomamos teleféricos para o alto das montanhas e fotografamos. A paisagem aliada às estradas sinuosas fazem das Dolomitas destino preferido de motoqueiros, ciclistas e por que não dos motoristas? Infelizmente foi o que cabia no meu roteiro, então conheci o centrinho, peguei folhetos no Uffici Turistico, dirigi até o Lago Misurina e subi de carro até o Rifugio Auronzo. No dia seguinte, ainda na região, fui a Passo Giau e ao Passo Falzarego. Neste, um teleférico te leva a 2,700 de altitude, no Rifugio Lagazuoi, aonde só não fui porque as montanhas estavam completamente encobertas e eu não veria nada. Falarei sobre estes passeios em posts à parte.
  2. imersão, para quem fica mais dias e faz trilhas para lagos, nas montanhas, visita as antigas trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Nesta categoria podemos adicionar passeios de bicicleta, esqui e incontáveis esportes de inverno que nós moradores de países tropicais nem imaginamos. Se você tiver a sorte de ficar por lá para isso, o centro de informações turísticas tem diversos mapas gratuitos para você se orientar.

Centro de Informações Turísticas de Cortina d’Ampezzo
O Ufficio Turistico fica na Corso Italia, 81, fácil de achar pois é perto da igreja da cidade, cuja torre pode ser vista facilmente. Lá você pode pegar gratuitamente mapas de trilhas ou de pistas de ciclismo e receber informações de que precisar.

De Cortina a…
Lago Misurina: 15 km
Veneza: 158 km
Bolzano: 132 km
Innsbruck: 164 km

Minhas impressões de Cortina
Durante o planejamento de minha viagem, senti falta de informações mais específicas sobre Cortina, mas lá descobri que não há muito a escrever além do que já disse aqui, pois o grande barato mesmo é ficar pelas estradas e trilhas e usar os meios de elevação para ir ao topo das montanhas onde as estradas não chegam. Claro que quem fica na cidade vai curtir os restaurantes e comércio, mas a cidade é tão pequena que pode ser chamada de vila.  Na foto invernal abaixo, você vê a praça principal e a cidade se espalha pelas encostas das montanhas na forma de casinhas alpinas. Vale a pena? Se você gosta de natureza e de montanhas, a região das Dolomitas é o lugar certo para você. 

O Centro de Cortina no inverno, em foto do Expedia
O Centro de Cortina no inverno, em foto do Expedia

Depois de todas estas dicas dá pra planejar sua ida a Cortina, mas se você não tiver tempo ou paciência, você sabia que eu organizo roteiros e/ou presto assessoria para você montar sua própria viagem? Leia como funciona clicando aqui.

Não deixe de ler os posts sobre Veneza, com dicas de como chegar, um guia para você começar o planejamento, roteiro de uma primeira vez, e o que não fazer por lá, além de uma explicação de como Veneza foi construída sobre as águas.

Posts Relacionados às Dolomitas (clique sobre o título)
Alpe di Siussi
Dirigindo na Itália

Em breve sobre região das Dolomitas:
Dolomitas: roteiro de 3 dias
Val di Funes
Lago Misurina e Rifugio Auronzo
Trento