Orlando Eye: nova atração da International Drive

Você deve conhecer a London Eye, a “roda gigante” panorâmica à beira do Thames, mas sabia que o horizonte de Orlando já exibe a sua versão, com data para inauguração em 4 de maio?

idrive-360-sign--wide-544x350

Mas não precisa esperar até a inauguração para ver Orlando do alto. Se você estiver por lá entre os dias 1 e 3 de maio, poderá adquirir ingressos pela Internet e estar entre os primeiros a subir em uma das 30 cápsulas, a partir de 18 dólares. O site vende ingressos on line e entrega por código em seu celular. Ingressos aqui.

Quando eu falo do alto, I mean it! São 400 pés, algo em torno de 122 metros de altura. A London eye tem 135 metros, para termos comparativos. Não é nada perto de cidades com edifícios altos, mas Orlando é horizontal.

Nenhuma das duas é exatamente uma roda gigante, mas observatórios que levam em média 30 minutos para dar uma volta completa e cada cápsula permite um grupo de 15 pessoas a bordo. A “roda gigante” faz parte do I-Drive 360, um novo complexo de entretenimento, alimentação e compras convenientemente instalado na International Drive, 8445. O estacionamento é gratuito e coberto, nos moldes do Universal Studios.

untitled

Os idealizadores são os mesmos da Legoland Florida e o complexo trará, além da Orlando Eye, outas atações:

  • Madame Tussauds, o museu de cera de celebridades com franquia em diversas cidades do mundo.
  • Sea Life Orlando, aquário de 25 mil metros quadrados com mais de 5 mil espécies marinhas e túneis 180 graus.

Com o I-Drive, Orlando ganha mais opções de alimentação – espero que venha algo realmente novo, mas talvez seja esperar muito de um lugar tão turístico como este. alguns restaurantes como o Outback, Tin Roof e Yard House já estão operando mas outros restaurantes só estarão disponíveis no Outono.

idrive 360 tin roof sign 544x350

idrive 360 yard house wide 544x350
140 tipos de chopp para provar no Yard House

Em maio, por exemplo, você poderá domar um touro mecânico entre uma bebida e outra no Cowgirls Rockbar Orlando.

idrive 360 free parking garage 544x350
estacionamento gratuito (até quando eu não sei)

Com a Orlando Eye e seus 122 metros de altura, não será difícil encontrar o complexo I-Drive, mas o mapinha abaixo é para você se localizar dentro dele (clique para ampliar a imagem):

idrive 360 locator map 544x350
Bem, Orlando sempre lança novidades para estimular mais uma visita. Com a desvalorização do real perante o dólar (3,13 no momento em que eu escrevi este post), imagino que em breve a redução do número de brasileiros será sentida. Se você acompanha a página do blog no Facebook, deve ter visto as inúmeras promoções de passagens aéreas para Miami e Orlando que andam pipocando. Quem sabe não vêm por aí descontos especiais em hospedagem para os brazucas? Ou… você pode aproveitar a alta para outros destinos, como tenho sugerido. As novidades continuarão lá…

Anúncios

Halloween e Natal na Disney

Foto: viajandoemfamilia.com.br
Foto: Viajando em família

No post Atrações Especiais nos Parques da Disney eu mencionei que há festas especiais no Magic Kingdom em Orlando e agora volto ao assunto para dizer que os ingressos para a Mickey Not-so-Scary Party (Halloween) e Mickey’s Very Merry Christmas Party (Natal) já estão à venda pelo site oficial.

Foto: www.wdwmagic.com
Foto: WDW Magic

Esses ingressos precisam ser comprados à parte do ingresso regular e custam entre 65 e 70 dólares para o período das 19h a meia-noite. Mas saiba que você pode chegar às 16h, o que deixa um bom tempo para aproveitar as atrações antes de a festa começar.

Ao chegar, dirija-se à atração Stitch’s Great Scape , onde um funcionário pegará seu ingresso especial e lhe colocará uma pulseira, que será a identificação de quem poderá participar da festa. Os demais são convidados a se retirar do parque.

halloween5

Eu nunca estive nessas festas, mas pesquisei e vi o que elas têm de especial para passar a vocês as dicas:

– as paradas e o show de fogos de artifício são temáticos, ou seja diferente dos regulares

– a decoração também é temática (mas essa você pode aproveitar durante o dia, também)

– há distribuição gratuita de treats (balas, cookies)

– na festa de Halloween adultos e crianças fantasiam-se, deixando o parque com um clima bem legal.

Foto:orlandofuntickets.com
Foto:orlandofuntickets.com

Mesmo que você não tenha interesse em participar delas, se for visitar o parque nos meses em que elas acontecem, fique atento, pois o parque fecha às 19h para quem tem o ingresso normal e você acaba perdendo o show de fogos Wishes, que é emocionante para adultos, crianças, par quem vai pela primeira vez, para quem já foi várias vezes…

Confira as datas para 2014:

🎃 do Halloween
Setembro: 1,9,12,14,16,19, 21, 23, 26, 28
Outubro: 2, 3, 5, 9, 10, 13,16,17,19, 21, 23,24,26,28,30,31

🎅 do Natal
Novembro: 7, 10, 13, 14, 16, 20, 21, 30
Dezembro: 2, 4, 5, 7, 9, 11, 12, 14, 16, 18, 19

Após o dia 19 de dezembro, a festa é aberta para todos, no horário regular do parque. Você pode pensar “então vale a pena ir nessa época”, mas os parques estarão mais cheios e os preços mais altos.

Compra de ingressos:

Mickey-Mouse-Ears-Applique-Machine-Embroidery-Digitized-Design-Pattern-700x700para o Halloween 

Mickey-Mouse-Ears-Applique-Machine-Embroidery-Digitized-Design-Pattern-700x700

para o Natal

Roteiro de Orlando (e arredores) em 12 dias

A programação de suas férias em Orlando  gira em torno dos parques e de compras, pois além disso não há muito o que fazer na cidade. Mas pertinho de Orlando há muito o que fazer para tirar a mente dos parques e ganhar novos ares.

Um desses programas é ir a Kennedy Space Center (veja post a respeito aqui), um bate-volta tranquilo.

Não menospreze o KSC, pois há muito o que fazer por lá
Não menospreze o KSC, pois há muito o que fazer por lá
A bela Clearwater vale a visita - e muito!
A bela Clearwater vale a visita – e muito!

Outra opção que super recomendo é ir até Clearwater, balneário lindo no Golfo do México, ou seja, a oeste de Orlando.  Você pode programar passar 3 dias em Tampa, ir ao Busch Gardens e curtir essa linda praia. Fomos em 2011 num bate-volta, que é possível pois a praia tem várias duchas espalhadas pela areia e os banheiros públicos são muito limpos. Diferentemente de Miami, quase não encontramos brasileiros por lá. O pôr do sol é um evento, assistido de um dos piers. Há diversos restaurantes, mas nada de barraquinhas pela praia ou ambulantes , então você precisa levar a farofa (rsrsrs). Para nossa comodidade, cadeiras e guarda-sol podem ser alugados em vários pontos. Como só passamos o dia, tenho só uma indicação de restaurante-bar em frente ao mar, de ambiente descontraído, chamado Palm Pavilion.

A água do mar é cristalina e as crianças se divertem pegando peixinhos. Para chegar lá, pegue a I-4  W em Orlando, sentido South West e quando chegar em Tampa, pegue a FL 60W . Você vai passar por uma estrada-ponte, como as que te levam a Key West, no extremo Sul da Florida, pois a praia de Clearwater fica em uma ilha-linguiça.

Minha filha e os colegas texanos exibindo seus peixinhos
Minha filha e os colegas texanos exibindo seus peixinhos
Não fique só na praia. Passeando pelos bairros, voce pode ver delícias como esta...
Não fique só na praia. Passeando pelos bairros, voce pode ver delícias como esta!
ou casas no estilo colonial como esta
ou casas no estilo colonial como esta

Outras praias a cerca de 1 hora de Orlando, mas a Leste, são a Daytona Beach e a Cocoa Beach. Eu nunca estive nelas, mas as fotos que vi não me encorajaram muito… Clearwater, caro leitor e cara leitora, é tudo de bom!

Mas vai aí meu roteiro de 2014 em Orlando, para quem vai viajar por conta e precisa organizar seus dias. Sobre cada parque, indicação de restaurantes e atrações, dedicarei posts específicos.

dia 1: chegada na Terra do Tio Sam (que em Miami está mais para terra do Padre Juan). Retirada do carro no aeroporto de Miami, estrada, parada para almoço, chegada a Orlando, check in no hotel. Retirada dos ingressos dos parques na International Drive, e fomos até Downtown Disney pouco antes do por do sol.

dia 2: Escolhemos por começar pelo Islands of Adventure,  pois os parques da Universal ficaram por último nas viagens anteriores.

dia 3:  Universal Studios e depois passadinha no Florida Mall

dia 4: meu parque preferido, o Epcot Center

dia 5: aniversário da minha filha, que escolheu o Animal Kingdom para comemorar. Como o parque fecha cedo, passadinha no Walmart.

dia 6: break from parks. Fomos fazer compras no Orlando Premium Outlet da International Drive.

dia 7: Sea World

dia 8: Magic Kingdom

dia 9: Hollywood Studios e, no comecinho da noite, passadinha no Bed, Bath and Beyond

dia 10: Cape Canaveral, Kennedy Space Center

dia 11: Tampa: Busch Gardens

dia 12: repetimos o Epcot. Passadinha na Best Buy

De meu roteiro inicial, postado aqui, algumas alterações. Como você pode ver, 12 dias é bem apertado caso você faça todos os parques (e nem entraram os parques aquáticos no roteiro!). Quem nunca foi a Orlando, pode achar que dá pra fazer muita coisa em um dia, mas os parques nos cansam bastante e dependendo da época, quanto mais gente, mais filas e mais tempo você precisa.  E são férias, não uma lista de tarefas a cumprir, certo?

Dirigindo na Flórida

Embora os mais viajados não hesitem em alugar um carro e traçar seu caminho, muita gente ainda acha complicado alugar carro e guiar no exterior. Escrevi este post para dar confiança a esses últimos, pois desde nossa primeira viagem internacional percorremos a Califórnia sem sustos ou problemas e naquela época não existia GPS nem Google. Tenho saudade de usar o mapa físico, de papel, com cheiro e marcas de dedos ou do café espirrado;  de traçar com canetinha as estradas a serem percorridas e de abrir aquele mapão dentro do carro…

As bem sinalizadas rodovias
As bem sinalizadas rodovias

Viajar de carro, especialmente nos Estados Unidos é muito fácil, pois não se esqueça que a América é país feito para os carros. Muitas cidades têm precário sistema de transporte público. Afinal, é muito barato comprar um veículo e para isso foi preciso desenvolver um sistema de highways de fazer inveja. Quanto às estradas utilizadas em nossas idas e vindas pela Flórida, estarão descritas nos post sobre cada destino (Orlando, Tampa, Miami, Key West). Aqui, as dicas:

Carteira de Habilitação
A nacional é válida (e necessária) para dirigir em qualquer país, inclusive Estados Unidos. Na prática, nunca nos foi solicitada a internacional por locadoras. Outros viajantes experientes também dizem estarmos liberados da PID (Permissão Internacional para Dirigir). De qualquer forma, se você é do tipo precavido e encanado, o Detran do seu estado é o emissor da PID.

A Caravan foi perfeita para acomodar nossas malas
A Caravan foi perfeita para acomodar nossas malas

Locação de Veículos
Você pode escolher as grandes redes (Avis, Hertz, Budget), que além de preços bacanas possuem planos de fidelidade (e se vc não pretende alugar carros com frequência pode usar os pontos transferindo-os para outros programas). Veja mais informações no post Check List: Getting Ready.

Tipo de automóvel
Se você pretende fazer compras, alugue uma van para 7 pessoas, pois assim você elimina o último banco e libera espaço para suas malas. Uma vez alugamos um carro standard e tivemos que alugar uma van para ir ao aeroporto, uma boa opção. Naquela ocasião, a recepcionista do hotel, que gentilmente chamava o transporte, explicou “São brasileiros”, frase que resume o porquê de 3 pessoas precisarem de uma van para o aeroporto!

Área do Aeroporto de Miami destinada às locadoras
Área do Aeroporto de Miami destinada exclusivamente  às locadoras de veículos

Retirada do veículo
Normalmente se retira o carro na chegada ao aeroporto de destino. Tanto em Orlando como em Miami, você será direcionado a uma área reservada somente a aluguéis de veículos (impressionante, por ser maior, mais moderno e mais eficiente do que o saguão do Aeroporto Internacional de Guarulhos). Entregará no balcão sua confirmação de reserva e será perguntado sobre seguros e outros opcionais. GPS pode ser um deles, muito bem vindo, mas cuidado com os seguros que tentam te empurrar (o essencial é o LDW, que te isenta de qualquer dano ao carro). Você pode optar por comprar o tanque cheio na locadora (pagamos 68 dólares), assim não precisa no último dia de sua viagem se preocupar em ir ao posto para encher o tanque antes de devolver o carro. Algumas economias não compensam.

Não se esqueça de perguntar sobre pedágio (toll), pois a locadora pode registrar o número de seu cartão para que as taxas de pedágio sejam debitadas diretamente nele. Leia mais no item Pedágio, abaixo.

Assim que tudo estiver acordado, o atendente te informará o andar (sim, há um andar do estacionamento para cada locadora) e o stall (vaga) onde seu carro temporário está. Você entra, se familiariza, ajusta espelhos e na saída um funcionário vai conferir se você pegou o carro certo. Pronto, a estrada é sua!

No Posto de Gasolina
Em geral, os postos não têm frentista, então siga esses passos:

DSC058221. estacione o carro em frente a uma bomba disponível e observe seu número (5, na bomba da foto abaixo);
2. dirija-se ao caixa da loja de conveniência e diga “40 dollars at (pump) number 5”. O caixa vai te dar o recibo e liberar o combustível até que o contador chegue nos 40 dólares. Você também pode deixar uma nota de 100 dólares, por exemplo, completar o tanque e voltar à loja de conveniência para pegar o troco. Se quiser, pode pagar com cartão de crédito, mas sempre precisará ir à loja de conveniência, pois seu cartão é internacional e não é aceito na bomba, que requer o CEP vinculado ao cartão, que não será aceito.

DSC05821Lembre-se de escolher o tipo de combustível (a Regular é a mais barata, seguida da Plus e da Premium) apertando o botão correspondente. Pegue o hose (mangueira) e aperte o gatilho. Quando terminar, escolha se quer o recibo ou não.

Em postos com frentistas (só vi uma vez no interior da Califórnia), o procedimento é o mesmo do Brasil. Diga: Fill it up, para completar o tanque.

Pedágio
Em todas estradas você vai encontrar os Toll Plazas, ou praças de pedágio. Na Flórida, quase todas são automáticas e não aceitam dinheiro, você precisa contratar na locadora e no mês seguinte receberá a conta na fatura do mesmo cartão de crédito utilizado para o aluguel do veículo.  Após 14 dias de estrada, pagamos cerca de 50 dólares de pedágio. É parecido com nosso Sem Parar, com a vantagem de você não precisar reduzir a velocidade nem se espremer num corredor – nem pagar pela instalação. Fotinho abaixo:

IMG_0184
Câmeras registram sua passagem e debitam do seu cartão de crédito o valor do pedágio

Estacionando
Em Orlando, nosso pequeno carro (rsrsrs) ficou estacionado nos parques, restaurantes, malls e no hotel. Em Miami, tivemos que pagar pelo estacionamento no hotel e nas ruas utilizamos o parquímetro.

O simpático parquímetro da Ocean Drive. Romero Brito tem Galeria ali pertinho...
O simpático parquímetro da Ocean Drive. Romero Brito tem Galeria ali pertinho…

Em Key West, no centro antigo, há estacionamentos, mas ruas tranquilas com parquímetro foram nossa opção, pagando 2 dólares por hora, com direito a renovação.

bilhete do parkmeter de Key West
bilhete do parkmeter de Key West

Parados pela Polícia
Brasileiros e brasileiras, se tiver uma placa STOP na esquina, mesmo que seja num cruzamento onde nem mosquito tem, pare, porque se você não parar, a polícia te pára: “Sir, you’ve got to stop completely when you see a Stop sign!”.  Pedimos desculpas e saímos incrédulos. Ai, no meu Brasil…

Regras de trânsito
As regras de trânsito são praticamente as mesmas, com a vantagem de o carro poder avançar se quiser virar à direita e o sinal estiver vermelho, desde que não tenha pedestre nem outro carro indo na mesma direção. Lá em 1996 levamos muitas buzinadas por ficarmos parados na faixa da direita do cruzamento.

Importante: pedestre sempre tem preferência. E é incrível como mesmo sem movimento na rua todos pedestres aguardam o sinal ficar verde. Igualzinho a São Paulo…

Motos andam atrás de carros, mesmo se houver engarrafamento. Acredite, se quiser. Por outro lado, vi muitos motoqueiros sem capacete.

Que me lembre, a única placa diferente é a de preferência, que em vez de ser só o triângulo traz a inscrição “Yield”. É importante saber que NO U TURN significa que não é permitido retorno na forma do U (simples!). Speed Limit é o limite de cada estrada, que em geral é de 70 milhas nas Interestaduais e Highways, 55 ilhas nas demais estradas, 30 milhas nas ruas residenciais e comerciais e 20  milhas em school zone. Dirigir muito devagar também dá multa (It’s the law, dizem as placas), como ir a 50 milhas em estrada com limite de 70 milhas por hora.

Agora, dica legal que aprendi com o Sheldon, do Big Bang Theory: em geral, estradas que vão de Norte a Sul têm numeração ímpar e as que vão de Leste a Oeste, têm números pares. “Interesting!”, diria Sheldon Cooper.

Have a great road trip! Se quiser uma música emprestada:  Road Trippin’, de Red Hot Chilly Peppers. Ela sempre vai comigo na memória em viagens de carro. Mas nesta última viagem, a trilha sonora foi “Happy”, de Pharrell Williams, tudo a ver com férias felizes!

 

 

 

Orlando, Miami, Key West: roteiro e hospedagem

Neste post eu falo um pouco de mais um item do planejamento da viagem à Flórida, desta vez sobre hospedagem e roteiro na Flórida.  Veja outros posts relacionados aqui. 

Para fazer as reservas dos hotéis, precisei estabelecer um roteiro com tudo o que gostaria de fazer, como parques, passeios, compras, tendo uma ideia de quantos dias preciso para cada cidade (dentro do limite estebelecido inicialmente). Sugiro que façam esta etapa antes da compra dos ingressos para os parques, pois podem sobrar ingressos e faltar dias! Explico: sabem os combos do McDonalds, do Burger King? Tem também para ingressos. Você paga uma diferença ridícula para ter acesso a um dia extra em um parque de sua escolha.  E o melhor é que em vez de engordar, você anda tanto que emagrece! Só não vale comer uma turkey leg inteira!!!

Outra coisa: mesmo que você fique apenas em Orlando, talvez queira reservar hoteis diferentes, como ficar dentro do Complexo Disney durante os dias de visita aos parques do WDW, em outro perto dos parques da Universal ou em um resort legal para descansar de tantas compras e parques antes de voltar ao Brasil.

Ou se você não for do tipo “Monica Geller, do Friends” (ai, eu sou, não tem como mentir – e ainda me casei com o Chandler! kkkk) compre a passagem aérea e viva ao sabor de suas vontades, afinal, hotel em Orlando é o que não falta!

Meu lado Monica: Nuna folha de papel listei os dias de viagem na vertical e com adesivos marcadores coloridinhos da Spiral escrevi os destinos – cidades, parques, passeios, compras. Assim fica fácil mudar o dia caso precise de alterações devido a hospedagem ou cansaço ou dia chuvoso, etc. Desta vez não me prendi tanto ao horário de funcionamento dos parques. Quando eles ficam mais horas abertos, como aos sábados, também é o dia em que estão mais cheios! Como estou indo fora de temporada ou de feriados, não tive essa preocupação, na esperança de que o clima mais ameno do inverno e  menos visitantes nos favoreça.

IMG_0172

Casado o roteiro, era hora de reservar os hoteis. Como eu disse no post Check List: Getting Ready a respeito do automóvel, cada vez que você visita uma cidade que já conhece, faz coisas novas e o hotel depende do tipo de viagem que você quer fazer, do clima/tempo no período em que estará lá, de quantas pessoas irão, etc., do quanto quer/pode gastar.

Em nossa primeira viagem à Florida (faz tempo, foi em 1996) ficamos em Downtown Miami e nos hospedamos no Holiday Inn Port of Miami, em frente ao Bayside Market Place, um shopping com lojas de souvenires e Gap, Guess, Sunglass Hut, Victoria’s Secret, além de aluguel de jet-ski, barcos ou passeios de barco, shows ao vivo, restaurantes como Bubba Gump Shrimp Co., Starbucks e Subway. Naquele tempo não havia Internet, então o hotel foi escolhido pela agente de viagens e apesar de termos ficado em um quarto enorme, com janelas em duas das paredes, com bela vista para o Porto de Miami, eu só o indicaria para quem vai fazer um cruzeiro saindo de Miami ou para quem tem negócios no centro de Miami, pois para ir às praias de Miami Beach você precisará se deslocar de carro – e estacionar lá, o que pode ser um desafio ou custoso.

Vista do Porto de Miami do nosso quarto.
Vista do nosso quarto, em 1996. Hoje veríamos a belíssima American Airlines Arena

Na segunda vez, ficamos em Orlando em um resort cujo nome não me recordo (na época não fazia scrap e não tenho um só folheto ou foto do hotel!). Que pena, gostei tanto dele… Mas você pode pesquisar no Booking.com, site que uso para minhas reservas e com quem, depois de ver que era confiável e que nunca me deu problema, firmei de parceria. Isso significa que, se você fizer a reserva pelo link acima ou ao clicar no logo presente na página inicial do blog, eu receberei uma beeem pequena porcentagem de venda, mas que ajudará a manter o blog no ar. Não vai te custar nada a mais, pode conferir!

Em nossa terceira visita à Florida, era hora de experimentar um hotel dentro do Complexo Disney e reservei um quarto com tema de piratas no Caribbean Beach Resort. Na minha opinião, se possível, ao menos uma vez você deve se hospedar em um dos hotéis do complexo Disney, pois é um grande barato para crianças e para quem é young at heart! Mobiliário, roupa de cama, carpete e cortinas, tudo no estilo do filme ou animação escolhido. Além disso, hóspedes têm algumas vantagens:

  • direito a horas adicionais nos parques, no início ou no final do dia, quando ficam bem mais vazios.
  • o clima de Have a Magical Day!: o Wake-up call é na voz do Mickey (rsrs)
  • as compras feitas nos parques são enviadas diretamente para seu quarto
  • transporte gratuito nos shuttles (ao som de músicas caribenhas, no caso do complexo Caribbean Beach Resort): uma linha para cada resort.
  • o paisagismo caprichado dos parques se repete nos jardins do hotel
  • no Caribbean, há 6 piscinas aquecidas e com tema de galeões, piratas e fortes e têm tobogãs, baldão do tipo Beach Park.
  • prainha artificial com redes para relaxar e pistas para caminhadas
  • transfer do aeroporto até o hotel é feito em ônibus estilizado da Disney Cruise Line
  • A Praça de Alimentação do resort é imensa, e lá tivemos café da manhã (compre a caneca refil e beba café, chá, leite, achocolatado gratuitamente todos os dias de sua estadia) e fizemos algumas refeições quando aproveitamos as piscinas.
orlando-2011-065.jpg
Quarto temático do Caribbean Beach Resort

Desta vez ficaremos em três hotéis diferentes, mas todos da Rede Best Western.

Hospedagem em Orlando
Além do Caribbean Beach Resort, nos hospedamos no Best Western Plus Universal pelo custo-benefício, depois de termos aproveitado os parques da Disney. Este hotel fica pertinho da universal e oferece shuttle gratuitamente até o parque.

O hotel tem quartos amplos e limpos com frigobar e microondas, além dos demais itens comumente oferecidos nos hotéis americanos, como cafeteira, tábua de passar e ferro, secador… Bom atendimento e café da manhã incluso (com várias opções de pães, frutas frescas, máquina de waffle, buffet de alimentos quentes, iogurtes…). Wi-Fi e estacionamento gratuitos, lavanderia para uso dos hóspedes mediante pagamento de taxa e  –  vejam só, brasileiros e brasileiras: o hotel recebeu e guardou minhas compras feitas no Brasil pela Internet sem custo algum! Bem pertinho do hotel (walking distance), tem Fridays, Burger King, Wendys, Wallgreens.  Nesta viagem, ficaremos lá novamente.

OUTRAS OPÇÕES
Além de resorts e hotéis, você pode alugar uma casa (com piscina) ou ficar em um condo (apartamento com estrutura de resort, mas com cozinha e sala de estar), opções interessantes para quem viaja em grupo de familiares ou amigos. Mas lembre-se que a limpeza e arrumação ficam por sua conta! Nesses casos, redobre sua pesquisa em sites como Tripadvisor ou Homeaway para ler avaliações de quem já utilizou o serviço que você procura.

EM QUE REGIÃO SE HOSPEDAR
Quer ficar próximo dos parques da Universal? Fique na International Drive. Quer ficar perto do Mickey? Lake Buena Vista. Quer ficar perto dos Malls e Outlets? Escolha qualquer um dos dois. Use o Google Maps para ver a localização de sua temporária morada em orlandians land.

Após o Carnaval eu conto sobre a hospedagem em Key West e em Miami Beach.

FLORIDA, SUA QUERIDA!!!!

florida

Deve existir uma centena de blogs e sites que contam sobre viagens a Miami e Orlando. Outra centena que ajuda brasileiros a organizar suas viagens para a Terra do Mickey. Mas e daí? Eu A-D-O-R-O escrever e viajar e ainda não descobri meu talento para criar o que ainda não foi criado! Também não sou do tipo preconceituoso que só escolhe destinhos off the beaten track. Tenho uma bucket list de ao menos 20 lugares para conhecer antes de desencarnar, e Orlando não estava exatamente nela. Esta viagem é para minha filha, mas é claro que eu vou aproveitar e muuuito!

Miami foi minha primeira experiência no exterior, em 1996 (bendito seja o plano Real!). Não fui pelas compras e nem quis ir a Orlando, mas queria conhecer aquela América, quente, latina, onde se come feijão preto e se ouve mais espanhol do que Inglês. Queria ver a Art Deco de South Beach e o mar caribenho. Nada se compara à primeira vez (exceto sexo, que fica melhor com o tempo, claro!).
Eu ainda me lembro de sentir o ar diferente (ou será que era efeito do jet lag? – kkkk), de explorar todas as diferenças em tudo, desde observar se a água realmente girava ralo abaixo na direção contrária lá no hemisfério norte (Mito!!!) até conferir os produtos em farmácias e grocery stores e cheirar folhas de plantas e árvores.

Viajei…

Voltando à Florida: passagens compradas pela TAM.
Primeira dica: se for viajar pela Florida e não só a Orlando, vale a pena pegar vôo até Miami e no próprio aeroporto pegar um carro previamente reservado no Brasil (segunda dica: Miles Car Rental, site de busca de locadoras com preços excelentes), pois o aéreo costuma ser mais em conta. Nos próximos posts detalharei como estou organizando a viagem.

Então, quer ir para a Florida comigo?