Amboise: O Castelo-berço da realeza

1411012022074

Se você conhece um pouquinho da história da Inglaterra e da França, sabe que ela sempre foi entrelaçada e isso fica muito evidente quando se visitam os castelos da região do Loire. Para mim, que li uma coleção de romances sobre os reis da França e da Inglaterra, entrar nesses castelos foi como visitar a casa de um velho conhecido (livros têm esse poder maravilhoso)! E Amboise é muito especial, pois o castelo era tido como o kindergarten,  a educação infantil dos filhos de gerações de reis. E então a gente (eu, pelo menos) viaja! Fiquei imaginando as crianças correndo pelos generosos jardins, brincando, aprendendo sobre as artes da guerra, separadas dos pais e aos cuidados de um educador. Algumas coisas não mudaram muito…

1411013307476

O Castelo Real de Amboise
Centro do poder na Renascença, o castelo de Amboise foi palco de inúmeros eventos políticos, como nascimentos, batizados, casamentos aristocráticos, conspirações e tratados de paz. Não encontrei o porquê da escolha de Amboise para criar os filhos reais, mas visitando alguns outros castelos percebi que este parece oferecer uma proteção maior, pelo ponto estratégico em que foi construído, à beira do rio Loire, mas também pela sua altura e pela limitação de seus jardins – não que sejam pequenos, mas os limites do castelo são muito claros, diferente de outros tantos que já não possuem mais suas muralhas. Mas isso é fruto de minha observação, não sei se faz sentido.

Vale do Loire França

Na Idade Média, a fortificação existente onde hoje se ergue o castelo era disputada entre o Duque de Anjou e o Conde de Blois e em 1214 foi tomada pelo rei francês Felipe Augusto, entre tantas outras disputas (quando você visitar o museu, receberá um panfleto com muitas explicações sobre a história local). Mas as obras para transformar a fortificação em um castelo só começariam mais tarde, quando o rei Carlos VIII decidiu levar a corte francesa para Amboise.

O Gabinete de Luís Felipe
O Gabinete de Luís Felipe

Após várias batalhas para tentar dominar a região de Nápoles na Itália, o rei retorna a Amboise com vários artistas italianos. Isso explica porque há tanta influência italiana nos jardins e na arquitetura francesa!

Ambiose dicas

A Capela St. Hubert e o túmulo de Leonardo da Vinci
Leonardo da Vinci FrançaLeonardo da Vinci chegou a Amboise em 1516, aos 64 anos de idade, já consagrado por sua obra em cidades italianas como Florença, Milão, Veneza, Roma e Bolonha. O rei Françoi I lhe cedeu o Manoir du Cloux, hoje conhecido como Clos Lucé (leia abaixo), além da pensão anual de 700 coroas. A poucos dias de sua morte, em 1519, Leonardo ditou seu testamento, pedindo que fosse enterrado na igreja St Florentin. Em 1810 a construção foi demolida e a ossada de Leonardo da Vinci encontrada em 1863. O local hoje é marcado pelo busto do Mestre. Em 1871, seus ossos foram transferidos para a Capela St. Hubert, que fica nos domínios do castelo de Amboise.

Em 1493, a Capela ficou pronta
Em 1493, a Capela ficou pronta

Os Reis, Grandes Viajantes
Olha o que eu e você, que gostamos de viajar, temos em comum com a realeza! Os reis eram nômades, viajavam em campanhas militares ou para manter seus domínios (sem contar quando partiam em Cruzadas para expiar seus pecados). Carlos VIII, por exemplo, passou mais de 8.000 dias, dos 11.000 de seu reinado (aproximadamente) viajando. Alguma semelhança com alguns presidentes que o Brasil teve em sua história recente?

O quarto de Henrique II
O quarto de Henrique II

Vale do Loire castelos

plan
O mapa de Amboise

Como visitar o Castelo
Não tem como errar! Ele é avistado da estrada às margens do Loire. Você cruza a ponte e pode estacionar à beira do Loire ou nas vagas abaixo das muralhas do castelo, à frente ou atrás (onde há vários restaurantes).

Vale do Loire dicas

Abre o ano todo às 9h, exceto em 25 de dez e 1 de janeiro, quando fecha. O horário de fechamento varia e em algumas épocas fecha para almoço. Confira no site oficial mais detalhes

A Cidade de Amboise
Quando escolhi Amboise para ser a cidade-base de nossa curta exploração do Vale do Rio Loire, levei em consideração principalmente a localização, mas o fato de ser uma cidade pequena também pesou bastante. Esta decisão facilita sua vida no entrar e sair da cidade para visitar os demais castelos da região. Também acho mais charmoso ficar em cidadezinhas do que em uma maior como Tours. Claro que isso levando-se em consideração o fato de eu não ser baladeira e preferir aproveitar os dias, deixando as noites para o descanso merecido do turista cansado.

onde comer Vale do Loire

Amboise o que fazer


Clos Lucé, muito mais de Leonardo da Vinci

A 400 metros do Castelo, Amboise tem  outra atração tão visitada quanto: a antiga morada de Leonardo da Vinci, o Chateau de Clos Lucé. Não se trata apenas de uma mansão com mobília de época, mas de um parque-museu, com desenhos e pinturas e, o mais legal, maquetes das invenções pensadas por esse gênio. Visite o website oficial.

Hospedagem
Como eu contei no post Vale do Loire e seus Castelos, sempre imaginei me hospedar em um chateau no dia em que eu fosse à região, mas diversos motivos me desestimularam: custo, distância, impessoalidade da ambientação, ausência de refeições noturnas (o que geraria um deslocamento até um centro mais próximo ou ter que cacifar jantares no castelo).  E na busca por hospedagem, acabei me encantando com um Bed & Breakfast, nossa primeira experiência de hospedagem em “pousada” fora do Brasil – e adorei!  Como não falo francês, escolhi o Les Fleurons, cujos proprietários são ingleses e estão há anos vivendo na França. Não que seja imprescindível falar a mesma língua que seu host, mas você vai tirar muito mais desse tipo de hospedagem se conseguir se comunicar, pela troca de experiências entre os hóspedes (o café da manhã é servido em uma mesa única, como num almoço de domingo entre família!) e pelas informações dos proprietários.

les floreons lareira-212308
Lareira na sala de estar do B&B
vista do quarto-1233
A vista do nosso quarto: só o castelo!!!

 

Atualização: o blog Mulher Casada Viaja conseguiu uma parceria com o site de busca e reserva de hotéis Booking.com. O site tem fotos, avaliações de hóspedes, é seguro, fácil de navegar (em Português), oferece visualização de suas reservas futuras e passadas e, claro, que sempre usei e nunca tive problemas. Tudo isso me deu segurança para a parceria e para indicar a vocês. Em troca, o Booking oferece uma comissão para cada reserva realizada através de clique aqui no blog. O logo do Booking.com fica à direita (em versão PC) ou no final do blog (na versão smartphone). É uma forma simpática de contribuir com quem se dedica a escrever e compartilhar mais do que dicas, mas sonhos de viagem.

Restaurantes
Fizemos apenas duas refeições em Amboise, ambas na rua da entrada do Castelo, nos restaurantes Via Roma e La Reserve. As mesas na calçada são estilo bistrô parisiente, tão coladas umas nas outras (eu e meu vizinho contamos quatro dedos!) que é um convite a bate papo com outros viajantes. Talvez por causa disso não tenha prestado tanta atenção à comida, entregando-me ao papo com um casal americano distante 4 dedos. O atendimento é rápido para os padrões de cidade pequena. O Inglês não é dominado por todos atendentes, mas tem sempre um na casa que resolve a questão. O café da manhã foi servido no B&B, logicamente, e era bem caprichado. Atenção para o horário das refeições, que é bem restrito!
Uma outra dica é deixar a sobremesa por conta do Bigot, que fica na rua do castelo e aparece em uma das fotos acima.

Refeição com vista para o castelo
Refeição com vista para o castelo

Veja mais sobre o B&B e meu roteiro pelo Vale do Loire neste post.

 

Anúncios