Curitiba: quando mulheres visitam uma mesquita

Igrejas católicas, sinagogas, mesquistas, sempre que viajo procuro conhecê-las pois são fonte de aprendizado da história e cultura, além do encantamento produzido pela arquitetura e detalhes em vidro, cerâmica, madeira, gesso ou mármore. Neste post conto não apenas sobre a visita à Mesquita de Curitiba, mas sobre a reação das mulheres que o visitaram.

Estava fotografando a fachada da mesquita, tentando enquadrar suas altas torres e fazendo cara feia para os fios elétricos quando percebi a movimentação do grupo entrando no templo, o que foi uma surpresa, pois não era dia de visitas. Antes de entrar, todos retiraram seus sapatos. As mulheres foram convidadas a vestir uma espécie de manto, emprestada para que seguíssemos os costumes muçulmanos, afinal, “quando em Roma, faça como os romanos”.

Para escrever este post, descobri que a mesquita recebeu o nome do genro de Maomé, Ali Ibn Abi Talib, razão de os muçulmanos se dividirem em dois grupos, os xiitas e os sunitas. A mesquita foi construída em apenas 2 anos, sendo inaugurada em 1972. Além da sala de orações, onde ficamos, há escritórios, biblioteca e anfiteatro. Segue todas as características das mesquitas ao redor do mundo: cúpula abobadada cobrindo a sala de orações, azulejos com arabescos e escritos árabes, orientação das orações voltadas para meca – e espaço reservado para mulheres, separado por um biombo.

Mas como não faríamos orações, sentamos todos juntos em roda sobre os tapetes persas. Sobre nós o teto abobadado e arcos com arabescos e escrita ininteligível para meu cérebro leitor unicamente do alfabeto romano. O altar de madeira, mais parecido com um púlpito, também trazia inscrições e atrás dele um painel retangular ricamente decorado com azulejos parecia uma obra de arte exposta num museu.

Na parede onde começa a abóbada, frases do Alcorão nas duas línguas:

mesquita Curitiba

Tá, mas e as mulheres?

Tudo ia bem, o professor de teologia nos explicava que a mesquita fazia um trabalho educativo para que a religião muçulmana fosse conhecida, compreendida e desvinculada do terrorismo. Trabalho difícil, na minha opinião, lutar contra as forças da mídia. Quando ele fez uma pausa ou ao final de seu discurso, não me lembro ao certo, perguntei se esse trabalho gerava conversões ao Islã. Ele afirmou que muitas, uma porcentagem alta que não vou repetir aqui com receio de ser inexata. Mas aí fiquei muito inquieta e perguntei meio sem jeito:

‘dentre estas pessoas, há mulheres que se convertem ao Islã?’.

A pergunta estava incompleta, mas ele compreendeu o que insinuei – talvez até pelo meu desconforto visível em fazer a pergunta dentro de uma mesquita. Sua resposta foi surpreendente:

é natural que muitas mulheres queiram se converter. Na cultura islâmica elas são respeitadas, guardadas apenas para aqueles que as amam. (…) em nossa sociedade as mulheres estão sendo violentadas, estupradas (…) o Islã é uma forma de proteger a mulher, cobrindo-a, guardando-a.

Foi então que uma colega ainda mais incomodada do que eu, não resistiu e disse:

“mas o problema não é a mulher se mostrar, o problema é o homem não saber controlar seus instintos”.

Bem, eu pensei que seríamos expulsos dali naquele minuto. O guia que nos acompanhava agradeceu a oportunidade da visita e deixamos a mesquita de Curitiba. Isso foi há 4 meses, não tenho a transcrição exata da conversa, mas a essência é esta.

Sempre achei difícil aceitar as desigualdades entre sexo impostas aqui e de forma ainda mais acentuada em outras culturas. Não acho que tenha havido desrespeito em nossas perguntas ou afirmações, mas na minha opinião foi uma saia justa – e véu.

Como visitar a Mesquita Imam Ali IbnAbi Talib de Curitiba

A mesquita de Curitiba é aberta ao público aos domingos, das 10h30 às 13h30. Grupos precisam de agendamento prévio, e a visita é monitorada e conta com uma palestra de 1 hora. Fica na Rua Kellers, 383, Centro.

Leia os demais posts de Curitiba aqui no Mulher Casada Viaja

Este post faz parte da blogagem coletiva do Pequenos Grandes Viajantes, um grupo de blogueiros que a cada mês escreve sobre um mesmo tema. Em março foi templos religiosos, confira seus posts:

  • Destinos por onde andei…Igreja São José em Belo Horizonte
  • Ligado em Viagem5 Igrejas com fachadas de azulejos azuis na cidade de Porto em Portugal
  • Itinerário de ViagemTemplos Religiosos que nos surpreenderam
  • A Casa na MalaA majestosa catedral gótica da Antuérpia e as obras do mestre barroco Rubens
  • 3 Gerações e 1 Mala5 Igrejas para se encantar na Europa
  • Uma Viagem DiferenteIgrejas em Roma para colocar no seu roteiro
  • Uma Senhora Viagem6 Incríveis Igrejas e suas histórias
  • Let’s Fly AwayVisite as torres da Notre Dame de Paris e se encante!
  • Fui Ser ViajanteSainte-Chapelle: a igreja mais impressionante de Paris
  • Viaje na WebToshogu Shrine em Nikko: O templo mais bonito que conheci no Japão
  • Qualquer viagem. Eu vou!Catedral da Sé em São Paulo – visita guiada à cripta
  • Viajante ComumIGREJAS DE BRASÍLIA: 3 templos lindíssimos que você tem que conhecer!
  • Embarque40MaisNa Igreja Madre de Deus-Lisboa tudo que reluz é ouro
  • Assine a nossa Newsletter
    Cadastre seu e-mail e receba dicas imperdíveis de viagem!

    21 COMENTÁRIOS

    1. Fiquei felizona quando vi que íamos entrar na mesquita, pois nunca tinha entrado numa antes e, como você disse, tudo ia muito bem até que veio aquela resposta: as mulheres são cobertas para seu próprio bem etc. Affee… saia justíssima – e véu rsrsrs.

    2. Adorei o diálogo, a saia justa e véu, rsrs. Acho que também faria perguntas constrangedoras, ainda bem que eu não estava neste grupo.
      Mas, adoraria ter visitado esta mesquita, porque pude conhecer a de Foz do Iguaçu somente por fora, afinal não era dia de visita.
      Fica para uma oportunidade futura então, muito linda a mesquita. Beijos.

    3. Achei muito interessante o post. O desconforto e perguntas ao guia sobre a conversão ao islamismo é muito comum, mas imagino a cena e a saia justa na hora dos questionamentos…

    4. Sua pergunta foi super pertinente.
      Kkkkk, imagino a situação mas a explicação dele foi tão surreal e merecia alguma outra colocação ! Muito interessante essa. Já visitei uma mas em alguns ambientes não pudemos entrar, só olhar de fora.
      beijocas

    5. Você matou uma curiosidade que eu tinha. EM 2017 fui a feira que tem em Curitiba no domingo e ela estava aberta. Como pegamos chuva, não me animei a colocar o véu sobre a roupa úmida, mas ficou aquele pensamento de como era o lugar por dentro.

    6. Também adoro visitar templos pra conhecer a cultura de um povo (com a qual nem sempre estamos de acordo hehehe), não importa a religião. Bonita mesquita, com cores fortes.

    7. Rs.. adorei a “saia justa”. Claro que devemos respeitar todas as religiões, mas não podemos esquecer que muito do retrocesso que vivemos hoje, em relação à discriminação contra a mulher, por exemplo, está relacionado ao fundamentalismo religioso. Bjs

    8. Não fazia ideia que a mesquita era tão antiga e esses fios não me incomodaram. Achei que deu um ar real e urbano. Gostei dos questionamentos e da inquietude das visitantes. 🙂

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui