Funes? Nas Montanhas Dolomitas!

Eu nunca tinha ouvido falar no vale de Funes, nas Montanhas Dolomitas, cujo cartão postal e incansavelmente instagramável igrejinha San Giovanni contribuiu para que Funes entrasse no roteiro de muita gente pelas belíssimas Montanhas Dolomitas. Saiba aqui como chegar, onde comer e outras dicas práticas, mas principalmente, inspire-se no meu relato. E vá, o melhor adjetivo para definir as Dolomitas é divino.

atualizado em Novembro/19

Funes Montanhas Dolomitas

Funes: um sonho realizado

Esse sonho não é meu, tomei emprestado! Durante o planejamento de minha primeira (claro que tive que voltar e espero poder voltar quantas vezes puder) viagem às Dolomitas, em 2016, li vários posts, a maioria em Inglês, pois os blogs brasileiros que encontrei a respeito, além de escassos, traziam poucas informações práticas. Entretanto, de um deles eu gostei por causa da história: a viajante havia visto uma imagem das Dolomitas no Google, mas não sabia onde ficava especificamente aquela igrejinha no vale verde emoldurado por picos de agulha esbranquiçados pela neve. Até que um dia seu marido traz a informação de que se tratava de Funes, onde eles registram a própria foto no mesmo ponto da imagem típica de calendário. Se você quiser, leia o roteiro e o relato deles no blog Felipe o Pequeno Viajante.  

Funes no meu roteiro

E Funes entrou na minha rota, também, e gulosa que sou, quis passar a noite aos pés daquelas montanhas, na pousada Sass Rigais, com a vista da foto que abre este post.

Como tomei o sonho emprestado, achei que o céu azul viesse junto, sqn! Funes foi a parada final de nosso segundo dia nas Dolomitas, quando dirigimos desde o Lago Misurina sob chuva e frio de final de primavera. Frustrante, pois não conseguimos fazer muitas paradas por causa da chuva e deixamos de subir por teleférico a alguns picos com vistas espetaculares em dias claros. 

Esperando a chuva melhorar pra sair do carro, em frente à pousada

Apesar da curta distância entre Lago Misurina e Funes – cerca de 130 km com alguns desvios, uns voluntários, outros nem tanto (sim, erramos algumas entradas e nos perdemos feio), o cansaço por dirigir em estradas sempre sinuosas e estreitas e a chuva constante geraram uma tensão que só acabou quando deitei na cama e dormi.

No dia seguinte, como criança que espera o dia do aniversário pra abrir o presente, puxei a cortina do quarto e vi o céu azul. Agarrei a câmera, saí pelo corredor de meias e abri uma janelinha. Um pouco de luz brilhou não só sobre as montanhas, mas em mim. Que privilégio ter esta como a primeira visão do dia! Fiz a foto dos meus pés com as montanhas ao fundo (adoro selfeet!), peguei umas frutas secas e fui passear no meu parque de diversões.

Funes Montanhas Dolomitas
Pension Sass Rigais, as montanhas no quintal da pousada

As trilhas estão praticamente no quintal da pousada, mas como há muitos pinheiros, quase não se veem as montanhas. São bem sinalizadas e cuidadas e têm canaletas de madeira para escoamento da água, evitando erosão. Fiz apenas o trecho dentro da floresta, pois não haveria tempo para mais nada.

Mesmo curto, o passeio foi prazeroso. A luz do sol evaporava a umidade deixada pelo dia anterior e dava pra ver a fumacinha saindo dos gramados e cercas. O frio da manhã deixou meus dedos quae congelados, e depois disso aprendi a sempre andar com um par de luvas no Alpes, mesmo no verão.

Os trilheiros e bikers só começaram a chegar quando eu voltava para a pousada para o café da manhã. Depois disso, posamos para uma foto e seguimos para Alpe di Siusi, um lugar tão lindo que parece o paraíso na Terra.

Funes Montanhas Dolomitas
Quintal da Pension Sass Rigais

Leia sobre este segundo dia nas Dolomitas em roteiro de 3 dias nas Dolomitas e sobre o primeiro em Cortina d’Ampezzo num bate volta de Veneza. Outros posts sobre esta viagem têm os links no final desta publicação.

Funes Montanhas Dolomitas

O que fazer no Vale de Funes

Fotografar a igreja San Giovanni, em Santa Madalena

Quem tem pouco tempo, acaba apenas avistando e fotografando a Igrejinha San Giovanni a Ranui, em Santa Madalena. Cosntruída em estilo barroco em 1744, tem em seu interior (que não consegui visitar em nenhuma das vezes) pinturas do século 18, mas é seu exterior que atrai as pequenas multidões.

Funes Montanhas Dolomitas igreja

Em 2016, era possível se aproximar dela, não havia cercas (quer dizer, havia, mas era um convite a pular) ou cobrança de taxa que hoje é feita a 4 euros.

igrejinha nas Dolomtias

Por outro lado, na nossa visita de 2019 havia uma plataforma para que as pessoas pudessem fotografar um dos pontos mais registrados das Dolomitas.

seguir os passos da blogueira que vos fala, vale a pena!

Depois de fotografar a igreja, suba a ladeirinha à direita, do outro lado da rua (veja mapa abaixo), e vá tomar uma cerveja ou matar sua fome na Zanser Schwaigede, cabana-restaurante vizinha da pousada Sass Rigais. Como fica dentro da área do parque, dependendo da época do ano e do horário haverá cobrança do estacionamento, de 5 euros.

fazer trilhas a pé ou em bike

Para quem vai passar a noite na região e tem tempo e disposição, pode fazer uma das trilhas mais bonitas das Dolomitas, a Adolf Munkel. Numerada 6, 35 e 28, trata-se de uma trilha circular de dificuldade intermediária, com 9 km. Para mais detalhes, leia o ótimo site Outdoor Active. Mas é claro que há trilhas mais curtas, de 50 minutos, como comprova a foto abaixo:

trilhas nas Dolomitas

Como Chegar a Funes, nas Dolomitas

O Vale de Funes ou Villnöss tem apenas 80 quilômetros quadrados e é formado por vilarejos alpinos: San Pietro, Tiso, San Valentino, San Giacomo, Santa Madalena e Colle. E se você estiver achando o local a cara da Áustria ou da Suíça, há um motivo: além de ficar nos Alpes, a região conhecida como Sul do Tirol não pertencia à Itália até o final da Primeira Guerra Mundial e lá se fala, além do italiano, alemão e ladino.

A cidade grande mais próxima é Bolzano, servida por trem da Trenitalia.

O ideal é alugar um carro para chegar a Funes e rodar pelas Montanhas Dolomitas. Confira os preços e condições da RentCars.

A autoestrada 22 é o modo mais rápido de chegar a Funes, mas se você tiver tempo, use as estradas secundárias, de iniciais SS, pois só assim terá a ideia do que é dirigir em paisagens estonteantes. No final deste post tem link para o artigo que escrevi com dicas para dirigir na Itália.

Caso viaje de transporte público, confira o mapa da rede de transporte coletivo que serve a região, caso voce esteja sem carro:

val-di-funes

Onde Ficar para conhecer o Vale de Funes

Em 2016 viajei com uma amiga e ficamos na Pension Sass Rigais, nos limites do Parco Naturale Puez Odle, local protegido pela Unesco, numa rua sem saída, porque é o mais perto que se consegue chegar das montanhas Odle/Geisler, cujo pico mais alto é o Sass Rigais, com 3.025 metros de altitude.

A pousada era administrada por um casal e seus dois filhos pequenos. Achei tudo muito limpo e organizado, principalmente os banheiros, que davam a impressão que eu estava dormindo na casa da vó: tapetinhos artesanais, cortina floral na janela, vasinho na pia… O quarto era simples, com um lavatório apenas, então usamos um dos 4 banheiros compartilhados no corredor. Sair do banheiro vestindo pijamas pra ir dormir também deu a impressão de estar na casa da avó do século 20.

O café da manhã e o jantar estavam inclusos em nossa estadia e era típico italiano: uma entrada composta por salada e 2 pedaços de pizza, uma carne com ares gourmet (não aguentei comer, muita comida!) e uma sobremesa.

O aquecedor central estava desligado e descobrir o motivo foi uma aventura, pois fora a proprietária que falava inglês, os demais só falavam alemão. Bem, era primavera, não se ligam aquecedores, mas o edredom era tão quente e o isolamento térmico tão bem feito que não sentimos frio. O café da manhã era bem servido e duas coisas me chamaram à atenção no restaurante: o fato de terem orquídeas nas janelas e cortinas – eles se cansam da vista?

Em 2019, quando voltei às Dolomitas com meu marido, soube que a pousada havia fechado, que pena para eles e para nós. Nesta viagem de 2019 visitamos o Vale de Funes no final de uma tarde, apenas, pois montamos base em Ortisei, uma graça de cidade, com restaurantes e comércio e fácil acesso a Alpe di Siusi, uma experiência bem diferente, mas igualmente prazerosa. Ficamos no B&B Villa Angelino, maravilhoso! Mas tem várias sugestões de hospedagem em Ortisei.

Se preferir ficar no Vale de Funes, confira as pousadas e apartamentos no Vale de Funes no site que uso para fazer minhas reservas, o Booking.com.

Esta viagem a Funes e às Montanhas Dolomitas teve mudanças de data e de objetivo e um dia espero conseguir cumprir a ideia original: ficar 10 dias só na região, sem carro, usando transporte público e os meios de elevação, dormir em refúgios, quartos compartilhados. Pois a sensação é que vi apenas o trailer de um filme longo e impactante.

Mais sobre as Montanhas Dolomitas

29 COMENTÁRIOS

  1. Nossa, Marcia!!! Amei o seu post!!!! Demais mesmo!!! Posso pegar seu sonho emprestado também? Rsss!!!! Parabéns!!!! 😍

  2. Olá Marcia, parabéns pelo seu blog, adoreiiiii, não consigo parar de ler!!! Por coincidência descobri Dolomitas pela história dessa mesma viajante e fiquei encantada.
    Estou planejando ir para Itália em set/18, vou eu, meu esposo, meus filhos de 4 e 10 anos e minha irmã, queria algumas dicas, será que poderia me ajudar?
    Minhas dúvidas:
    – qual a melhor sequencia você acha para conhecer: Roma, Toscana, Veneza, Dolomitas e depois Londres.
    – eu pensei nessa sequencia acima, mas tenho dúvidas em relação ao transporte, de Roma para Toscana é melhor pegar trem até Florença e lá alugar um carro?
    – e de Florença até Veneza é melhor ir de trem também e lá alugar novamente um carro para ir para Dolomitas?
    – e para ir de Dolomitas para Londres, preciso voltar para Veneza ou tem alguma outra cidade mais perto que tenha vôo para Londres? Ai, são tantas dúvidas, mas pra começar são essas…rsrsrs. Desde de já muito obrigada!!!

    • que fofa, Mari, obrigada pelo feedback, ganhei o dia!
      1. acho que sua sequência está bem lógica, não mudaria, não
      2. Vocês estarão em 5, acho que vale a pena ficar com o carro direto em vez de pagar as 5 passagens de trem. Não tem jeito, tem que fazer as contas (simule a compra/o aluguel nos sites da Trenitalia, Italo e Rentcars (se gostar do preço, reserve aqui pelo logo deles no blog, que eu recebo uma comissãozinha, ehehe). Considere que provavelmente no aluguel do carro vão te cobrar taxa pela devolução em outra cidade.
      3. não sei qtos dias vc tem pra fazer isso tudo, mas no caminho entre Florença e Veneza dá pra parar em várias cidades lindas. Se não tiver tempo para outras cidades, melhor ir de trem, pq Veneza de carro é bobagem.
      4. Não sei que pontos vc vai fazer nas Dolomitas. Se for só pertinho de Cortina d’Ampezzo, melhor voltar a Veneza, mesmo. Funes, por exemplo, fica na outra ponta das Dolomitas (a Oeste), e aeroporto ali perto só o de Innsbruck, na Áustria, a 100 km, mas precisa ver se há voos para Londres.
      Bom planejamento e volte pra contar sobre a viagem!

  3. Então Marcia, estou no comecinho do planejamento, por enquanto estou pesquisando sobre cada cidade/região para definir quantos dias ficar em cada lugar, mas acredito que ficaremos na Itália uns 15 dias, sei que é pouco tempo para tudo que queremos conhecer, mas é o que temos e não estou querendo deixar nada de fora….rsrsrs.
    Muito obrigada pelas dicas e em breve voltarei com novas dúvidas….rsrsrs, e pode deixar que farei as reservas por aqui!

  4. Oi Marcia, estou indo para Itália em Set18 com meu esposo e estava pesquisando algo fora dos agitados pontos turísticos e achei seu post sobre as Dolamitas, que achado!!!
    Alugamos um carro em Veneza, a ideia é ficar 4 dias hospedados em Cortina d’Ampezzo e se deslocar de carro (bate e volta) nos arredores. Você acha possível?
    Parabéns e muito obrigada por compartilhar seu sonho com a gente! Estou lendo tudo e apaixonada.

    • Oi, Denise, obrigada pelo comentário. Mais uma apaixonada pelas Dolomitas, que bom!
      Não é um absurdo esta região da Itália não ser mais explorada pelos brazucas? Sim, dá pra fazer muitos bate-voltas maravilhosos, e Cortina é uma das cidades com maior infra estrutura.
      Depois volte pra contar como foi. Setembro deve ser lindo lá, talvez já com algumas cores do outono. Abraços e boa viagem!

  5. Olá, Márcia!! Estou A-DO-RAN-DO seu blog!! Farei Dolomitas em 40 dias e já li e reli os seus posts umas 5x =)) Vai servir SUPER de base para o meu roteiro!! Só falta o post de Trento!! Você não chegou a fazê-lo?? Muito obrigada!! Grande abraço e PARABENS por todas as narrações, dicas e jeito leve de escrever !

  6. Marcia, estou rindo pois sua história se repetiu comigo. Ninguém nos contou que o céu azul não vinha junto, e pelo contrário, vinha acompanhado de muita chuva. Infelizmente era nosso último dia por lá e não conseguimos ver a tão desejada paisagem “dos sonhos”. Estou terminando meu relato e postando no meu blog, http://www.travel2beer.com – dá uma olhada depois! Abraços.

    • Não é? Chuva em montanhas atrapalha muito porque fica tudo encoberto, mas mesmo assim, o lugar é lindo! Vou conferir, sim, vi que ja escreveu sore Bolzano.

  7. Olá. Boa tarde. Estou montando meu roteiro na Itália E li seus relatos sobre as dolomitas e como sempre, para montar um roteiro quanto mais eu leio mais perdida eu fico com tantos lugares legais para conhecer 😢, e tô querendo passar 2 dias nessa região.
    Será q tu pode me ajudar?? quero sair de Padua e pensei em ir parando nos lagos da estrada e não parar em Cortina e ir direto pros lagos de bobbiaco e braies, aí dormir em val di Funes, mas vi q tu foi em Alpe di Siusi devo passar lá também? Aí no outro dia vou para Tentro, Verona e Sirmione o q tu acha?

    • Não se preocupe, acontece com todo mundo: quanto mais a gente se informa, mais aprende que tem muita coisa pra ver e fazer. Você parece estar privilegiando os lagos, coisa que eu não fiz, mas é uma questão de escolhas. Eu acho que nos Alpes o melhor a fazer é subir as montanhas, seja pela vista, seja para caminhar perto dos picos, por trilhas fáceis e acessíveis. Não dá pra fazer Pádua-lagos-Funes e Siusi no mesmo dia, você terá que fazer escolhas. Acho que já percebeu que amei Alpe di Siusi.
      Vou pra lá de novo em junho e ficarei em Ortisei e Cortina, 2 noites cada. Aprendi que Ortisei é estratégico porque posso pegar o cable car para Alpe di Siusi e para Seceda. Se o dia estiver de sol, passo por Funes a caminho de Cortina.
      Trento, Verona e Sirmione também é loucura em 1 dia, você não vai curtir nenhum dos lugares.
      Não sei que tipo de turismo você gosta de fazer, mas eu já viajei conhecendo muita coisa num mesmo dia e achei frustrante. Talvez não seja pra você…
      Boas escolhas!

  8. Oi Márcia, tudo bem? Adoro ler sobre as Dolomitas no seu blog. Estou indo lá em abril. Será que você sabe me dizer se existe lugar para estacionar carros nas igrejinhas de Santa Magdalena e também na igrejinha de San Giovanni in Ranui? É sempre bom pesquisar sobre esses detalhes. Já me aconteceu de chegar num destino lindo e não conseguir estacionar. Obrigada se puder me ajudar. Beijo.

    • Oi, Marina, que delícia! Estive lá novamente em junho passado. Tem um bolsão grande, mas mais adiante tem um recuo tipo acostamento onde paramos. E agora tem uma plataforma para pedestres, para fotografar o cartão postal. Em abril deve estar bem tranquilo pra estacionar, não se preocupe.

  9. Que lindo lugar!!! Me apaixonando pela região lendo os seus posts. Funes sem dúvida é um lugar que vale uma parada. Que privilégio poder acordar com as Dolomitas tão pertinho… Você chegou a fazer alguma trilha, mesmo que curtinha?

    • Ali em Funes, só no meio da floresta, coisa de 1 hora e meia, mas um dia eu volto e faço esta que indiquei no post, Lu.

  10. Ah Márcia, vou emprestar seu sonho, pode? Que delícia de post, me senti viajando com vc por essas paisagens lindas de Funes! Relatos detalhados assim são ótimos pra quem está planejando a viagem e tambem para quem está só no sonho 😉

  11. Que lugar lindo, eu já tinha essa região na cabeça depois de almoçar em um restaurante tirolez em Bento Gonçalves, agora vendo estas fotos de Funes me apaixonei por Dolomitas.

  12. Márcia, que lugar incrível este vale de Funes nas Montanhas Dolomitas. Confesso que nunca tinha ouvido falar, mas depois deste post fiquei louca pra conhecer! Obrigada por compartilhar estas dicas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui