Dirigindo na Itália

Sempre viajei com o maridão e deixava a honra de nos guiar por estradas nunca antes percorridas para ele – eu ficava absorvendo a paisagem, fotografando e indicando caminhos. Em minha última viagem à Itália ele não foi e como o carro dá mais liberdade de parar e de chegar a lugares onde trem ou pernas não chegam, alugamos, eu e minha colega de viagem, dois carros diferentes para percorrer a Toscana e a região das Dolomitas. Este post é baseado em minha experiência nessas duas regiões e nem de longe pretende esgotar o assunto “dirigir na Itália”, mas tenho certeza que ajudará quem como eu nunca havia dirigido por lá.

Siena-103
É mais fácil achar clássicos 500 do que Ferraris pelas ruas

Quando alugar um carro na Itália

A Itália é servida por uma extensa malha ferroviária que te leva a quase todas as cidades turísticas, então trens são sempre a primeira opção não apenas por economia, mas porque são confortáveis e rápidos (exceto os regionalle, que param em todas as estações e demoram mais por isso, além de serem mais simples). Carro e cidades “grandes” não combinam, então se você vai a Roma, Milão, Verona ou Florença, por exemplo, caminhando se chega a todas as atrações.

Só alugue um veículo se for fazer um roteiro por trechos onde o trem não chega ou se você quiser ter maior liberdade para parar e fotografar, por exemplo. Algumas sugestões de roteiros italianos onde um carro é essencial:

  • Costa Amalfitana
  • Dolomitas, a linda cadeia de montanhas nos Alpes
  • interior da Toscana, rodando por cidadezinhas como Montepulciano, Montalcino, Pienza, San Gimignano, Volterra, Luca…
Não se preocupe: em dois dias de estrada você certamente verá muitas cenas como esta
Não se preocupe: em dois dias pela Toscana você certamente verá muitas cenas como esta
Num grupo de viagens à Itália, no Facebook, a Cilene Tineli compartilhou uma dica quente: para ir a ilhas, como Elba ou Sicilia, algumas companhias de aluguel não permitem o ingresso no Ferryboat e ela conseguiu com uma local, a Sicilycar, com agência no aeroporto Fiumicino, em Roma. Vale então observar as cláusulas de letras miúdas para não ter erro.

ZTL – Zona de Tráfego Limitado

Trento-52
ZTL em Trento

A maior parte das cidades históricas europeias tem ZTL (zona de tráfego limitado) e na Itália os moradores, taxistas e outros autorizados têm instalado em seus veículos um transponder. Seu carro alugado não terá e se você circular pelas áreas não permitidas será multado. Se precisar circular pela ZTL, antecipadamente entre em contato com locadora ou o estacionamento onde pretende deixar seu veículo para obter a permissão, mas não sei como isso funciona e imagino que seja burocrático, afinal estamos na Itália.

Minha dica é: não se aproxime da ZTL, pure and simple. O problema é que ao ver a placa muitas vezes é tarde demais, pois quase sempre não há como retornar ou travessas para fugir e você simplesmente passeia pelo centro histórico sabendo que vai ganhar uma multa de suvenir.

Que carro alugar na Itália

Considere que, com exceção das autoestradas, as estradas são de mão dupla, estreitas e sem acostamento e que se você tiver permissão para entrar no centro histórico das cidades medievais as ruas são ainda mais estreitas. Então o melhor é alugar um carro pequeno, certo? Mas carro pequeno tem porta malas pequeno, então pense na possibilidade de deixar sua mala grande no guarda volumes de uma estação de trem, por exemplo, e levar consigo numa bolsa pequena o que for utilizar nos dias em que estiver com o carro. Montar um roteiro que intercale dias com carro e dias sem carro é uma boa para descansar da tensão e responsabilidade de estar dirigindo em um outro país. Leia o roteiro desta viagem à Itália que inclui Milão, Veneza, Trento, Verona, região Toscana e Dolomitas, quando fiz isso.

Ah, a maioria dos carros são de transmissão manual. Outra coisa: apresentei minha carteira de habilitação brasileira em ambas as lojas da Europcar, mas li que é preciso ter Habilitação Internacional, que pode ser expedida pelo Detram de seu estado.

lambreta italiana
Que tal alugar uma lambreta?

As locadoras tradicionais, como Hertz, Avis, Budget, estão nas principais cidades, mas alugamos na Europcar em dois momentos distintos. Na Toscana, retiramos e devolvemos o veículo na loja de Siena, fora do centro histórico. O serviço foi rápido, mas o carro que reservamos (Fiat 500) não estava disponível, então nos ofereceram um Smart for 4, que tem um porta malas ridículo. Rejeitado, outra opção dentro da categoria era o Fiat Panda, nosso Uno. Nas subidas eu tive que desligar o ar condicionado para  ganhar potência, no mais foi tudo bem.

Para percorrer as Dolomitas retiramos na loja de Veneza e devolvemos na loja de Trento um Fiat 500 L. O porta malas acomodou bem nossas 2 malas M e 2 de bordo e ainda sobrou espaço. Os bancos traseiros são bipartidos e retráteis. Mulher sempre sente falta de porta trecos e nisso o carrinho ficou devendo: eram 2 celulares, câmera e tablet para deixar à mão e tivemos que deixar alguns no colo. O motor aguentou bem as subidas e o carrinho é bem confortável.
o Fiat 500 l

Faça a cotação do seu carrinho, italiano ou não, com a Rentcars.com, site buscador que entrega as melhores ofertas das grandes locadoras de diversos países. Na Europa, a campeã é a Europcar, mesmo.  E se você reservar usando o link acima ou ao clicar no logo presente aqui no blog, eu recebo uma pequena comissão, che cosa buona!
Nao vai pagar minhas viagens, mas ajuda a pagar a manutenção do blog no ar, para todos continuarem a receber as dicas legais do Mulher Casada Viaja. Grazie Mille.

Quanto custa alugar carro na Itália

Além das diferenças de preço entre as locadoras, os valores variam de acordo com a categoria do veículo e impostos de 22% incidem sobre o valor total da locação. Um Fiat Panda por dois dias retirando e devolvendo em Siena custou € 116,57 com quilometragem livre e devolvendo o carro com tanque cheio, sem contratação de seguro contra terceiros (eu sei, é um risco, mas gosto de viver perigosamente) ou de danos pessoais (que não contratei pois já estava coberta pelo seguro viagem da Mondial Assistance, que sempre contrato). Nas Dolomitas, três dias com o Fiat  500 L (que não temos no Brasil, ainda), taxa de €100 cobrada pela devolução do veículo em outra cidade e sem contratação de todos os seguros oferecidos, apenas o básico, com quilometragem livre e tanque devolvido cheio, saiu por €252,00 já com o imposto de 22%. Preços de junho de 2016. Veja os atuais aqui.

carro em Veneza
As locadoras próximas à Piazza Roma, em Veneza

Pedágio na Itália

As estradas regionais (SR) ou estaduais (SP) não têm pedágio, que é cobrado nas autoestradas. Na praça de pedágio, haverá placas para quem tem o sistema de cobrança automático (Telepass) e para quem não tem.  Então vá a uma dessas cabines indicadas por “biglietto”, aperte o botão e retire seu bilhete. Quando você sair da rodovia haverá uma nova praça de pedágio e então você entregará esse bilhete que retirou no primeiro pedágio ao funcionário e pagará em dinheiro. Isso significa que você paga por quilometragem rodada, multo giusto! Por isso não o perca, de jeito nenhum, ou você terá que pagar a quantia total, como se tivesse percorrido toda o percurso da estrada.

Combustível na Itália

Eu só abasteci os carros antes da devolução e tanto em Siena como em Trento os postos tinham atendentes. Mas eu tinha lido que os postos eram de auto atendimento, talvez os das autoestradas? Talvez porque esses postos estavam perto de locadoras e consequentemente atenderiam turistas? Non lo so…

Quer saber quanto gastará em combustível e pedágios? Entre no site Via Michelin, insira os pontos de partida e de chegada e pronto!

combustível na Itália
Posto de combustível em Trento

Sinalização de Trânsito na Itália

As estradas são bem sinalizadas, muitas vezes até demais! Isso quer dizer que num cruzamento ou rotatória de estradas regionais pode haver mais de 10 indicações de cidades. Você precisa literalmente parar pra ler todas elas na esperança de encontrar seu destino. Isso só foi possível pra mim porque não havia movimento nas estradas, mas imagine na alta temporada! Some a isso o fato de na região das Dolomitas próximo a Bolzano as placas estarem escritas primeiro em alemão e (só sei dizer danke e auf Wiedersehen em alemão) depois em Italiano e tenha a receita para enlouquecer.

placas de trânsito na Itália
Travel East, Travel West, Staying home is never best!

Como você deve ter notado, as placas indicativas de cidades são azuis e verdes. Azuis indicam estradas regionais, que têm limite de velocidade reduzido, mas são mais contemplativas. As placas verdes indicam autoestradas. Assim como no Brasil, as placas marrons indicam pontos de interesse turístico. A placa de pare vem escrita em inglês e é igualzinha à americana.

Algumas placas são bem intuitivas e eu aprendi sem ter lido nada a respeito antes, como as placas de ultrapassagem proibida ou de preferência.

A faixa vermelha sobre o nome da localidade indica seu limite
A faixa vermelha sobre o nome da localidade indica seu limite

Sugiro que você digite “Italian traffic signs” no Bing – não sei porque em português aparecem placas de outros países e no Google também – para um arquivo com imagens de placas. Isso te ajudará a se familiarizar com os sinais e te trará maior confiança para dirigir na Itália. 

GPS e mapas

Li em alguns blogs estrangeiros que o GPS não é muito indicado em regiões rurais, como Toscana e Dolomitas, pois muitos endereços são vagos, como Localitá La Croce, e constatei na prática e na pele que às vezes é fria na certa. Minha amiga baixou o Sygic, um app que funciona como um GPS ffline e por isso ele pode ser muito útil caso você esteja sem conexão com a Internet. Mas tivemos dificuldade para definir que caminho seguir em bifurcações, ou seja, quando mais precisamos dele. O GPS nos mandou para a autoestrada e rodamos um tempão pois não há retorno. Depois desse dia, usamos o Google Maps para conferir se o GPS estava nos indicando o caminho correto. Escuta essa: em outro momento, o GPS nos mandou para uma estradinha estreita, na montanha e sem guardrail que acabou no quintal de uma família!  Não tô brincando, não, dá uma olhada nesta outra estradinha por onde tivemos que passar em um dos caminhos que o GPS nos mandou:

Jura que tenho que ir por ali?
Jura que tenho que ir por ali? É uma estrada, mesmo?

Para as Dolomitas, minha dica mais preciosa é familiarizar-se com os nomes e a localização geográfica das cidades nas duas línguas (italiano e alemão), porque diante de uma bifurcação quando o GPS tiver falhado, isso te ajudará a tomar o rumo correto. Se possível, leve um mapa de papel. Ele é como o vovô: pode parecer ultrapassado, mas sabe das coisas mais importantes e relevantes. A parte boa é que o visual é lindíssimo, e além das montanhas os vales com casinhas alpinas, igrejinhas, vacas pastando te transportam para um calendário daqueles antigos. Se você não sabe ler mapas, procure os endereços por coordenadas de GPS, mais garantido que colocar endereços.

Quanto a dirigir na Toscana, foi bem tranquilo e prazeroso, e só tivemos dificuldade mesmo para encontrar o agriturismo onde nos hospedamos em Montalcino.

Dirigindo no outono ou inverno

Se você vai no final do Outono ou no inverno ou mesmo no início da primavera, leve em consideração que poderá haver neve e gelo na pista, principalmente em altitudes. Correntes nos pneus são obrigatórias neste período em quase toda Itália, com exceção do extremo Sul.  

Dirigindo no verão e na primavera

No final da primavera as estradas estavam bem tranquilas, pois a temporada alta de verão ainda não havia começado. As estradas são obviamente sinuosas tanto na Toscana quanto nas Dolomitas, mas isso deixa a viagem ainda mais contemplativa pois a velocidade precisa ser baixa, 40 ou 50 km por hora. Todas são estreitas e têm pista dupla e não há acostamento ou iluminação, nem mesmo os chamados olhos de gato. Alguns trechos não têm guard rail e a sensação de estar a dedos do barranco é um pouco assustadora, como para subir ao Rifugio Auronzo, por exemplo. Além disso, ônibus também trafegam por ali e as curvas fechadas fazem com que você tenha que parar o carro para que o ônibus invada sua pista – na beira do precipício sem guard rail! Nas Dolomitas há muitos motoqueiros zunindo suas máquinas e vimos até um carro de corrida (não me pergunte que fórmula, que modelo…), enquanto na Toscana o que chama à atenção são os conversíveis. Ciclistas estão presentes em ambas regiões, então fique atento. Não há pedágios nem buracos na pista. Em todas as estradas senti falta de sinalização indicando pontos para fotografia, como há nos Estados Unidos e Canadá, então fique de olho em espacinhos onde dá para parar como o da foto abaixo.

Nosso Fiat 500 L em Val di Funes
Nosso Fiat 500 L aproveitando um “acostamento” em Santa Madalena, Funes

 Mas não se intimide com esta descrição. Se você é um motorista experiente e confiante, não há o que temer. E o prêmio é ter imagens assim:

Prazer dirigir com esse visual!
Prazer dirigir com esse visual!

Ou assim:

A famosa igrejinha do Vale d Orcia, na Toscana. Vejo minhas fotos como um premio de çaca!
A famosa igrejinha do Vale d Orcia, na Toscana. Vejo minhas fotos como um premio de çaca!

Estacionamento na Itália

Minha maior dúvida era em relação às cidades com ZTL: onde poderia estacionar e quanto isso custaria? Em Siena, por exemplo, eu conseguiria um desconto por ter reserva em B&B por lá, mas além da permissão para entrar na ZTL teria de ir a um escritório administrativo longe do estacionamento e depois voltar lá para apresentar o documento e assim ganhar o benefício. Estando de férias, burocracia era a última coisa que queria, então resolvi o problema pegando um taxi para me deslocar do e para o centro, usando o carro apenas nas estradas, já fora do centro histórico.

para imprimir seu tíquete do estacionamento, em Montalcino
Parquímetro em Montepulciano, Toscana

As cidades medievais da Toscana têm bolsões de estacionamento próximos a seus muros. Alguns têm cancela e funcionário, outros são com parquímetros. Nas Dolomitas fora da alta temporada (fim de março a fim de junho e fim de setembro a dezembro) alguns estacionamentos são gratuitos, como em Passo Giau e Rifugio Falzarego. Pagamos em Alpe di Siussi, que tem estacionamento coberto, barato e automatizado (leia post a respeito desse paraíso), mas para subir a estrada até o Rifugio Auronzo foram €18! É pagar ou encarar a trilha, mas vale cada centavo se você está sem tempo ou disposição. Logo logo eu escrevo a respeito dessa parte das Dolomitas.

Rifugio Auronzo
Não é pedágio, é a entrada para ter acesso ao Rifugio Auronzo

Em Trento chegamos em um domingo e estacionamos a dois quarteirões do Duomo, ainda fora da ZTL, precisando retirá-lo na segunda-feira depois das 9h ou começar a pagar. Em uma das entradas da cidade, um painel eletrônico indicava o número de vagas livres nos estacionamentos, como mostra a foto às margens do rio Ádige.dirigir na Itália

Ah, os carros alugados vêm com um reloginho de papelão na parte interna do parabrisa para marcar o período de estacionamento, como se fosse uma zona azul. Você paga no parquímetro e exibe o tíquete no painel do carro.

Evite deixar  objetos à vista no carro estacionado. Às vezes não tem jeito pois estamos de passagem e precisamos deixar as malas com todos os pertences no porta malas. Carregue eletrônicos em sua bolsa ou mochila pessoal, vai que…

Super dica: Este site indica localização e preços de estacionamentos na Itália e em outras partes do mundo.

E você, já dirigiu pela Itália? Tem alguma dica para compartilhar? Deixe aí nos comentário que os leitores agradecem e eu também!

Leia todos os posts sobre a Itália aqui.

 

 

Anúncios

26 comentários sobre “Dirigindo na Itália

  1. Miriam Simões 30 de junho de 2016 / 11:21

    Gostei muito do texto e das fotos, descreveu com exatidão o que vivenciamos.
    De sua colega de viagem.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Lulu Freitas 25 de agosto de 2017 / 10:30

    Quando fui na Itália fiz tudo de trem. Adore esse post tão completo. Está nos planos voltar e me “perder” pela Toscana. Parabéns!

    Curtir

    • Marcia 25 de agosto de 2017 / 21:51

      Também fiz de trem algumas partes desta e de outra viagem pela Itália, mas recomendo Toscana de carro é outra coisa!

      Curtir

  3. bstorquato 25 de agosto de 2017 / 10:30

    Excelente post Marcia! Realmente um carro nos da uma liberdade incomparável. Sou viciado em road trips e acho que é uma das melhores maneiras de viajar.

    Curtir

    • Marcia 25 de agosto de 2017 / 21:50

      Obrigada! Gosto de tudo: carro, trem, barco. Só não curto cruzeiro.

      Curtir

  4. Amanda Saviano 25 de agosto de 2017 / 10:40

    Alugar carro na Italia facilita muito mesmo! Já fiz algumas cidades assim e a liberdade é otima! Parabens pelo post!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Ruthia 25 de agosto de 2017 / 12:17

    Que grande aventura. Um dia quero conduzir um clássico Fiat 500. Parecem porta-chaves, são tão fofos. E a lambreta, tentou?
    Acho que na Europa a maioria dos postos de combustível são de auto-atendimento e os carros são quase todos de caixa manual. Não conheço ninguém que tenha um automático em Portugal, e mesmo os amigos em Espanha, Reino Unido e Suíça…

    Curtir

    • Marcia 25 de agosto de 2017 / 21:46

      Em Florença tem passeios de Fiat 500 antigo, sabia? Mal ando de bicicleta, imagine lambreta, mas adoraria! Verdade, tudo câmbio manual na Europa.

      Curtir

  6. Viajante Comum 25 de agosto de 2017 / 19:50

    Poxa, Márcia! Você me inspirou! Sempre seguia aquele padrão que você falou quando viaja com seu esposo mas agora estou com vontade de experimentar!! Adorei todas as dicas!

    Curtir

  7. Diego Cabraitz Arena 26 de agosto de 2017 / 10:09

    Acho que a melhor parte das estradas é se deparar com essas paisagens incríveis que não vemos de avião. Quando fui para a Italia fiz todos os deslocamentos de trem, carro pode ser uma boa opção para algum bate volta na próxima.

    Curtir

    • Marcia 26 de agosto de 2017 / 19:12

      Em alguns pontos a gente não chega nem de trem, principalmente nestas duas regiões, Toscana e Dolomitas, então o carro é a melhor opção – e não só para bate-voltas.

      Curtir

  8. cleberyamamoto 27 de agosto de 2017 / 13:01

    Carambaaaaaaa… que post incrível! Me senti dirigindo na Itália, tem muitos e muitos detalhes. A leitura me prendeu do início ao fim. Simplesmente emocionante. As paisagens são lindas, realmente cada lugar incrível, apesar de passar por alguns perrengues como a estradinha estreita rsrsrs. Obrigado por compartilhar, sensacional!

    Curtir

    • Marcia 27 de agosto de 2017 / 23:19

      Cleber, o leitor que todo blogueiro procura! kkkk Muito obrigada pelo feedback 😊

      Curtir

  9. Simone Hara 29 de agosto de 2017 / 1:57

    Confesso que ainda não tive essa experiência d dirigir nas cidades européias. suas dicas vão ser bem úteis numa viagem futura!

    Curtir

    • Marcia 29 de agosto de 2017 / 18:54

      Não é tão fácil quanto dirigir nos Estados Unidos, por causa das ZTL, mas é tão bom quanto! abraços

      Curtir

  10. Edson Jr 2 de setembro de 2017 / 9:30

    Nós fizemos um roteiro de 3 semanas de carro na Italia de Roma para cima, muito doido dirigir por lá, né? 😛 O pessoal corre muito, demais. Mas as estradas sao lindas.

    Curtido por 1 pessoa

    • Marcia 2 de setembro de 2017 / 10:41

      Oi, Edson, quase não dirigi pelas auto estradas, que é onde o povo senta o pé no acerador, mas acho que no Norte é mais tranquilo do que ao redor dd Roma.

      Curtido por 1 pessoa

  11. Andrea 3 de setembro de 2017 / 11:11

    Bom dia! Amei seu post ❤️Vamos em dezembro! Vc sabe se ainda é obrigatório ter a Carteira internacional de habilitação? Grazie 😘

    Curtir

      • Andrea 3 de setembro de 2017 / 16:51

        Super obrigada Marcia! Então, chegaremos dia 02/12 em Londres, 05/12 Paris e 09/12 Milão, de trem vindo de Paris. Ficaremos 1 noite em Milao, trem para Veneza, 2 noites em Veneza, e pegaremos o carro. Depois 2 noites em Verona, 4 em Florenca, 1 em Perugia, 1 em Pompeia, devolveremos o carro em Roma, 5 noites em Roma. Vamos ficar na Itália do dia 09/12 a 25/12. Casal e 2 crianças (11e14anos). Já li seu blog inteiro 😍 Adorei!!!! Muitas dicas excelentes!!!!

        Curtir

        • Marcia 3 de setembro de 2017 / 19:45

          O que dizer além de “Me leva!” ótimo roteiro, aproveitem.

          Curtir

        • Andrea 3 de setembro de 2017 / 20:45

          😍

          Curtir

Vamos trocar figurinhas! Deixe seu comentário ou dúvida:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s