O que fazer em Zurique em 2 dias ou mais

o que fazer em Zurique em 2 dias

Maior cidade da Suíça, não me demorei muito em Zurique pois fui ao país em busca de montanhas, lagos e trilhas, mas deixo aqui dicas de o que fazer em Zurique em 2 dias ou mais, na cidade ou perto dela – e um monte de informações práticas: como chegar, onde ficar, como economizar…

Zurique foi a primeira cidade que conheci na Suíça, e também a primeira que visitei na Europa na companhia de mim mesma apenas. É muito fácil eu me apaixonar por cidades, mas Zurique não conquistou meu coração, foi mais um one night stand (ou 2 ehehe) do que um amor. Mas sinto que até o final deste post eu estarei com saudades de Zurique, ao revisitá-la.

Sobre Zurique

Muita gente pensa que Zurique é a capital da Suíça, mas é apenas a capital financeira e a mais populosa do país do chocolate, com 400 mil habitantes, menos do que os municípios de Santos ou Niterói. E olha que interessante: 30% da população é feita de estrangeiros. Adivinha se não tem muitos brasileiros vivendo ali!

Além da cidade, Zurique nomeia também o cantão onde se localiza. Cantão seria algo similar aos nossos estados, muito simplificadamente.

O blog é gratuito, mas assim como free walking tours de Zurique, você pode colaborar ao fazer reservas de carro, hospedagem, comprar ingressos, tours, seu seguro viagem e chip internacional através dos links para nossos parceiros, pois é assim que um blog (não o blogueiro) sobrevive e continua levando informação gratuita e de qualidade a seus leitores. Encontre os links ao final do post.

Como chegar a Zurique

Partindo do Brasil, a Swiss tem voos diretos para Zurique e demais companhias fazem escala em seus respectivos hubs: Tap em Lisboa, KLM em Amsterdã, AirFrance em Paris, etc. Eu já estava na Europa, então comprei um voo da Alitalia, com duração de 1h35 a partir de Roma FCO, e paguei R$455 com bagagem (só ida).

Estando na Europa Central, em um país fronteiriço, como Alemanha, França, Áustria ou norte da Itália, há opções mais econômicas e é possível chegar de ônibus (Flixbus) ou pelos trens da excelente SBB.

Como chegar ao centro de Zurique a partir do aeroporto

Estava tão ansiosa pra começar minha viagem pela Suíça que nem curti o aeroporto de Zurique, e segui as placas indicando a estação de trem, no andar inferior do aeroporto, a Zürich Flughafen. Metida, fui direto para as máquinas de autoatendimento, selecionei o idioma inglês e comprei o bilhete (CHF6,80) até a estação central (Zürich HB) que partiria dali a 10 minutos. Mas se você preferir, há guichês com pessoas reais vendendo bilhetes. Em toda Suíça, não vi necessidade de comprar bilhetes na primeira classe, e apenas no extremo Sul, fronteira com Itália, os trens estavam cheios, o que justificaria a primeira classe para garantir assentos. Sim, entre Lugano e Como o trem parecia um trem urbano brasileiro, lotado!

interior do trem que liga o aeroporto ao centro de Zurique

Se você já tiver comprado o Swiss Travel Pass, não precisará pagar ou validar o bilhete, basta apresentar o passe impresso ou no smartphone e seu passaporte ao fiscal, mas na minha viagem ninguém passou conferindo. Só usei o Swiss Travel Pass no dia seguinte, porque no primeiro dia fiquei em Zurique, e o custo do aeroporto ao centro não valeria a pena ‘queimar’ um dia do passe, que é bem carinho (CHF 418, o de 8 dias). Combinei com o Tell Pass, o passe da Suíça Central que cobre transporte e atrações de Lucerna e região.

A viagem do aeroporto ao centro dura 12 minutos e o que mais me impressionou foi o silêncio e a estabilidade, mal parecia que eu estava num trem, não se ouvia nada.

Se preferir chegar de taxi, custa cerca de CHF 65 em estimados 15 minutos. Na Europa é costume se cobrar em torno de 5 euros por mala.

Leia o post Suíça: roteiro de 14 dias no verão para conhecer todas as cidades visitadas na Suíça – e copie!

A estação central de Zurique

Meu trem chegou no nível térreo, que se assemelha a qualquer estação de trem: um galpão com várias plataformas, mas na cabeceira das plataformas há um vão livre ladeado por lojas e restaurantes – e o escritório de informação ao turista, onde eu comprei o Swiss Travel Pass, retirei mapinhas e ainda pedi algumas informações sobre a cidade. É bem fácil encontrar, fica em frente ao Burger King, e os atendentes têm bastante paciência para responder suas perguntas, abrem mapas, rabiscam estações e atrações.

souenirs à venda no Informações ao turista

Somente no dia seguinte, quando peguei o trem para visitar as cataratas do rio Reno, Schaffausen e a lindinha Stein am Rhein é que descobri os andares inferiores da estação, que parece muito com um aeroporto e justifica o título de maior estação de trem da Suíça: corredores repletos de lojas e serviços, escadas rolantes e elevadores para outras plataformas inferiores. Por isso, chegue à estação com tempo hábil para encontrar sua plataforma. Os trens partem sempreeeee no horário, não vacile. Esta é mais uma vantagem de ter o Swiss Travel Pass, pois se perder o trem pode entrar no seguinte sem prejuízo. E baixe o app da SBB, muito prático para comprar bilhetes com desconto antecipadamente e para conferir opções de trens para o mesmo destino.

Utilize os monitores na estação para descobir onde é sua plataforma (assim como localizamos portões de embarque em aeroportos) e depois, já na plataforma, posicione-se na área da classe de seu bilhete, assim você não entra no vagão errado. Em muitas estações a primeira classe é identificada por letras amarelas.

Onde ficar em Zurique

Que bela escolha eu fiz! Estava receosa por não estar tão pertinho do centro histórico ou da estação de trem, mas minha experiência no hotel Saint Georges não poderia ter sido melhor. Localizado a 1 km da estação central de Zurique, preferi caminhar até ele quando cheguei, pra ir sentindo a cidade. As calçadas não foram obstáculo para as rodinhas da mala, todas tinham rebaixo nas esquinas. E mesmo com farol fechado para mim, alguns carros pararam para que eu atravessasse. Ah, Suíça…

Vista do quarto onde fiquei, o Saint Georges

O hotel tem nota 8,2 dada pelos hóspedes, é charmozinho, com janelões para uma pracinha simpática com fonte, onde as crianças se reuniam para brincar e se refrescar. Escolhi o quarto individual com banheiro privativo (há muitos quartos com banheiro compartilhado), confortável e clean: uma cama de solteiro e criado-mudo com abajur, uma mesa e cadeira, estante e um providencial ventilador trazido pela prata da casa, a simpática e prestativa brasileira Gleicie que lá trabalha – mas que espero já tenha conseguido voltar para sua área de formação, porque parece ser uma pessoa boníssima e merece alcançar seus sonhos. Não cheguei a usar a TV, mas o wi-fi funcionou muito bem. Limpeza de quarto e banheiros muito boas. O café da manhã dispensei por causa do custo: CHF14. Nos quarteirões próximos você encontra comércio e restaurantes.

Veja outras opções de hotéis e apartamentos (ótimo para economizar nas refeições) em Zurique. Se você curte hostels, o Rozembergue do Mochilão Barato deu a dica do Oldtown Hostel Otter, também com ótima localização. 

Talvez você resolva incluir outra cidade grande no seu roteiro, então confira as dicas em Porque conhecer Berna, capital da Suíça

Dinheiro e economia em Zurique

A Suíça tem a fama de ser cara, e é, sorry. A moeda local é o franco suíço, mas euros são aceitos no 1X1 ou com cobrança de ágio em alguns restaurantes.

  • O transporte é mesmo caro, e se eu não estivesse viajando sozinha alugar um carro (confira na Rentacars) talvez fosse mais barato do que comprar o Swiss Travel Pass, que custa para 15 dias na segunda classe CHF 513 (=R$+2mil), enquanto um Ford Fiesta para o mesmo período sairia por R$ 3 mil. A vantagem do Swiss Travel Pass é o desconto ou inclusão nos passeios nos picos das montanhas, como o Monte Titlis, que são bem carinhos. Mas para quem fica apenas em Zurique, o melhor é comprar um passe diário e, se estiver num hotel bem localizado, economizar ao caminhar, pois os principais pontos turísticos ficam no entorno da estação central.
  • Para economizar em transporte e passeios, confira as vantagens do Zurich Card, que pode ser comprado com validade de 24h a 72h. Os preços começam em 27 francos para o período de 24 horas. https://www.getyourguide.com.br/zurique-l55/zuerich-card-desconto-em-atracoes-transporte-e-alimentacao-t13219/  colocar o código
  • Leve sua garrafinha para se abastecer de água nas fontes que existem pela cidade. Mesmo no verão mega quente que enfrentei em julho de 2019, a água estava geladíssima. Se precisar comprar água mineral, no Coop 1,5l na Panna (sem refrigeração) sai por CHF1.
fonte moderna na Munsterhof
  • Para as refeições, uma ótima opção é passar num supermercado Coop, que logo na entrada vende pratos quentes (muitos asiáticos), saladas (comi muito Caeser e Caprese CHF6) e sanduíches, além de pães (ai que saudade dos pães!), iogurtes e frutas deliciosos. Leve uma sacolinha ou pague 0,05 por uma. Tem uma loja grande ao lado da estação central, na Bahnhofbrucke.
  • Para você ter uma ideia de custos, um menu Whopper (combo refri+lanche+fritas) do Burger King sai por CHF 15,90
  • Não busquei chocolates finos, mas os Lindt já me encheram de alegria, a CHF3 o tablete (no Coop).

Documentos para Viajar para a Suíça

Não é necessário emitir visto para a Suíça, mas como ela faz parte do Tratado Schengen, é obrigatório ter um seguro de viagem. Confira os planos e opções de seguradoras da Seguros Promo, que oferece desconto aos leitores do blog Mulher Casada Viaja.

Língua falada em Zurique

A Suíça tem 4 línguas oficiais: o Francês, o Alemão, o Italiano e o Romanche, mas na região de Zurique predomina o alemão suíço. Usei em Inglês em restaurantes, pontos turísticos e transportes, sem problemas.

O que fazer em Zurique em 2 dias

Fiquei apenas um dia em Zurique e isso me deu a certeza de que é muito pouco, não deu tempo de visitar museus ou sentir a cidade mais intensamente, mas deixo sugestões de o que fazer em Zurique em 2 dias ou mais:

Centro Histórico de Zurique

O centro histórico de Zurique se espalha pelas ruas próximas ao rio Limmat, entre a estação central e o limite entre o rio e o lago de Zurique. Achei o lado oriental do rio mais interessante pela arquitetura e por ser mais residencial do que o lado ocidental, onde há muito comércio e empresas, embora ganhe em número de pontos turísticos. As casas ao norte da Catedral de Zurique, que hoje abrigam bares, lojas e restaurantes, têm arquitetura marcante e preservada, assim como ruelas estreitas e exclusiva par pedestres, típicas de centros históricos.

o que fazer em Zurique em 2 dias

Grossmünster, a catedral

A catedral de Zurique, assim como a maior parte das igrejas da Suíça, é bem simples devido à reforma Protestante, que eliminou imagens e ornamentos característicos da igreja católica. É possível subir os 187 degraus de uma das torres ao custo de CHF5.

Fraumünster: Chagall na igreja

Se você gosta de Chagall como eu, não deixe de visitar esta que é uma das igrejas mais antigas de Zurique e de relevante importância no desenvolvimento da cidade, mas hoje é muito visitada pelos vitrais feitos por um Chagall idoso, já nos anos 1970s. É preciso pagar uma taxa de CHF5 e fotos não são permitidas. Abre das 10h às 18h (ou 17h de novembro a fevereiro).

St Peterskirche

Outra igreja do centro histórico ocidental de Zurique, a São Pedro detém o relógio com o maior mostruário da Europa, com 8,64 metros de diâmetro, em ação desde 1366.

Bahnhofstrasse

Sendo a cidade mais rica da Suíça, a principal rua de comércio de Zurich, Bahnhofstrasse, não poderia ter menos do que um monte de lojas de grifes internacionais e a confeitaria mais tradicional da cidade, a Sprüngli. Seu traçado é o do antigo fosso de proteção da cidade.

Caminhar ao longo do rio Limmat

Eu fiquei impressionada com a limpeza do rio e com as pessoas molhando os pezinhos para se refrescar. Além de caminhar, se você for mulher, que tal se enturmar com as locais e curtir o lido reservado apenas a elas? Anote aí: Frauenbad = banho para mulheres, foi fundado em 1837 para dar privacidade às mulheres que antes se banhavam nas fontes da cidade à noite.

Lindenhof

Um ponto legal pra ver Zurique do alto é Lindenhof, local histórico de um castelo romano e onde em 1798 os zuriquenhos proclamaram a República Helvética, abolindo o feudalismo e a autonomia dos cantões. Ou seja, um passo importante para a formação da nação suíça. É possível caminhar ou tomar o funicular até lá, e é uma boa opção para quem está com crianças, pois tem playground.

Zurich West

Eu tinha visto em algum canal do Youtube ou programa turístico na TV sobre Zurich West, uma zona industrial revigorada e agora cheia de bares e lojas alternativas.

Lago de Zurique

Um dos 5 maiores lagos de um país cheio deles, no verão o lago de Zurique se transforma numa praia, com atividades de lazer como vela, SUP, passeios em barcos a vapor e lanchas. Todo verão tem uma competição envolvendo 10.000 nadadores para cruzar o lago. O terminal de balsas que fazem passeios pelo lago fica na Burkplatz.

Arboretum

Se você vai a Zurique no verão, não deixe de passear por este parque em frente ao lago de Zurique, que vira uma praia! O mais legal é ver os Alpes ao fundo, ainda com neve em contraste com o calor que fazia naquele 1 de julho.

Ópera de Zurique e Sechseläutenplatz

Eu sei, difícil esse nome, né? Tente /sexyloitenplatz/ Praça em frente à Ópera de Zurique e onde acontece a maior festa da cidade, a festa da Primavera. A festa começa com desfiles, fanfarras, pessoas vestindo roupas típicas de épocas variadas, cavaleiros, carruagens e carros alegóricos, e muitas flores para comemorar o fim do inverno. Sempre no equinócio, em 2020 será no dia 20 de abril. No centro é montada uma pilha alta de palha, uma pira, e sobre ela é colocado um boneco ‘de neve’, recheado de fogos de artifício. Às 18h fogo é ateado e aí se conta quanto tempo leva pra cabeça dele explodir. Quanto mais rápido, melhor será o verão. Em 2019 levou 17 minutos, considerado bastante tempo, mas o verão foi super quente!

Ah, o Mercado de Natal e o Festival de Cinema de Zurique também acontecem aqui, nesta área de 16 km quadrados. Abaixo dela, há um estacionamento para 300 carros. 

Museus de Zurique

Museu da Fifa – Se futebol é sua praia, não deixe de visitar o Fifa Museum. Fica na Seestrasse 27 e abre de ter a quinta das  8h às 19h e de sexta a domingo das 8h às 18h. Custa 24 francos mas oferece desconto de 30% para quem tem o Zurich Card. Se for tão bom quanto o Museu Olímpico de Lausanne, vale muito a pena.

Belas Artes – Sua chance de ver de perto Monet, icasso, Munch e o suíço Alberto Giacometti, entre outros.

Museu Nacional Suíço (Landesmuseum) Bem atrás da estação central, este museu conta a História da Suíça em um edifício lindo, parecido com um castelo. E o melhor: entrada inclusa para portadores do Swiss Travel Pass.

Museu de História Natural – boa opção para quem vai a Zurique com crianças, tem várias atividades interativas.

Explore além dos pontos turísticos

A gente sempre descobre coisas legais, como a cara da cidade, como as pessoas vivem, saindo do circuito turístico. Na hora do almoço, todo mundo se refrescando no Sihl, o rio que vem das montanhas e desagua no Limmat.

O que Fazer perto de Zurique em 2 dias ou mais

Sempre dou dicas de bate-voltas apesar de prefirer montar várias bases, pois acho que o tempo rende mais e a gente conhece melhor outras cidades. Mas se você montar base em Zurique, muitos pontos turísticos da Suíça podem ser feitos em 1 hora de trem ou carro. Veja a relação e a distância em quilômetros:

  • Cataratas do Reno e as cidades Schaffhausen e Stein am Rhein – No meu segundo dia em Zurique, em vez de conhecer todos os pontos turísticos da lista acima, preferi um bate-volta 3 em 1 para conhecer as Cataratas do Reno e as lindas cidades Schaffhausen e Stein am Rhein. Fui de trem e demorou menos de 1 hora. A Get your Guide comercializa excursões saindo de Zurique.
  • Appenzell – taí um lugar que queria muito ter conhecido, a Suíça em estado natural. São apenas 90 km de Zurique, mas de trem leva mais que 2 horas, então ficou para a próxima.
  • Um dos picos mais legais para se conhecer na Suíça, onde tem gelo até no verão, o Monte Titlis também está a 90 km de Zurique (2h22 de trem). No post cujo link está sublinhado acima, conto como foi meu dia por lá, como chegar, custo etc., mas se preferir, pode ir comodamente de excursão comercializada pela Get your Guide.
a charmosa Berna
  • Outra cidade que não pode faltar no seu roteiro é Lucerna, a 50 km de Zurique (1 hora de trem), mas acho que ela merece mais que um dia, afinal, o monte Pilatus que domina o horizonte e o lago Lucerna merecem ser explorados com calma.
  • Com algum esforço, dá pra esticar até Interlaken, 118 km de Zurique (2h10 de trem) – mas, de novo, não recomendo. Monte base por lá pra explorar os lagos, e a minha querida Lauterbrunnen.

Quando publiquei este post, ainda não havia escrito sobre estas cidades, então confira as atualizações em Suíça.

11 COMENTÁRIOS

    • Ela não é encantadora, mas tem muitas coisas legais, Gabriela. Se tiver que escolher apenas uma cidade na Suíça, não seria Zurique, mas foi gostoso estar ali no verão – não deixe de ir nessa época.

  1. Adorei! Moro em Milão e to querendo faz tempo ir de carro pra Zurique. Agora que sei que tem os vitrais do Chagall vou ainda esse ano e vou seguir todas as suas dicas de Zurique, obrigada mesmo!!!

    • Fiquei chocada como é fácil ir de Milão a Lugano de trem, parece que estamos indo de um ponto a outro de Sâo Paulo – não só pela distância, mas pela lotação do trem no verão. Mas a Zurique é rapidinho, também, maravilha morar na Europa pra viajar!

  2. Ando com muita vontade de viajar para a Suíça e o seu post só fez aumentar. Amei as dicas e fiquei surpresa como é caro o Swiss Pass. Duas pessoas ser mais barato viajar de carro. Essa eu não imaginava. Bem, vamos juntar dinheiro para conseguir encarar os preços suícos… rsrs

    • O cálculo é um pouco mais complexo, resumi muito neste post, porque o Swiss Pass dá entradas em museus e atrações, então cada um tem que fazer as contas de acordo com seu roteiro, Lu.

  3. Achei perfeito esse roteiro de 2 dias em Zurique, pois é exatamente o tempo que ficarei por la. Seu post me ajudou muito

  4. Que demais estas dicas sobre Zurique, não fazia ideia que tinha tantas atrações na cidade e na região!

    O centro histórico me pareceu ser bem lindo!!!
    E esse Parque Arboretum?! Ia querer passar o dia todo nele! hahaha

    Ótimas informações!

    Abraço

  5. Embora você não tenha se demorado na cidade, esse roteiro de dois dias em Zurique ficou muito gostoso! Apaixonada por essa sua viagem à Suíça!

  6. zurique eh uma cidade muito legal ne, tem passeios bem diferentes e algumas partes renovadas que sao super contrastantes com a parte antiga. vale a pena comecar a viagem por ela!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui